Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

Infraestrutura

Estados do Sul unem discurso por ferrovia que passe pelo interior

Projeto que passaria pelo Oeste da região não exclui o traçado proposto pelo governo federal na apresentação do Programa de Investimentos em Logística

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul defendem a inclusão de uma ferrovia que integre a produção agrícola do Oeste dos três estados no Programa de Investimentos em Logística (PIL), pacote de concessões de R$ 133 bilhões lançado pelo governo federal no mês passado. A demanda foi reforçada ontem, durante audiência pública na Câmara dos Deputados com parlamentares, secretários estaduais e representantes dos ministérios da Agricultura e dos Transportes. Extensão da ferrovia Norte-Sul, a obra vai passar a partir do mês que vem por estudos de viabilidade, que devem ser finalizados em um ano. Essas análises serão divididas em dois trechos. O primeiro começa em Panorama (SP), passa por Maringá (PR) e termina em Chapecó (SC). O outro liga Chapecó até o Rio Grande (RS).

Segundo os parlamentares, esse traçado não é um projeto alternativo à proposta apresentada pelo governo no lançamento do PIL, que previa uma ferrovia entre a cidade de São Paulo e Rio Grande, cruzando o Leste dos estados da Região Sul. O trecho entre Maracaju (MS) e Paranaguá (PR) – que ainda não conta com uma definição de qual é o melhor caminho para chegar ao litoral paranaense – também continua sendo apoiado pelos deputados.

"O ideal é fazer as duas linhas", disse o secretário da Representação do Rio Grande do Sul em Brasília, Hilderaldo Caron. Segundo ele, a revitalização do trecho entre São Paulo e Rio Grande ao Leste não resolve os principais problemas de logística para a produção agroindustrial do Sul.

"Se não chegar à agroindústria, qualquer traçado de pouco adianta. A tendência, enquanto não tivermos essa ferrovia no Oeste, é que a situação econômica das cidades dessa região se agrave cada vez mais", afirmou o secretário de Infraestrutura de Santa Catarina, Valdir Vital Cobalchini.

José Richa Filho, que ocupa o mesmo cargo no governo paranaense, ressaltou que o assunto vem sendo debatido há mais de um ano e que também conta com o apoio do Mato Grosso do Sul. O consenso, segundo ele, é que é necessário melhorar a infraestrutura para o escoamento da produção agrícola da região, especialmente de grãos, como milho e soja.

O diretor de planejamento da Valec (estatal ligada aos Transportes que administra as ferrovias federais), Josias Sampaio Cavalcante Júnior, explicou que os custos com os estudos para a construção da ferrovia no Oeste vão sair do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). De acordo com ele, no entanto, após a conclusão dessa análise, a obra ainda poderá ser incluída no PIL – ou seja, entrar no pacote de ferrovias que serão concedidas à iniciativa privada. A expectativa é que os empreendimentos do PIL sejam concluídos mais rapidamente que os do PAC.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais