PUBLICIDADE
Caso Cachoeira

Juiz do caso Cachoeira confirma ameaças veladas

Em março, magistrado afirmou para a Corregedoria que integrantes do grupo sabiam da existência da operação e estavam movimentando a máquina que tinham à disposição na tentativa de minar as investigações

Em reunião com a Corregedora Nacional de Justiça, Eliana Calmon, o juiz federal Paulo Moreira Lima, que deixou a frente do processo contra o contraventor Carlinhos Cachoeira, confirmou nesta quarta-feira (20) as ameaças veladas que vinha sofrendo e afirmou que não tinha mais condições de permanecer no controle do caso. Calmon pedirá à Polícia Federal que garanta proteção ao magistrado e acompanhe, a partir de agora, o juiz que foi designado para julgar a causa - Alderico Rocha Santos.

Mesmo andando com carro blindado, sob vigilância da Polícia Federal e armado, o juiz disse à ministra Eliana Calmon que as ameaças o impediam de permanecer como juiz do processo. A situação chegou ao limite, conforme o relato, quando policiais foram à casa de seus pais dizendo que queriam conversar sobre o processo.

Como o grupo de Cachoeira tinha o auxílio de aproximadamente 40 agentes, entre policiais civil, federais e militares, a abordagem foi vista pelo magistrado, ex-delegado da PF, como uma "nítida ameaça velada". Depois disso, relatou o magistrado, seus pais lhe telefonavam inclusive para saber se podiam ir ao mercado.

"Naturalmente que o juiz deu as razões dele. Disse que se sentia cansado, se sentia realmente extenuado e que gostaria de sair", afirmou Eliana Calmon. Mantê-lo no processo depois de tudo, disse ela, seria um "ato de desumanidade". "Eu entendo que sai não por fragilidade, não por covardia, não porque ele esteja com medo. Ela sai porque ele quer efetivamente descansar disso tudo, dessa notoriedade", afirmou.

Paulo Moreira Lima já havia indicado ao CNJ, em março, que suspeitava de possíveis ameaças. Ele afirmou para a Corregedoria que integrantes do grupo sabiam da existência da operação e estavam movimentando a máquina que tinham à disposição na tentativa de minar as investigações.

Um dos aliados de Cachoeira, Olímpio Queiroga, foi flagrado em conversa telefônica tratando da operação antes de deflagrada. Queiroga, ressaltou o magistrado, "é mencionado em dez inquéritos policiais decido a crimes diversos, é acusado de homicídio, contém quatro armas registradas em seu nome, além de ter sido citado na CPI do Narcotráfico".

Participaram da reunião desta quarta o ex-corregedor do Tribunal Regional Federal da 1ª Região Cândido Ribeiro, o presidente da Associação dos Juízes Federais (Ajufe), Nino Toldo, e o juiz federal Leão Aparecido Alves, que herdaria o comando do processo mas que se declarou suspeito por ter ligações pessoais com investigados.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO