Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

condenação

Justiça do Trabalho determina exoneração de comissionados ilegais na Cohapar

Em 2011, empresa criou 45 cargos sem previsão legal; cabe recurso à decisão

  • Chico Marés
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) foi condenada na Justiça do Trabalho pela criação de cargos comissionados de forma ilegal. Em 2011, a empresa estatal transformou 45 cargos de função gratificada, privativa a funcionários concursados, em cargos comissionados, de livre nomeação, sem que houvesse previsão legal. Cabe recurso da decisão, que partiu da 12ª Vara do Trabalho de Curitiba.

A Justiça determinou que a empresa deixe de contratar funcionários para esses cargos, sob pena de multa diária de R$ 5 mil para cada contratado.

Quanto aos funcionários já contratados, a Cohapar terá 90 dias para exonerá-los, também sob pena de multa diária de R$ 5 mil após o término do prazo. A empresa também terá que pagar uma multa de R$ 100 mil por danos morais coletivos.

O caso

Em 2011, o Conselho de Administração referendou uma decisão da direção da empresa de transformar funções gratificadas de 45 diretores regionais em cargos comissionados de livre nomeação. Entretanto, o poder público só pode criar esse tipo de cargo através de lei. No mesmo ano, o Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge) ingressou com uma representação junto ao Ministério Público Estadual (MP) contra a medida – e também contra uma medida similar tomada pela Sanepar.

A promotora Danielle Gonçalves Thomé apresentou uma recomendação à Cohapar para que esses cargos fossem extintos. Entretanto, a Cohapar não cumpriu a recomendação, alegando que essa vedação não valeria para empresas de economia mista. A promotora entendeu que o foro adequado para uma ação judicial contra a empresa seria o MPT, que ingressou com ação no ano de 2015.

Através de sua assessoria, a Cohapar declarou que não foi notificada da decisão e que, por isso, não vai se pronunciar sobre essa decisão em um primeiro momento.

Transparência

Além de criar cargos em comissão sem previsão legal, a Cohapar se recursa a divulgar quem são os ocupantes desses cargos. A empresa alega que é impedida de fazer isso por decisão judicial. Entretanto, a decisão, de 2010, trata da divulgação dos salários dos empregados da empresa, e não da listagem de funcionários.

Segundo o assessor jurídico da presidência do Senge, Eduardo Faria Silva, a empresa também descumpre a lei nesse sentido. “A Cohapar é obrigada a divulgar não apenas os nomes dos ocupantes desses cargos, mas o valor que é pago a eles. Tratam-se de cargos que tem um recorte político, é uma situação diferente dos servidores de carreira da empresa”, afirma.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE