Assinaturas Classificados
Assinaturas

No Câmpus

Publicidade

Antônio More / Gazeta do Povo

Antônio More / Gazeta do Povo / A equipe de Eloete Camilli Oliveira monitora todos os trabalhos de conclusão de curso feitos no Unicuritiba A equipe de Eloete Camilli Oliveira monitora todos os trabalhos de conclusão de curso feitos no Unicuritiba
Trabalhos acadêmicos

Universidades se armam contra o plágio

O uso de softwares específicos e a contratação de profissionais treinados para acabar com a festa do “copiar e colar” são algumas das estratégias adotadas

30/07/2012 | 01:47 |
  • Comentários

Combate intensificado

Softwares nacionais e estrangeiros são usados como aliados na hora de identificar o plágio. A maioria dos programas trabalha apontando níveis de “coincidência” com outros trabalhos já existentes. Confira alguns dos mais usados:

Farejador de plágio

O programa é brasileiro e tem uma versão gratuita, que analisa parte do trabalho, e outra para assinantes, que faz a verificação completa.

Plagium

Oferece uma pesquisa rápida e gratuita para trechos de um texto. Para buscas avançadas, é cobrada taxa que varia de US$ 1 a US$ 10, conforme o número de pesquisas a serem feitas.

Ephorus

Criado em 2003 por professores europeus, compara textos da internet e também faz busca entre os arquivos que já passaram por alguma verificação.

Safe Assign

É o mais usado por universidades. Requer licença paga e identifica o trecho copiado e o endereço eletrônico do conteúdo original.

Turnitin

Desenvolvido por uma empresa norte-americana, o banco de inspeção conta com teses, livros, dissertações, revistas científicas, sites e também artigos de diversos gêneros, a maior parte em inglês.

Original e sem cópia

Confira algumas dicas para produzir um trabalho acadêmico livre de erros e plágio:

>>> Cuidado com a organização. Pesquisas não são feitas da noite para o dia e é preciso investimento de tempo e muito empenho para um resultado positivo. Então nada de deixar para a última hora.

>>> As punições para quem entrega trabalhos com erros, sejam plágio ou não, devem servir de exemplo a quem está produzindo. Perda de nota ou sindicância na universidade são fatores que prejudicam a carreira.

>>> As orientações dos professores devem ser aproveitadas para avançar na pesquisa. Procure sempre ter alguma evolução para mostrar nas reuniões. Assim, é mais fácil de cumprir o prazo e ter segurança na hora de finalizar a pesquisa.

>>> Toda citação de asserção, quando há um enunciado com julgamento de valor, indicação numérica ou histórica, precisa trazer a fonte de forma adequada. “O conhecimento é uma crença verdadeira” é uma frase muito usada de Platão, por exemplo. Qualquer fonte precisa ser apontada.

>>> A responsabilidade com a veracidade da pesquisa é do estudante, não do orientador. Embora os professores se preocupem com o plágio, pois isso pode afetar a imagem deles também, o foco maior do docente é no sentido acadêmico e científico.

As universidades estão cada vez mais atentas para inibir a prática do plágio em monografias, dissertações e teses – um problema que compromete a imagem do pesquisador e da instituição por ter aceitado um trabalho acadêmico que não é inédito. Entre as punições adotadas quando a cópia é comprovada estão a anulação do trabalho, a suspensão do estudante ou até a sua expulsão. Sem falar na possibilidade de o aluno ter de responder a acusações na Justiça por quebra de direitos autorais.

As formas mais comuns adotadas pelos professores para identificar o plágio são o uso de ferramentas de busca na internet e de programas de computador que têm essa finalidade específica. Entre os adeptos desses recursos estão docentes do FAE Cento Universitário e das universidades Positivo (UP), Federal (UFPR), Católica (PUCPR) e Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Entretanto, não é exagero dizer que no Centro Universitário Curitiba funciona um verdadeiro esquadrão antiplágio. Assim que a monografia é entregue ao setor responsável, ela é submetida a um software desenvolvido por um professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – na modalidade “rigorosa”. Depois disso, três funcionários estão escalados para fazer a verificação manual – uma pesquisa dos trabalhos em sites de busca na internet.

“Quando trechos suspeitos são encontrados, imprimimos e entregamos direto para o orientador do trabalho, que é quem decide se é caso de erro de formatação ou de plágio”, explica Eloete Camilli Oliveira, supervisora de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). E isso não é feito às escondidas. Antes de cada semestre, todos os alunos ficam sabendo dos procedimentos adotados.

Verificador

Nas aulas de Metodologia da professora Faimara do Rocio Strauhs, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), os próprios alunos podem passar seus trabalhos pelo software Farejador de Plágio (FDP). “É suficiente, é barato e é ligado à internet. A base de dados é atualizada quando se coloca on-line”, conta.

Faimara diz que os alunos se interessam em usar o programa, mas não deixam de brincar com a sigla dele. “Alguns chamam [o programa] de outras palavras que têm as mesmas iniciais e já ouvi até falarem que está sendo desenvolvido um programa que possa anular o verificador de plágio. A verdade é que, depois que passamos a usar o antiplágio, esses casos diminuíram em 80%”, revela.

Depois que foram noticiados os investimentos de quatro universidades cariocas em ações antiplágio – duas instituições adquiriram softwares com esse intuito, outra criou um departamento voltado à investigação dos casos e a quarta elaborou uma cartilha informativa –, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) também resolveu fechar o cerco a quem não entrega trabalhos com conteúdo original.

“Já temos um programa de livre acesso, mas ele é limitado. Só compara textos quando os dois estão na internet. Agora estamos na fase de escolha de um novo software e devemos entrar em contato com a UFRJ para saber qual é a melhor opção no mercado”, conta Rozangela Curi Pedrosa, diretora do Departamento de Inovação Tecnológica, que investiga, por ano, pelo menos quatro casos de denúncia de plágio oficializados na universidade catarinense.

Combinação explosiva

O plágio em si não é novidade em trabalhos científicos, contudo, a prática ganhou força com o avanço da internet e também com a própria característica dos estudantes. De acordo com o professor de Políticas Públicas do FAE Centro Universitário Dennys Robson Girardi, a combinação entre o perfil da geração Y e a infinidade de informações da internet impulsionou o crescimento do plágio. “Eles [alunos] querem facilidade e resolução rápida e a internet tem muitos sites que vendem trabalhos prontos. Pela falta de tradição e de experiência em pesquisa, os estudantes acabam com o problema do plágio”, afirma.

>>> Por que a prática do plágio é tão comum nas escolas e nas universidades brasileiras? Dê a sua opinião.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade