Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Walter Alves/Gazeta do Povo

Walter Alves/Gazeta do Povo / Quanto custa manter o sistema de ônibus. Quanto custa manter o sistema de ônibus.
Transporte coletivo

Tarifa de ônibus sobe para R$ 2,50

Congelada há dois anos, passagem de Curitiba aumenta 13,64%, acima da inflação acumulada no período, que foi de 10,47%

Publicado em 05/03/2011 |
  • Comentários


Região metropolitana

Preço em linhas não integradas aumenta 20%

A passagem de ônibus também subiu hoje, primeiro dia do feriado prolongado de carnaval, em 60 linhas e oito terminais dos municípios da região me­­tro­­politana de Curitiba que não fazem parte da Rede Integrada de Transporte (RIT) da capital. A alta foi de 20%, em média. O último reajuste concedido ocorreu em 2007.

Sob a alegação de defasagem no preço, as empresas de ônibus pediam um reajuste linear de 34,5%. “Ainda assim conseguimos negociar um reajuste menor que a inflação registrada no período, de 25,28% pelo Índice Nacional de Pre­­ços ao Consumidor (INPC). Com isso, as passagens ficarão entre R$ 2,00 e R$ 3,30”, afirma o diretor de Transporte da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Carlos do Rego Almeida Fi­­lho.

Segundo ele, o aumento da tarifa era necessário para manter a qualidade atual do transporte coletivo. Almeida Filho diz ainda que a Comec pretende fiscalizar a idade má­xima de utilização dos veículos, que deverão ter uma vida útil média de cinco anos e máxima de dez anos.

Ponta grossa

Prefeito veta reajuste

A tarifa do transporte coletivo em Ponta Grossa não vai subir, pelo menos por enquanto. Depois de duas reuniões do Conselho Municipal de Transportes (CMT), os membros autorizaram um aumento de R$ 0,15, menor que o requisitado pela Viação Campos Gerais (VCG), empresa permissionária do transporte público, de R$ 0,23. Assim, a tarifa passaria dos R$ 2,20 atuais para R$ 2,35.

Mas, mesmo com o aval do conselho, o prefeito Pedro Wosgrau Filho não acatou a solicitação da VCG afirmando que vai aguardar a definição do porcentual de reajuste de salário dos trabalhadores do setor, cuja database é maio, para então avaliar qual o valor do aumento. A VCG informou, via assessoria de imprensa, que vai esperar o prazo determinado para então enviar uma nova proposta de reajuste da tarifa. Para o presidente do CTM, Carlos de Mário, a decisão do Executivo foi acertada. “Assim teremos mais tempo para discutir a bilhetagem eletrônica, que pode baratear os custos da tarifa”, diz.

Colaborou Ismael de Freitas

A tarifa do transporte coletivo de Curitiba subiu R$ 0,30 à zero hora de hoje, saltando de R$ 2,20 para R$ 2,50. O aumento, de 13,64%, ficou acima do valor da inflação acumulada desde 12 de janeiro de 2009, data do último reajuste, que foi de 10,47%, segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). É o primeiro reajuste da passagem desde a entrada do modelo de concessão do transporte coletivo, que passou a vigorar em novembro do ano passado após um longo processo licitatório.

O preço da tarifa da Linha Tu­rismo e do Circular Centro também aumentou, passando de R$ 20 para R$ 25 e de R$ 1,20 para R$ 1,50, respectivamente. Já a tarifa de domingo continua R$ 1,00. Atual­mente, 1,1 milhão de passageiros pagantes utilizam o transporte coletivo de Curitiba todos os dias.

Com a alta na tarifa, o custo mensal com transporte passa a representar 23,85% ou quase R$ 130 do salário mínimo brasileiro, de R$ 545, levando em consideração um gasto de 52 tarifas no mês. “O aumento da passagem vem em um momento em que o trabalhador já está pressionado pela alta dos alimentos também acima da inflação. A cesta básica subiu 13% em Curitiba nos últimos 12 meses. Ao mesmo tempo o aumento médio das categorias tem sido de 8%. São despesas importantes que pressionam significativamente o bolso do trabalhador”, alerta o economista e supervisor técnico do escritório regional do Depar­ta­mento Inter­sindical de Estatísticas e Estudos Socio­econômicos (Dieese-PR), Cid Cordeiro. Ele explica que, no caso do Paraná, o piso regional de R$ 663 teria de ser reajustado em 14% para compensar o aumento da passagem no bolso dos trabalhadores.

De acordo com o diretor de transporte da Urbanização de Curitiba (URBS), Lubomir Antonio Ficinski Dunin, o aumento foi provocado pelo reajuste de 15% nos salários dos motoristas e cobradores, concedido em 2010 e 2011. “Foi um reajuste acima da inflação do período que as empresas foram obrigadas a conceder”, afirma. Além dos salários, explica Dunin, durante os dois anos em que o preço da passagem ficou congelado, o óleo diesel sofreu um acréscimo de 2,41%, os lubrificantes subiram 29,13% e peças e acessórios 9,24%. “Não tinha como não subir”, justifica.

O presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Anderson Teixeira, contesta a alegação da Urbs e diz que a data-base da categoria tem pouca influência na tarifa. “O nosso reajuste tem um impacto de apenas R$ 0,08 no preço da passagem. Queremos alertar a sociedade de que não somos os únicos responsáveis pelo aumento. O trabalhador não pode ser responsabilizado”, afirma.

Cordeiro, do Dieese, também critica a forma como a Urbs vem calculando os custos do transporte coletivo na cidade. Ele argumenta que os parâmetros estão defasados. “Para um reajuste mais preciso, e possivelmente mais baixo que este, o correto seria usar uma planilha de custos real, não baseada em médias, ainda mais defasadas”, defende.

Repúdio

A bancada do PT na Câmara Municipal de Curitiba repudia o aumento da tarifa do transporte público. De acordo com o vereador Jonny Stica, líder da bancada do partido, a prefeitura precisa atualizar o coeficiente técnico da atual planilha. “Alguns elementos que compõem a tabela estão defasados, como por exemplo, o que mede o desgaste dos pneus, calculado em 1988”, afirma.

Para o economista Lafaiete Neves, autor do livro Movimento Popular e Transporte Coletivo em Curitiba, nada justifica um au­­mento deste tamanho. “O sistema vai perder mais passageiros. Não houve um reajuste salarial no país que justifique este aumento. Ele é resultado da sanha dos empresários do transporte por lucro. Vários itens da planilha de custos estão inflados”, diz.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade