Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Antonio More/Gazeta do Povo

Antonio More/Gazeta do Povo / Hoje, o extinto Aterro do Caximba est coberto por grama Hoje, o extinto Aterro do Caximba est coberto por grama
Meio Ambiente

Caximba, um ano depois

Depois de passar 365 dias sem receber lixo, paisagem em antigo aterro j outra. Falta, agora, infraestrutura para a populao

Publicado em 30/10/2011 |
  • Comentrios

H um ano, o Caximba entrou em estado de graa. O Aterro Sanitrio de Curitiba, que posteriormente ficou conhecido pelo nome do bairro onde estava instalado, deixou de funcionar aps 21 anos recebendo o lixo de Curitiba e da regio metropolitana. Nos primeiros 365 dias sem absorver os restos da capital, os urubus que faziam parte da paisagem desapareceram e o ar lembra o de outros pontos da cidade, sem o odor caracterstico da mistura entre lixo e gs metano. Agora, a comunidade tem dois novos alvos. O primeiro melhorar a estrutura da regio. O segundo desconstruir o estigma que acompanha os moradores: o de vizinhos do lixo.

A esperana de que o fim do Caximba se reverteria em melhorias rpidas ao bairro no se concretizou e os moradores aguardam obras reivindicadas h anos. O local conta com certas peculiaridades: falta asfaltamento na rua, parte da populao no tem saneamento e a regio, ainda, concentra loteamentos irregulares.

Divulgao

Divulgao / A paisagem do local h cerca de um ano Ampliar imagem

A paisagem do local h cerca de um ano

Lazer

Parque esperana de mudana

No se sabe em quanto tempo, mas o Aterro do Caximba deve se transformar em um parque municipal. Alis, como construes de engenharia mais elaboradas no so recomendadas sobre aterros, por impedirem a dissipao do gs, o aproveitamento de reas verdes e criao de reas de lazer so as solues mais comuns encontradas pelas cidades. O projeto de se implantar um parque persiste. Pode ser que daqui a cinco anos seja possvel, afirma a secretria municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Apesar das promessas, o povo do Caximba como So Tom: s vai acreditar nas benfeitorias quando se tornarem realidade. Foi prometida a construo de uma academia ao ar livre. At agora nada, diz a artes Lila Oslicki, de 43 anos. Seria uma boa [um parque]. As crianas daqui no tm nada para fazer, afirma o aposentado Odair Rocha, de 58 anos. Acho que no vai ser feito nada aqui. Qualquer pessoa sensata no vai levar o filho em um parque que gera gs metano, argumenta Jadir Silva de Lima.

Contudo, o parque pode enterrar de vez o estigma carregado pelo bairro e pelos moradores. Tivemos aumento de mil alunos de 2010 para 2011. No havia me atentado ao fato que o fim do Caximba possa ser um dos motivos", diz a diretora do Colgio Estadual Maria Gai Grendel, Sonia Hina.

Aterros temporrios do conta do recado

Desde que o Caximba foi desativado h um ano, entraram em cena os aterros temporrios. Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, 2,4 mil das 2,5 mil toneladas de lixo so destinadas ao aterro da Estre, em Fazenda Rio Grande as 100 toneladas restantes vo para a Essencis, na divisa de Curitiba com Araucria. A Estre e a prefeitura avaliam de forma positiva o trabalho.

A operao atual atende a todas as condicionantes do IAP [Instituto Ambiental do Paran], diz a Estre, que promete construir um instituto para trabalhar educao ambiental com a comunidade. Temos feito fiscalizao por meio do Consrcio Municipal e a situao da destinao de resduos est administrada, afirma a secretria municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Os aterros temporrios tm contrato vigente por mais um ano, com possibilidade de renovao por outros dois. Eles sero usados enquanto o Sistema Integrado de Aproveitamento de Resduos, que deve ser construdo em Mandirituba, no sair do papel. A licitao para a contratao das empresas est parada em funo de uma disputa judicial entre dois concorrentes. (VB)

A prefeitura diz que a situao vai mudar em breve. A lei complementar 82/11 vai beneficiar 6,8 mil famlias que moram em 83 reas na condio de clandestinos, porque foram loteadas sem aprovao da planta na prefeitura, diz a nota enviada Gazeta do Povo.

Novas solues devem ser discutidas tambm na nova Regional do Tatuquara, subprefeitura da qual o Caximba membro. O aterro, porm, deixou desconfianas e parte da comunidade no cr em mudanas enquanto elas no estiverem efetivamente concludas.

A situao no vai mudar, porque a subprefeitura de um local no supre as necessidades das outras regies. Pode at ajudar o Tatuquara, mas no vai nos ajudar, diz o presidente da Aliana para o Desenvolvimento Comunitrio da Caximba (Adecom), Jadir Silva de Lima, um dos principais responsveis pelo fechamento do aterro.

A prefeitura, por outro lado, argumenta que a nova regional facilita a definio de aes prioritrias. Procuramos dentro do oramento da cidade eleger as prioridades, argumenta a secretria municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Montanha de lixo

A montanha de lixo criada em funo do aterro requer acompanhamento. Conforme a prefeitura, aes na manuteno so realizadas com frequncia, inclusive com o controle da estabilidade e as tentativas de adequao do chorume aos ndices ambientais recomendveis. Vrias aes foram executadas, especialmente na parte de manuteno, para garantir o encerramento adequado, dentro das condies ambientais, afirma Marilza. Prova da melhoria do ambiente foi o aumento de mamferos da regio: de 8 para 23, segundo a secretaria.

O prximo passo deve ser a criao de um sistema de gerao de energia a partir do gs metano produzido pelo aterro hoje, ele queimado, deixando uma caracterstica chama azul no topo do morro. O edital elaborado pela prefeitura est pronto, mas depende de uma evoluo do mercado de crdito de carbono. Nesse momento, a viabilidade financeira do crdito de carbono no est boa, em razo das discusses sobre a renovao do protocolo de Kyoto, explica Marilza.

Sem prazo definido e dependendo de obras, a outra promessa transformar a Caximba em um parque. O prprio monitoramento vai indicar quando haver a possibilidade. Enquanto isso, as obras de manuteno so realizadas, diz. Para os moradores, essa a esperana de deixar de vez para trs um passado envolto em lixo.

O interior fica aqui

Ir ao Caximba como estar em uma cidade do interior. Na paisagem de pequenas chcaras e olarias, veem-se pessoas que usam cavalos como meio de transporte, observa-se a criao de carneiros, bate-se na porta de uma casa sem muros e deixa-se a mente relaxar acompanhando os pescadores nas cavas do Rio Iguau. A 23 quilmetros do Marco Zero, o bairro o mais distante do Centro de Curitiba. O relgio no mente: se for visitar o local, prepare-se para uma boa hora no assento do carro ou duas horas no vaivm do nibus.

Vizinho de localidades relativamente novas e bem povoadas, como o Tatuquara e o Campo do Santana, o Caximba mais tradicional. Recheado de famlias italianas e polonesas, o local concentra grandes lotes divididos entre elas. As olarias so a principal atividade e os tijolos so usados na construo civil de toda a capital, orgulham-se os moradores. A tranquilidade, entretanto, ainda no se reverteu em aumento populacional da regio: de 2000 a 2010, o bairro teve crescimento demogrfico irrisrio.

A explicao para a manuteno populacional est na ponta da lngua: o lixo e a falta de estrutura. Se voc pretende se mudar para l, saiba que os Correios no chegam a alguns endereos, em razo das reas serem consideradas irregulares. Estamos abandonados. O carteiro no vem at aqui. Recebo minha correspondncia nos comrcios, conta o aposentado Odair Rocha, de 58 anos. Saneamento? No consta. Temos gua, mas o esgoto no chegou, diz o aposentado Pedro Michele, de 64 anos.

As crianas do Caximba no tm parques, canchas municipais ou praas. Resultado: a escola da comunidade precisa arrumar passatempos educativos para os jovens. Os alunos passam o dia inteiro na escola. Eles no tm lazer nenhum, afirma a diretora do Colgio Estadual Maria Gai Grendel, Sonia Hina. No contraturno, os estudantes aprendem a cuidar da horta, jogam futsal, cantam em corais e danam no salo. Nossa realidade a da falta de estrutura. Nem mesmo internet ou banda larga funcionam aqui.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposio com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, voc recebe o jornal em casa, tem acesso a todo contedo do site no computador, no smartphone e faz o download das edies da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por ms no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      S o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao contedo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edies no tablet - um novo jeito de ler jornal onde voc estiver.

      CLIQUE E FAA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      publicidade