Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade
Crise institucional

Remanejamento de delegados gera troca de farpas na Polícia Civil

Delegado insinua que foi transferido por combater receptadores de carros roubados. Superior imediato nega e disse que colega terá que responder por denúncias

26/09/2012 | 20:14 | atualizado em 27/09/2012 às 17:37
  • Comentários

Um remanejamento de delegados anunciado nesta quarta-feira (26) pelo comando da Polícia Civil do Paraná provocou troca de farpas e insinuações públicas entre policiais, gerando um mal estar na instituição. Um dos transferidos, o delegado Gérson Machado lançou dúvidas sobre os motivos das mudanças. Ele foi retirado da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) um dia depois de ter tentado prender um homem apontado como “o maior receptador de carros roubados de Curitiba e região metropolitana”. O suspeito conseguiu fugir.

Em nota, o Machado disse que, dois meses depois de ter assumido a DFRV, foi chamado pelo seu superior imediato, o delegado Luiz Carlos de Oliveira, responsável pela Divisão de Crimes Contra o Patrimônio. Segundo Machado, seu chefe “veio com um pedido relacionado a ‘lojas de autopeças’, e que eu disse que não iria atender, por ser contra meus princípios”. O delegado não dá detalhes sobre o “pedido”, não concedeu entrevistas e disse que só se manifestaria por meio do comunicado.

Suspeito de receptação foge e denuncia policiais

Na segunda-feira, um homem apontado como “o maior receptador de carros roubados de Curitiba e região” conseguiu fugir de uma abordagem da DFRV. O suspeito estava dentro de um Audi, estacionado na Rodovia do Xisto, em Araucária, chegou a ser algemado, mas conseguiu dar partida e arrancar com o veículo. Os policiais ainda atiraram contra o carro, mas não conseguiram provocar a parada do veículo. Machado afirma, em nota, que sua remoção está relacionada a esta operação.

Após fugir, o suspeito procurou a promotoria de Araucária, onde afirmou ter sofrido tentativa de homicídio durante a operação. O promotor criminal Rodrigo Leite Ferreira Cabral, instaurou uma investigação para apurar como ocorreu a abordagem ao suspeito e se houve algum tipo de abuso. Segundo o promotor, os policiais devem ser chamados nos próximos dias para prestar depoimentos. Cabral explicou que o suspeito narrou somente a tentativa de homicídio na promotoria. “Ele alegou uma perseguição por parte do delegado Gerson Machado”.

Crises na Polícia Civil

Outubro de 2011 – Após as eleições do sindicato e da associação de delegados da Polícia Civil, quatro delegados foram transferidos. Eles integravam chapas adversárias das apoiadas pelo delegado-geral Marcus Vinícius Michelotto. O chefe da Polícia Civil assumiu que as trocas tiveram motivação política.

Dezembro de 2011 – A Polícia Civil do Paraná se viu em um mal estar, depois que uma operação do Grupo Tigre, no Rio Grande do Sul. Um sargento da Brigada Militar gaúcha e um refém de sequestro morreram. Situação causou bate-boca entre autoridades gaúchas e paranaenses. Policiais paranaenses respondem na Justiça pela morte do brigadista.

Janeiro de 2012 – Em protesto por melhorias salariais, policiais de base abordam mansão onde funcionava um cassino clandestino e casa de prostituição. Local seria frequentado pela alta cúpula da polícia. Delegado-geral chama os agentes de milicianos. Após o caso, investigadores que teriam participado da ação foram transferidos.

Fevereiro de 2012 – Policiais civis aprovaram indicativo de greve e realizaram operações-padrão. A mobilização, no entanto, durou pouco, porque o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) proibiu a greve.

Maio de 2012Série de reportagens da Gazeta do Povo mostra irregularidades em repasses do fundo rotativo da Polícia Civil e denuncia o uso de viaturas oficiais por parte de delegados e investigadores. Governo do estado anuncia intervenção na corporação. MP-PR, TCE-PR e Corregedoria de Estado passam investigar as denúncias.

Na quinta-feira (27), em depoimento à Corregedoria da Polícia Civil, Machado "esclareceu que, ao dizer na nota que não atendeu ao pedido do divisional por ser contra seus princípios, referia-se ao fato de ele não concordar em sobrecarregar ainda mais os investigadores, que estão afastados de suas funções, fazendo as vezes de carcereiros”, diz a nota da Polícia Civil.

Mudanças

Na quarta-feira (26), no entanto, Machado sugeriu que foi tirado da DFRV por sua atuação repressiva contra autopeças que receptam veículos furtados e roubados. “Salvo melhor juízo, a mesma [a transferência] está relacionada com a maneira enérgica com que tenho agido contra os donos de autopeças, que são com toda a certeza, quem fomentam o crime de furto e roubo de veículos”, afirma, na nota enviada na quarta.

Único citado nominalmente por Machado no texto, o delegado Luiz Carlos de Oliveira rechaçou na quarta-feira existir qualquer esquema que pudesse beneficiar desmanches e receptações de veículos na capital e região metropolitana. “Cada um fala o que quer e depois arca com as consequências. Isso é mentira dele, nunca existiu”, ressalta.

Oliveira classificou Machado como uma pessoa “perigosa” e “mentirosa”, na quarta-feira, e negou ainda que tenha havido reunião entre os dois para que investigações sobre autopeças não fossem adiante. “Nunca teve nada disso. Esse cara é louco [sic]”, disse. "Ele vai responder por isso. Ele vai responder não sei de qual forma. Acho que de todas as formas. Ele está falando inverdades”, esbravejou.

O chefe da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio não deixou claro os motivos que levaram à transferência de Machado, mas deu a entender que a alteração obedeceu a critérios técnicos. “No hipismo é preciso haver uma sintonia muito boa entre cavalo e cavaleiro. Na atividade policial deve ter um bom conjunto profissional e de homens. Quando um não anda direito tem que tirar. Acredito que ele deve saber por que saiu. Deve saber dos problemas que ele teve”, diz.

Delegado-geral vai investigar denúncias

Por meio de nota emitida no início da noite desta quarta-feira, o delegado-geral da Polícia Civil, Marcus Vinícius Michelotto informou que a Corregedoria da corporação deve investigar as denúncias de Machado. O chefe da Polícia Civil determinou que Machado seja ouvido “de forma imediata sobre as denúncias relativas ao trabalho feito com lojas de autopeças”. O delegado-geral ressalta que pediu rigor na apuração.

Pela manhã, o delegado-geral havia divulgado outra nota, afirmando que as mudanças ocorreram de “maneira absolutamente tranquila e rotineira” e que as trocas ocorreram para “dar uma oxigenada” na Polícia Civil.

Outras transferências

No total, dez delegados foram remanejados pelo comando da Polícia Civil nesta quarta-feira. Veja quais foram os delegados transferidos.


      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade