Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade
Comunicação social

Os dois lados do Conselho de Mídia

Assembleia do Ceará aprovou indicativo para criar um órgão com a função de fiscalizar a imprensa; e reacendeu a polêmica em torno do assunto

Publicado em 24/10/2010 |
  • Comentários

A polêmica discussão sobre o controle da mídia e da imprensa voltou à pauta na semana que passou com a aprovação, por parte da Assembleia Legislativa do Ceará, de um indicativo de projeto que visa a criar o Conselho Estadual de Comunicação Social (Cecs).

De autoria da deputada esta­­dual Rachel Marques (PT), o texto segue as orientações provadas na 1.ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), convocada e promovida pelo governo Lula em dezembro de 2009. Defende, entre outros aspectos, o poder de “acompanhar o desempenho e a atuação dos meios de comunicação locais, orientando e fiscalizando as atividades dos órgãos de radiodifusão sonora ou de imagem sob jurisdição do Estado”.

Contra os conselhos

“Os grandes prejudicados serão os cidadãos”

Ricardo Pedreira, diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ)

" target="_blank">Leia a matéria completa

A favor dos conselhos

“Só teme o controle quem não quer cumprir normas”

Dr. Rosinha, deputado federal (PT-PR)

" target="_blank">Leia a matéria completa

Diretrizes desse tipo chegaram a integrar o programa de governo de Dilma Rousseff (PT), apresentadas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas foram retiradas mais tarde para evitar polêmica.

Como era de se esperar, a proposição cearense causou furor mesmo antes de sair do papel – para se transformar em lei, precisa da autorização do governador Cid Gomes (PSB) e da aprovação em plenário do conteúdo definitivo pelos parlamentares.

Isso não deve ocorrer, como mostrou a edição de sábado da Gazeta do Povo. O projeto esbarra na inconstitucionalidade segundo juristas, por não ser atribuição de um estado legislar temas relacionados à comunicação e por ferir o princípio da liberdade de expressão.

Mesmo assim, entidades como a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e a Associação Bra­­sileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) demonstraram preocupação com a retomada do debate sobre o controle da imprensa, que classificam como “censura prévia”. Do outro lado, defensores do conselho, como os sindicatos de jornalistas, falam em “democratização da comunicação”. A Gazeta do Povo entrevistou um representante de cada corrente.

* * * * *

Interatividade

Qual sua opinião sobre a criação de conselhos para fiscalizar a imprensa e os meios de comunicação?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade