Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade
Image Map

Organizações não governamentais

Terceirizações

Prefeituras do PR pagaram R$ 41 mi a ONGs sob suspeita

Sete municípios firmaram convênios com duas entidades que foram incluídas na lista do governo federal de instituições com problemas “graves e insanáveis”

Publicado em 18/03/2012 |
  • Comentários

O outro lado

Veja o que diz cada ONG e cada prefeitura sobre os contratos:

Entidades

Adesobras

A ONG está sob intervenção desde dezembro passado, por ordem judicial. Os diretores foram detidos na operação Deja Vu II, da Polícia Federal. O interventor diz que, até junho, repassará todos os contratos para outras instituições e que, depois disso, a Adesobras encerrará suas atividades. A ONG chegou a ter 600 funcionários atendendo prefeituras.

Ibrasc

O diretor-presidente do instituto, com sede em Santa Catarina, José Carlos Jobim, diz que os problemas apontados pelo governo federal são meramente pontuais e que estão sendo resolvidos. A ONG prestava atendimento de saúde para presos em cadeias federais, incluindo Catanduvas, no Paraná. Jobim diz que hoje o Ibrasc não faz mais contratos com prefeituras e que atende apenas presídios.

Municípios

Céu Azul

A prefeitura de Céu Azul, no Oeste paranaense, informou que o contrato com a Adesobras foi necessário para fornecer mão de obra para certos serviços em que não fazia sentido ter funcionários permanentes e concursados. A prefeitura afirma ainda que as recomendações legais foram seguidas e que o contrato foi proveitoso para o município.

Guaraqueçaba

A prefeitura da cidade do Litoral informa que o contrato com o Ibrasc foi necessário para fornecimento de profissionais da área de saúde. A instituição tinha 15 profissionais executando essa atividade no município. No ano passado, a prefeitura, não satisfeita com a prestação dos serviços, decidiu não renovar o contrato. Hoje, outra ONG faz o mesmo serviço.

Guaratuba

A reportagem não conseguiu uma resposta da prefeitura do município litorâneo até o fechamento da edição.

Itaipulândia

A prefeitura da cidade, no Oeste do estado, diz que herdou os contratos com a Adesobras da gestão passada e que já rompeu com a ONG. O município diz que não tinha pessoal para assumir todas as tarefas e que, por isso, fez contrato com outra organização não governamental.

Missal

A prefeitura de Missal, no Oeste do Paraná, diz que a contratação da Adesobras foi feita em razão da burocracia envolvida na realização de um concurso público. O contrato acabou em março de 2011 e, devido à prisão dos diretores da ONG, não foi renovado. A prefeitura realizou concurso e contratou 120 funcionários.

Piraquara

A Adesobras prestava serviços de assistência social para a prefeitura da cidade na Grande Curitiba. Luiz Carlos Heleno, diretor da proteção social básica, da Secretaria Municipal de Assistência Social, diz que a ONG ganhou licitação e que não houve irregularidades. Hoje, a Adesobras foi substituída por outra entidade sem fins lucrativos.

São Miguel do Iguaçu

O município, no Oeste do estado, diz não ter localizado nenhuma irregularidade nos contratos. Todas as parcerias já foram encerradas. A prefeitura informa que, desde então, não tem mais ONGs atuando em atividades-fim, apenas em ações de apoio. Informa ainda que hoje prefere usar funcionários concursados.


Sete prefeituras paranaenses repassaram um total de R$ 41 mi­­lhões a organizações não go­­vernamentais (ONGs) que, desde o último dia 9, entraram na lista de instituições proibidas de fazer novos convênios com o governo federal. A lista, que contém 164 entidades de todo o país, é formada por ONGs que tiveram problemas “graves e insanáveis” em seus contratos com ministérios. Até o momento, não há indícios de irregularidades nos convênios com as administrações municipais.

Segundo as prefeituras, os municípios hoje não têm como escapar de contratos com terceirizadas: as ONGs teriam como fazer contratações e demissões com mais agilidade, podem oferecer salários mais atraentes para algumas categorias e evitam a necessidade da realização de concurso público. Especia­­listas afirmam também que a contratação de funcionários por meio de entidades sem fins lu­­crativos evita gastos previdenciários e ajuda o município a “driblar” a Lei de Responsabili­­dade Fiscal.

Verba municipal

As duas ONGs da lista da CGU que receberam dinheiro de prefeituras paranaenses são Agên­­cia do De­­senvolvimento Edu­­cacional e So­­cial Brasileira (Ade­­sobras) e o Ins­­ti­­tu­­to Brasileiro Santa Catarina (Ibrasc).

A Adesobras, que está sob intervenção judicial, celebrou termos de parceria com os municípios de Itaipulândia, Missal, Piraquara, Céu Azul e São Miguel do Iguaçu para desenvolver projetos de assistência social, educação e saúde.

Os contratos tinham o valor inicial total declarado de R$ 11,8 mi­­lhões, mas segundo informações pres­tadas pelos municípios ao Tri­­bunal de Contas do Paraná (TC), as prefeituras acabaram pagando R$ 28,6 milhões para a entidade nesse período graças a uma série de aditivos feitos nos convênios originais.

Já o Ibrasc, que tem sede em Balneário Camboriú (SC), realizou atividades na área da saúde para a prefeitura de Guaratuba nos anos de 2005, 2006 e 2009. No total, a ins­­tituição recebeu R$ 12,5 mi­­lhões, segundo dados do TC. O valor inicial total original dos contratos era de R$ 7,3 milhões.

Investigações

Tanto o Ibrasc quanto a Adesobras já foram e são alvos de investigações conduzidas pelo Ministério Público do Paraná (MP). Além disso, em 2011 dirigentes da Adeso­­bras foram presos durante a Ope­­ração Dejavu 2, da Polícia Federal, que prendeu representantes de entidades acusadas de comandar um esquema de fraudes em convênios com o governo federal.

Em dezembro do ano passado, a 2.ª Vara Criminal Federal de Curi­­tiba decretou uma intervenção na Adesobras e na Ibidec, uma ONG “gê­­mea” que funcionava no mesmo endereço que atendia, entre outras, a prefeitura de Curi­­tiba. Des­­de lá, o interventor tem repassado os contratos da ONG para ou­­tras instituições. O prazo para que isso ocorra vai até junho. Depois, a ONG terá suas atividades encerradas.

Interatividade

Você acha que é correto que o poder público repasse determinadas atividades para ONGs? Por quê?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade