PUBLICIDADE

Animal

Como acostumar seu gato a passear na coleira

Diferente dos cães, os gatos reagem de formas diferentes à coleira e podem não se adaptar. Algumas dicas são fundamentais antes colocar a guia e insistir em levar o gato para ambientes externos

A gata Fluffy foi acostumada desde filhote a passear em vários ambientes.  (foto: arquivo pessoal)A gata Fluffy foi acostumada desde filhote a passear em vários ambientes. (foto: arquivo pessoal)

Treinar o gato desde filhote é uma dica fundamental para quem passear com o bichano, mas não é regra. Muitos gatos podem simplesmente não ter aptidão para o passatempo, principalmente os que têm temperamento mais reservado e inseguro. Patrícia Yukiko Montaño, médica veterinária e especialista em felinos alerta que os gatos se assustam com a movimentação e o barulho dos carros. “Alguns são exceção, mas a maioria dos gatos se assusta e pode ter alguma reação contrária”, comenta Patrícia.

Mas há experiência bastante positivas.  A gerente de lojas Josiane Gonçalves, por exemplo, diz que é preciso entender o tempo do gato e deixar que ele guie o processo. Ela resolveu adotar a coleira porque ia ao parque com a gata Fluffy no colo e tinha medo que o animal fugisse. “Então eu comecei a colocar o peitoral em casa, depois a guia, andava com ela dentro de casa e posteriormente comecei a arriscar passeios mais longos”. Hoje ela frequenta shoppings e parques com a gata e nunca teve problemas.

A Fluffy, da Josiane, passeia desde os 5 meses (Foto: arquivo pessoal)

A gata Fluffy faz passeios externos desde filhote e se acostumou com a guia. (Foto: arquivo pessoal)

Como fazer

Para quem quer incluir os passeios na rotina dos bichanos, é preciso seguir algumas orientações. De acordo com Patrícia, é ideal que eles sejam treinados desde pequenos. Dessa forma, é mais fácil para eles se acostumarem com os barulhos e com as pessoas. Josiane, por exemplo, começou quando a gata tinha cinco meses.

Também é preciso ter paciência e disposição. Os gatos vão escolher o itinerário e podem ficar acanhados. Alguns nem vão querer sair. O ideal, ao perceber reações nervosas ou incômodas por parte do gato, é nem insistir.

Com relação à coleira, deve ser providenciado um equipamento próprio para ser usado em gatos, que consiste em uma espécie de peitoral, mais adaptada à anatomia deles, com uma tira que fica ao redor do pescoço, outra ao redor do tórax e, nessa parte, prende-se a guia. O treino começa em casa e, aos poucos, arriscando ambientes externos, sempre preferindo os mais tranquilos aos mais movimentados.

Ter uma plaquinha de identificação, com o telefone de contato do tutor e as vacinas em dia é fundamental. Ao ir para a rua, os bichanos ficam mais expostos a doenças e podem ter contato com outros bichos.

Mas eles precisam passear?

Os passeios podem ser uma saída para os gatos muito agitados e também uma opção divertida, mas não é uma necessidade. Para Patrícia, eles vivem muito bem no ambiente indoor. “Cada vez mais a gente preconiza que os gatos não tenham acesso à rua, diferente do que a gente achava antigamente”, diz a especialista. Ao contrário dos cachorros, os gatos usam as caixinhas de areia para as necessidades e não precisam de um passeio. Além disso, eles são verticais: gostam mais de subir a sair correndo.

Por isso, a orientação de Patrícia é que os donos desenvolvam em casa um ambiente propício para a diversão dos felinos. Dá para fazer isso com prateleiras, tocas, túneis, arranhadores e diversões com petiscos dentro dos brinquedos. “Como eles são caçadores por natureza, brincadeiras que estimulem a caça sempre os deixa felizes”, afirma Patrícia.

Leia mais

Empresária cria marca exclusiva de joias feitas com cinzas dos pets

Como preparar a casa para o animal de estimação idoso?

Como dar banho em gatos: confira o passo a passo

PUBLICIDADE