PUBLICIDADE

Animal

Empresária cria marca exclusiva de joias feitas com cinzas dos pets

Com o falecimento da cachorrinha Vicenza, Aline teve a ideia de eternizar o pet em uma joia, que pode ser um anel ou pingente

De cinzas a joias, empresária teve a ideia do negócio depois que a cachorrinha morreu (Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo)De cinzas a joias, empresária teve a ideia do negócio depois que a cachorrinha morreu (Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo)

O tempo não foi suficiente para amenizar a dor da perda de Vicenza, uma cachorrinha vira-lata que conviveu durante 13 anos com a microempresária Aline de Cezaro, de 35 anos. A companheira de quatro patas morreu em 2015, por conta de um tumor na hipófise. “Há 11 anos, quando tive minha filha, a Vicenza era como uma guardiã. Toda vez que o bebê chorava, ela vinha correndo e latia para me avisar”, conta Aline, emocionada. Para tentar suportar a saudade e simbolizar seu amor pela mascote, Aline teve a ideia de fazer um pingente personalizado com as cinzas de Vicenza.

Como a opção de fazer cristais e diamantes, disponível no mercado há alguns anos, era inviável para Aline por conta do alto valor (que pode chegar a R$ 30 mil), ela conseguiu produzir, a muito custo, seu próprio pingente em prata. “Eu queria algo exclusivo, que eu pudesse sentir que ela estaria comigo em todos os momentos”, diz. Em 2016, patenteou o invento e hoje comanda a marca de joias “Sempre Comigo”, com peças sob medida por R$ 300 para quem quer homenagear o pet que faleceu.

Não foram duas nem três negativas de joalheiros ao pedido de Aline. Por se tratar de um projeto difícil, que exigia materiais e acabamento específicos para manter as cinzas à mostra e à prova d’água, muitos profissionais nem arriscavam uma tentativa. Depois de ser chamada de louca por várias pessoas, ela finalmente viu seu sonho tornar-se realidade. Alceu Schneider, ourives há mais de 35 anos, aceitou o desafio.

Após alguns testes, o sucesso: uma delicada peça de prata e acrílico impermeável, como um relicário circular, decorada com um desenho de patinha de cachorro, do jeito que Aline havia desenhado.

O resultado a agradou tanto que acabou se tornando uma fonte de renda. Em novembro do ano passado, Aline começou a vender peças exclusivas para os clientes de seu pet shop, Companhia do Cachorro, no Xaxim, que passaram pela mesma história. “Pensei: por que não passar essa ideia adiante? A Vicenza me deixou uma história de companheirismo tão bonita, quero dar essa oportunidade para outras pessoas também”, conta.

(Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo)

(Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo)

Joias exclusivas

É possível escolher entre um anel ou um pingente, em ouro ou prata. Cada joia é feita sob medida, custa R$ 300 e leva de 10 a 15 dias para ficar pronta. Entre os modelos disponíveis, estão os de patinha, coração, ossinho e estrela. O pingente fica ainda mais personalizado se o cliente optar pelo acrílico colorido, disponível nas cores azul e rosa.

Por enquanto, as encomendas são feitas em contato direto com a microempresária, mas alguns crematórios de Curitiba já demonstraram interesse em possíveis parcerias.

No Crematório Vaticano, transformar as cinzas do pet em um pingente de cristal custa R$ 690 e demora cerca de 30 a 60 dias para ser entregue. Existe também a opção do diamante, num valor bem mais elevado: o preço varia de R$ 20 mil a R$ 30 mil e o produto demora até seis meses para ficar pronto.

As joias, desenhadas por Aline, podem ser feitas em ouro ou em prata e o cliente também escolhe a cor do acrílico (rosa, azul ou transparente). Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo

As joias, desenhadas por Aline, podem ser feitas em ouro ou em prata e o cliente também escolhe a cor do acrílico (rosa, azul ou transparente). Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo

Serviço

Sempre Comigo Joias

Pingentes e anéis em ouro ou prata produzidos com as cinzas dos pets que faleceram.

Contato através da fanpage do Facebook.

(Foto: Letícia Akemi/ Gazeta do Povo)

Aline com a foto da cachorrinha Vicenza, falecida em 2015 (Foto: Letícia Akemi/ Gazeta do Povo)

Leia mais

Não é pelo cheiro que o cachorro escolhe onde fazer xixi

Seu cachorro foi programado para te amar

Máquina alimenta animais de rua em troca de materiais recicláveis

PUBLICIDADE
array(6) { [0]=> string(5) "http:" [1]=> string(0) "" [2]=> string(23) "www.gazetadopovo.com.br" [3]=> string(9) "viver-bem" [4]=> string(6) "animal" [5]=> string(57) "empresaria-cria-marca-de-joias-feitas-com-cinzas-dos-pets" }