PUBLICIDADE

Guia Casa

Os prazos e as etapas da obra

A construção de uma casa dura, em média, um ano e é dividida em fases. Conheça cada uma delas

Após a compra do terreno, de preferência com o acompanhamento do arquiteto de confiança, é hora de pensar na residência e fazer o chamado projeto arquitetônico, base para os complementares (que tratam da estrutura da casa, das instalações elétricas e hidráulicas) e ponto de partida para o orçamento da obra como um todo.

Com o projeto em mãos, pode-se estudar as possibilidades de execução dessa obra, que pode ser com uma construtora formal ou com um engenheiro ou arquiteto que tenha uma equipe formalizada, entre outras variáveis.

Melhor preço e atendimento são dois dos fatores decisivos da contratação. Nisso está incluído a apresentação de um cronograma claro e o mais preciso possível.

O engenheiro e presidente do Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos, entidade que forma arquitetos e engenheiros no gereciamento de obras, Paulo Roberto Vilela Dias, o cronograma da obra é a divisão física e financeira da construção da casa em etapas. “Em resumo é divisão dos serviços da obra”. A partir dele é possível estimar quanto tempo cada etapa levará e quanto irá custar.

Cada construtor tem um jeito de apresentar esse cronograma, nomeando cada fase – resumidamente são quatro: fundação, estrutura, alvenaria e acabamento – ou ainda atribuindo uma porcentagem do total da obra à cada etapa.

A apresentação das etapas da obra varia de acordo com o tipo de serviço contratado. No mercado há duas possibilidades usuais: empreitada global e taxa de administração. Na primeira, o valor da obra é fechado e o cronograma é comumente apresentado de uma forma mais resumida, visto que o preço e as condições de pagamento foram negociados sobre um pacote fechado.

Já na taxa de administração, o cronograma costuma ser apresentado de uma forma mais completa, porque o proprietário acompanhará mais de perto cada fase. “Nessa modalidade, o proprietário pode influenciar o custo da execução para mais ou para menos, pois acompanha cada fase, não só no cronograma, mas depois no feedback da realização das etapas, com a apresentação das notas fiscais de compra e serviço. Ele tem uma estimativa, mas não um preço exato da construção. Por isso, nesse caso o cronograma é mais discriminado”, explica o diretor da construtora Braengel, empresa paranaense com 25 anos de experiência em obras comerciais e residenciais, Euclésio Finatti.

PUBLICIDADE