PUBLICIDADE

Histórico

“Sou um sucesso entre as vovós”

Joaquin Presas a bordo da sua scooter chinesa Northstar, inspirada na clássica lambreta Volverine de costeletas devidamente aparadas, vestido de jeans, camiseta…



Joaquin Presas a bordo da sua scooter chinesa Northstar, inspirada na clássica lambreta
Volverine de costeletas devidamente aparadas, vestido de jeans, camiseta branca ou preta e jaqueta de couro no melhor estilo rebelde da motocicleta, Joaquin Presas, designer, 39 anos, espantou-se quando um aluno o tachou, assim na lata, de “modernoso”. “O quê? Não estou nem sou moderno. Você que é novo e não sabe de nada”, brincou com o rapaz. “Olha pra isso, a jaqueta é uma réplica da usada por James Dean nos áureos tempos. A costeleta foi o que ficou do tempo em que eu tinha barba. Sou ou não sou retrô?”

Nele, o passado exerce uma função sentimental. Não que preferisse ter nascido em outra época. “Sou supertecnológico”, apressa-se em dizer. “Mas a música do meu tempo fala mais alto, os clássicos do design não foram nem de longe ultrapassados e adoro um carro antigo”, diz ele. Entre as pérolas do seu tesouro, um telefone preto “que funciona”, a jaqueta, uma bicicleta Caloi 15 de 1979 e um jipão produzido na década de 1950 (modelo 1942). O Landau de 8 cilindros, ele vendeu. E o fusca está no aguardo de um lugarzinho na garagem. “Ah, tem ainda a lambreta! Caprichosamente fabricada em… (suspense): 2011”, diz ele, referindo-se à scooter Bella, da Northstar.

Ele diz que adoraria que os carros velhos tivessem injeção eletrônica. Mas o desenho… “Ninguém fez ainda uma coisa tão bacana como esses carros. Sem contar que todo mundo me olha quando passo. Sou um sucesso entre as vovós”, conta ele, exibido, que não nega conversas ou caronas. “Quando tinha o Landau, levei uma velhinha para passear. Ela só pedia para eu não correr muito”, diverte-se.

PUBLICIDADE