PUBLICIDADE

Turismo

Vai visitar Vila Velha no feriadão? Prepare-se para gastar mais

Parque Estadual de Vila Velha passou a exigir a contratação de guias de turismo pagos. Segundo a administração, ação visa prevenir depredações no local

Foto: Pedro Ribas/ANPrFoto: Pedro Ribas/ANPr

Desde a última sexta-feira (1.º) os visitantes do Parque Estadual de Vila Velha precisam do acompanhamento de guias de turismo credenciados para entrar na unidade de conservação. O serviço é cobrado à parte e custa R$ 10 por pessoa nos fins de semana e feriados.

O valor da entrada no parque continuará custando R$ 18 (visita completa), ou R$ 8 para a visita às furnas e à Lagoa Dourada e R$ 10 para a visita aos arenitos. Com o acréscimo da taxa de serviço do guia, a visita completa sairá R$ 28 por pessoa. Neste valor, porém, a pessoa visita o parque na companhia de outros turistas.

Para quem preferir fazer a visita com um grupo próprio, a contratação de guias exclusivos custará R$ 150. Este valor é cobrado de grupos de até 40 pessoas. O mesmo preço valerá para agendamentos de visitas nos dias de semana (leia mais sobre o serviço abaixo).

O parque abrirá normalmente no feriadão de 7 de setembro, apesar do incêndio ambiental que atingiu cerca de 132 hectares na unidade de conservação.

Preservação

A medida foi tomada para pôr fim a casos de vandalismo e descumprimento de normas do parque que vinham acontecendo em Vila Velha desde a interrupção do serviço de visita guiada, no fim de dezembro de 2016.

1504014704IMG20170801WA0002

Vandalismo em um dos arenitos do Parque Estadual de Vila Velha. Foto: IAP

Os monitores que acompanhavam os visitantes deixaram de ser oferecidos após o término do contrato do estado com o Serviço Social Autônomo Paraná Projetos, que fazia a gestão do parque desde 2012. Os guias eram bancados pelo governo estadual.

Com o fim do contrato, a unidade de conservação passou a ser administrada pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP). O órgão não tem guias próprios para fornecer ao parque, que ficou aberto para a visitação sem monitores aos finais de semana.

Sem supervisão, visitantes assumiram comportamentos de risco como escalar arenitos e circular por áreas fora das trilhas, que oferecem riscos como acidentes com animais peçonhentos.

A principal razão para a proibição da entrada desacompanhada, no entanto, foram os danos causados ao parque. Além de jogar lixo na unidade de conservação, alguns visitantes gravaram nomes nos arenitos ao final da trilha do bosque.

Parque Estadual de Vila Velha

As inscrições foram feitas com objetos pontiagudos, provavelmente chaves de carro, e deixaram marcas em baixo relevo. O estrago é definitivo, segundo Guilherme de Camargo Vasconcellos, diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP.

“O IAP está estudando métodos para reverter estes danos, mas, a princípio, estes danos são irreversíveis”, diz.

A administração do parque identificou 20 casos de vandalismo. Segundo o IAP, eles estão sendo investigados e já houve notificação de visitantes e empresas de turismo.

Contratação de guias

Os guias de turismo autorizados a atuar no parque são ligados ao Núcleo de Turismo de Ponta Grossa (NGTur) e à Associação Brasileira de Guias de Turismo (ABGTur), de Curitiba. Eles foram treinados pelo IAP para mediar a visita ao Parque de Vila Velha.

Durante os fins de semana e feriados, os profissionais do NGTur atenderão aos visitantes por ordem de chegada. Eles serão reunidos em grupos de 20 a 46 pessoas. Grupos maiores de 15 pessoas precisam agendar com antecedência de dez dias.

Nos dias de semana, visitantes e grupos que quiserem ir ao parque precisam agendar a visita e contratar os profissionais diretamente com o NGTur (para guias de Ponta Grossa) e a ABGTur (para guias de Curitiba), também com antecedência de dez dias.

A contratação dos guias é feita por intermédio do Parque Estadual de Vila Velha pelo e-mail pevilavelha@iap.pr.gov.br. Também é possível entrar em contato diretamente com as associações pelos e-mails guiasngtur.pg@gmail.com e abgtur@abgtur.tur.br.

O custo dos guias poderá variar de acordo com cada profissional, a quantidade de pessoas do grupo e o dia da visita.

O NGTur informou que o serviço custa R$ 150 por quatro horas de acompanhamento no parque e R$ 250 para o período de oito horas, no caso de o passeio se estender por outros atrativos da região. São aceitos grupos de até 40 pessoas.

Feriadão

É importante lembrar que a capacidade do parque é de até 800 pessoas por dia. Segundo a guia de turismo e vice-coordenadora do NGTur, Rita Martins, o limite raramente é atingido em dias de semana. Em finais de semana de sol e feriados, no entanto, pode haver superlotação antes mesmo do meio-dia.

“Aconselhamos que o visitante vá pela manhã ou na primeira hora da tarde — até porque, não dá tempo de conhecer tudo se chegar mais tarde do que isso”, explica.

Parque Estadual de Vila Velha

Onde

Acesso pela rodovia BR 376 (Ponta Grossa–Curitiba), km 515 — Jardim Vila Velha — Ponta Grossa (PR).

Quando

Sextas, sábados, domingos e feriados nacionais das 8h30 às 17h30, com entrada permitida até 15h30, mediante a contratação do guia de turismo. Nos finais de semana, os ônibus para Furnas e Lagoa Dourada saem às 9h30, 11h, 13h30, 15h30 (as vagas são limitadas);

Segundas, quartas e quintas, mediante agendamento. Sujeito à lotação.

Quanto

Entrada: R$ 18 (Furnas, Arenitos e Lagoa Dourada), ou R$ 8 (Furnas e Lagoa Dourada) e R$ 10 (arenitos). Meia entrada para estudantes estudantes, funcionários públicos, doadores de sangue e moradores de Ponta Grossa com apresentação de comprovante de residência. Menores de 6 anos, idosos acima de 60 e pessoas com necessidades especiais são não pagam.

Guias: R$ 10 (individual, aos finais de semana e feriados) e R$ 150 (por grupo)

CONTATO

Administração do parque: (41) 3213-3832 e (41) 3213-3819, pevilavelha@iap.pr.gov.br e página do parque no Facebook (os telefones funcionam somente durante a semana).

Guias:

ABGTur — (41) 9 9534-2848 e abgtur@abgtur.tur.br

NGTur — (42) 9 8417-2323 e guiasngtur.pg@gmail.com

 

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE