i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Fórum de Agricultura discute tecnologia como condição ao desenvolvimento

Quarta edição do Fórum de Agricultura da América do Sul traz nomes de peso do Brasil e do mundo para debater um agronegócio cada vez mais dinâmico e globalizado

  • PorGiovani Ferreira
  • 01/08/2016 08:30
Fórum vai reunir ministros, lideranças e representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio e da economia de um modo geral | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Fórum vai reunir ministros, lideranças e representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio e da economia de um modo geral| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Em agosto, Curitiba e o Paraná chamam a responsabilidade para uma discussão conjuntural sobre as tendências da economia mundial do agronegócio. Com o tema “Nova estratégia para uma nova agricultura”, o Fórum de Agricultura da América do Sul 2016 coloca em debate um setor em transformação, cada vez mais dinâmico e globalizado. Em sua 4ª edição, o fórum pauta o agronegócio a partir de um ambiente competitivo, onde a incorporação tecnologia e inovação não é mais opção, mas condição ao desenvolvimento e sustentabilidade do negócio.

O fórum vai reunir ministros, lideranças e representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio e da economia de um modo geral. Isso porque falar de agricultura no Brasil e no mundo virou sinônimo de economia, a considerar a relevante e crescente participação dos segmentos na geração de riquezas, em especial de países como o Brasil, de vocação natural ao agronegócio. Isso em tempos de crise econômica, mais ainda, com o agronegócio batendo próximo dos 25% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

OMC no Fórum de Agricultura

De abordagens transversais, como logística e tecnologia, o evento traz ainda temas mais específicos, como das cadeias produtivas de grãos, carnes e bioenergia. Entre as presenças internacionais está a do representante da Organização Mundial do Comércio (OMC), ministro Celso de Tarso Pereira, da missão brasileira em Genebra, na Suíça. Ele vai falar sobre Mercado internacional: negociações além da política comercial. O diplomata vai tratar de uma das questões que é o grande desafio sul-americano, a inserção no comércio mundial.

Os painéis vão criar um palco de discussão sobre agricultura digital, um conceito de soluções integradas que começam a fazer a diferença no campo e no mercado. Da biotecnologia ao bigdata, passando pela agricultura de precisão e pelos diversos modelos para atuar e se posicionar no comércio internacional, o fórum justifica o tema deste ano ao defender que nos próximos anos a estratégia de cada país, de cada produtor, é que vai definir sua presença e participação no mercado. É a década da inovação e da tecnologia.

O evento ocorre dias 25 e 26 de agosto, em Curitiba, no Museu Oscar Niemeyer. Em discussão, as tendências do agronegócio globalizado a partir da realidade e do potencial da América do Sul. Inscrições e informações sobre painéis e palestrantes estão no site www.agrooutlook.com.

Cocari no clube do bilhão

Em uma análise sobre as cooperativas do Paraná que faturam mais de R$ 1 bilhão, a coluna da semana passada não citou a Cocari. Ela não aparece na lista das maiores e melhores da revista Exame, mas está entre as maiores e melhores cooperativas do Paraná e do Brasil, com uma receita de R$ 1,58 bilhão em 2015.

Do café à fiação, dos grãos à ração pet, a diversificada Cocari tem sede em Mandaguari e a área de atuação no Norte do Paraná. A cooperativa também tinha negócios na cadeia produtiva de aves. No ano passado, porém, o controle da unidade industrial de aves foi negociado com a Cooperativa Central Aurora, de Chapecó (SC).

Com essa justa correção ao faturamento da Cocari, agora a boa notícia. O clube do bilhão, em referência ao resultado financeiro do ano passado, reúne um grupo não mais de 13, mas de 14 cooperativas paranaenses. Juntas, elas somam mais de R$ 43 bilhões em faturamento, 70% da receita global do sistema cooperativo do Paraná, que em 2015 foi de R$ 60 bilhões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.