i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Arquivo

Reforma agrária

  • 19/10/2009 21:16

Bovinocultura está presente na metade dos assentamentos (Figura acima)

O levantamento sobre produção em comunidades assentadas pela reforma agrária, divulgado na semana passada pela CNA, aponta que apenas 63% das famílias beneficiadas usam o solo de forma produtiva. Porém, entre os ativos, a criação de gado é a produção mais citada na pesquisa, presente em 64% das propriedades. Milho é a segunda preferência, com 55%, enquanto a diversificação de legumes/verduras e frutas está presente em 50% das propriedades. "Outros animais" são criados por 46% dos assentados; feijão em 38%, e tanto arroz quanto mandioca são produzidos em 28%. Produtos de escala, como cana, soja e café são produzidos em apenas 12%, 5% e 4% dos terrenos assentados, segundo a CNA. A pesquisa foi realizada pelo Ibope, tem margem de erro de 3% e contemplou mil domicílios em nove estados brasileiros (SP, MT, MG, TO, BA, GO, MA, PE e PA) – os assentamentos do Paraná ficaram de fora.

Milho

Conab libera pagamento de contratos de opção (Foto 1)

O governo federal liberou os R$ 140 milhões de pagamento referentes a 470 mil toneladas de milho, comercializadas em março, por meio de leilão de contrato de opção. Esse valor estava sendo aguardado desde 30 de setembro, quando os recursos destinados a cobrir esses contratos exercidos pelos produtores e suas cooperativas foram suspensos pelo governo, atingindo cerca de seis mil agricultores paranaenses. O contrato previu preço de R$ 18,84 a saca de 60 quilos. A informação foi confirmada pelo superintendente da Conab no Paraná, Lafaete Jacomel, no último dia 9.

Comercialização

PGPM comprará 1,2 milhões de toneladas de grãos (Foto 2)

A Conab anunciou a aplicação de R$ 542,7 milhões nas ações de abastecimento e estoques públicos do governo, oriundos da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM). Desses recursos, R$ 456,7 milhões devem ser direcionados para contratos de opção firmados com produtores rurais neste ano, R$ 1 milhão será usado na compra de sisal na Bahia, e R$ 85 milhões devem cobrir débitos atrasados de compras realizadas pela Conab nos meses de agosto e setembro. Pelos contratos de opção, serão adquiridos cerca de 1,2 milhão de toneladas de produtos, como milho (926 mil toneladas), nos estados do Paraná, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, e Rondônia, e arroz (366,1 mil toneladas) do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Comércio internacional

Após recorde de importação, China compra menos soja

As importações de soja da China caíram para 2,75 milhões de toneladas em setembro, o menor nível desde outubro do ano passado. Para analistas, trata-se de uma necessária, porém breve, pausa na febre compradora chinesa este ano. As importações caíram pelo terceiro mês seguido, após alcançarem o recorde de 4,7 milhões de toneladas em junho. O recuo respondeu à estratégia de Pequim de desacelerar o acúmulo de estoques, fator deve reduzir ainda mais as compras em outubro. Em agosto, as importações da China, principal comprador mundial do grão, atingiram 3,13 milhões de toneladas.

Um dos motivos para a redução das importações chinesesas teria sido o aperto da oferta da Argentina, terceiro maior exportador de soja do mundo. Mas a expectativa é que a demanda pela soja produzida nos Estados Unidos no ciclo 2009/10, que já está entrando no mercado, aumente a partir do fim deste mês ou início do próximo. As projeções sinalizam que as importações de outubro devem cair para 2,5 milhões de toneladas ou menos, mas em novembro e dezembro as compras devem voltar a exceder 4 milhões de toneladas. Os preços mais baixos devido à boa colheita nos EUA têm estimulado compradores a encomendar amplos volumes da nova safra.

Pecuária

Governo incentiva exportação de carnes (Foto 3)

A sanção da lei 12.058, que ocorreu semana passada e suspende a cobrança de PIS e Cofins na cadeia produtiva da carne bovina, foi anunciada como um grande avanço na formalidade do setor – o imposto representa 4,5% sobre o faturamento dos frigoríficos que comercializam para o mercado interno, valor não pago pelos atores informais. Mas a medida também beneficia os grandes exportadores. Empresas como JBS e Marfrig já eram isentos na venda para o mercado externo, porém o impacto desses impostos na Receita Bruta Total não chega a ser desprezível: 1,5% e 0,8% respectivamente. Já para o frigorífico Minerva, que também é listado em bolsa, o PIS/Cofins, a isenção representa aumento de 2,8% da receita bruta. O levantamento é da Link Investimentos, a partir dos balanços do primeiro semestre de 2009.

Safra 2009/10

Soja 70% precoce e semiprecoce

Aproximadamente 70% das sementes de soja que serão utilizadas pelos cooperados da Cocamar na safra 2009/10, cuja semeadura já começou, serão de variedades de ciclo precoce e semiprecoce. Os 30% restantes são de cultivares de ciclo superprecoce, médio e tardio, sendo tardio a menor preferência. O uso de materiais precoces possibilita colheita mais cedo, antecipando a segunda safra do milho e evitando riscos com o clima frio.

Orçamento

Relator prevê cortes para a agricultura em 2010

O relator-geral da Comissão Mista de Orçamento, Geraldo Magela (PT-DF), prevê que não haverá apoio financeiro do governo para todos os produtores agrícolas na comercialização da safra de 2010. De acordo com ele, a situação não é específica da agricultura, mas de todas as pastas. Para 2010, a proposta da Agricultura era de um total de R$ 1,9 bilhão, mas por enquanto o Executivo contemplou uma rubrica de apenas R$ 1,2 bilhão. Se os preços dos produtos agrícolas continuarem em queda, e a tendência de dólar baixo se confirme, novamente o Ministério da Agricultura terá de pedir reforços à Fazenda, como já fez este ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.