Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Um moinho de São Paulo recebeu um comunicado de um fornecedor argentino dizendo que não será embarcada uma carga prevista para janeiro. O país ainda não autorizou a exportação da nova safra para o Brasil. A indústria brasileira vai às compras, mas não tem garantia de entrega, por enquanto. Por outro lado, a safra argentina tende a render mais que o previsto. A colheita agora é estimada em 9 milhões de toneladas, contra 8,5 milhões de toneladas previstos um mês atrás, informou ontem o Ministério da Agricultura do país. O levantamento eleva a área cultivada em 31 mil hectares, para um total de 3,65 milhões de hectares. O quadro interfere diretamente na economia do Brasil, maior importador de trigo da Argentina. Mais da metade do trigo que o brasileiro consome é importado e dois terços tradicionalmente saem das lavouras do país vizinho. O governo argentino limita as exportações de trigo e milho como forma de garantir o abastecimento doméstico do cereal e evitar uma alta nos preços de alimentos, medida que segundo as principais entidades rurais do país desestimula a semeadura dos grãos.

No aguardo

1,6 milhão de toneladas de trigo foram negociadas, mas ainda não têm autorização do governo argentino para embarque com destino ao Brasil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]