i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Temor saudável

  • PorJosé Rocher, editor
  • 14/01/2014 00:00

Os produtores de grãos brasileiros mostram postura comedida diante do mercado e em respeito a sua própria expectativa de produção, conforme a capa desta edição do Agronegócio. Uma posição que adiou as vendas e mantém as previsões locais de safra suspensas, num misto de temor e otimismo.

O quadro tem explicações na safra passada. Um ano atrás, metade da produção já tinha sido vendida. Porém, em estados como Piauí e Bahia, houve fazendas que nem puderam colher e não conseguiram cumprir contratos. Tiveram de adiar financiamentos e, infelizmente, as contas consumirão lucros de até quatro safras normais.

Olhando para esses casos, o produtor capitalizado prefere vender a produção aos poucos. Primeiro, aproveita preços remuneradores para cobrir custos. Depois, tenta identificar e aproveitar as melhores cotações possíveis. Afinal, se houver quebras localizadas na América do Sul, os preços podem subir e elevar a renda por saca.

Além disso, em época de neutralidade climática, com chuvas pouco abaixo do normal e irregulares, o resultado final da lavoura é variável. Poucos se arriscam a confirmar produtividades acima da média, embora haja clareza no setor de que os casos de quebra climática referem-se a uma parcela pequena das lavouras.

Dando um passo de cada vez (primeiro a colheita, depois as vendas), os produtores vêm amarrando o resultado em volume e receita em patamares remuneradores. A influência dessa estratégia nos preços, segundo os analistas, é menor que a exercida pela demanda chinesa. Ou seja, o produtor não determina as cotações médias, embora tenha a sensação de estar agindo com mais segurança.

As próximas semanas serão decisivas tanto no campo quanto no mercado. O produtor pode ter de sair de sua zona de conforto para aproveitar os melhores preços. Terá de avaliar se haverá mesmo ou não quebras. Se vale ou não a pena esperar por novas altas, considerando seu prazo limite para transformar a produção em dinheiro. A safra será melhor para quem estiver mais bem informado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.