PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Em Santa Catarina, animais entram em ‘dieta forçada’ em 20 mil propriedades rurais
greve dos caminhoneiros

Em Santa Catarina, animais entram em ‘dieta forçada’ em 20 mil propriedades rurais

Entidades ligadas ao setor de proteína animal manifestam preocupação com consequências irreparáveis

Jonathan Campos/Gazeta do Povo Produtores estão sendo obrigados a adotar a restrição alimentar em seus plantéis. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Produtores estão sendo obrigados a adotar a restrição alimentar em seus plantéis.

São Paulo (SP) |

  • Estadão Conteúdo

O Sindicato das indústrias da carne e derivados e os produtores de aves de Santa Catarina divulgaram nota nesta quinta-feira (24), na qual manifestam preocupação com as consequências, “algumas irreparáveis”, da continuidade da paralisação de caminhoneiros, que protestam contra a aumento do óleo diesel.

Na nota, o Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) e a Associação Catarinense de Avicultura (Acav) alegam que a paralisação da circulação de bens, mercadorias, matérias-primas e insumos nas rodovias estaduais e federais afetou toda a cadeia produtiva da carne, “forçando a suspensão das atividades de dezenas de indústrias frigoríficas e prejudicando as atividades pecuárias em mais de 20 mil propriedades rurais”.

O documento destaca que, no campo, os estabelecimentos rurais que atuam nas áreas de avicultura, suinocultura e bovinocultura leiteira deixaram de receber ração para nutrição animal, pintinhos e outros serviços e insumos, sendo obrigados a adotar a restrição alimentar em seus plantéis. Simultaneamente, a produção acabada não pode ser retirada. O prolongamento da greve colocou a base produtiva agropecuária em situação de gravíssimo risco, determinando a inutilização de milhões de litros de leite que já começam a ser descartados e colocando em sofrimento nutricional os animais.

Conforme as duas entidades, a ameaça atual e iminente é de perda massiva de ativos biológicos com início de mortandade nas principais regiões produtoras. Santa Catarina tem um plantel permanente de 5 milhões de suínos e 118 milhões de aves alojadas que, a partir de agora, entram em regime crítico de sobrevivência. Se esse quadro se confirmar poderá haver imprevisível impacto de ordem sanitária.

Nas áreas urbanas, as plantas industriais de abate e processamento de aves e suínos deixaram de receber cargas vivas e insumos, ao mesmo tempo em que estão impedidas de escoar os produtos acabados para os portos e os grandes centros de consumo. Segundo a nota, “a capacidade de estocagem a frio dessas unidades está exaurida e o processo produtivo resultou estrangulado”. Dessa forma, os frigoríficos paralisaram parcial ou totalmente as atividades em todo o estado.

Além do incalculável prejuízo econômico e financeiro, a situação agrava a posição do brasileira no mercado mundial, em virtude do não cumprimento dos contratos internacionais de fornecimento de proteína animal a diversos países.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA