Fotos: Andre Rodrigues/ Gazeta do Povo.
Fotos: Andre Rodrigues/ Gazeta do Povo.| Foto:

O instrutor de trânsito não será mais obrigado a possuir a habilitação na categoria D para exercer sua atividade. É o que define o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 29/2018, aprovado no Plenário do Senado nesta quarta-feira (10), e que agora irá para a sanção presidencial.

A medida altera a Lei 12.302, de 2010, que regulamenta a atuação desses profissionais nos Centros de Formação de Condutores (CFCs). A categoria D autoriza o motorista a dirigir veículos destinados ao transporte de passageiros, quando acima de oito pessoas. Neste grupo estão ônibus e micro-ônibus.

>> Projeto propõe fim da obrigatoriedade de fazer autoescola para tirar a CNH

A proposta é de autoria do hoje senador Esperidião Amim (PP-SC), mas que era deputado federal quando apresentou o PLC.

Segundo informações da Agência Senado, o texto pretende corrigir "um equívoco e uma desproporção" na lei, sem que cause prejuízos à qualidade do processo de formação de condutores e à segurança no trânsito.

>> CNH: saiba como recuperar a carteira suspensa ou cassada

Foto: Gazeta do Povo/ Arquivo
Foto: Gazeta do Povo/ Arquivo

Para a relatora do projeto, a senadora Mailza Gomes (PP-AC), a atual exigência legal de, no mínimo, 1 ano de habilitação na categoria D impõe um ônus "desarrazoado e desproporcional" aos instrutores de trânsito.

"A exigência de quem instrutor que apenas irá ministrar aulas teóricas para candidatos à habilitação na categoria A (veículos com duas ou três motos, como motos), por exemplo, seja habilitado na categoria é excessivo e sem sentido", diz a parlamentar.

>> Governo oficializa as novas regras para tirar a CNH; veja o que muda

>> Mudança nas regras: Bolsonaro atirou no que viu. Mas só acertou no que não viu…

>> Seguro obrigatório DPVAT deve ser extinto

SIGA O AUTO DA GAZETA NO INSTAGRAM

Ver essa foto no Instagram

SERIE 3 CONVERSA COM MOTORISTA A nova geração do Serie 3 que estreia no Brasil é repleta de tecnologia, com recurso herdados do irmão maior Serie 7. Destaque para o assistente pessoal inteligente, que permite ao motorista conversar com o carro e pedir alguns comandos como sintonizar rádio, resfriar os esquentar a temperatura do ar-condicionado, informar o clima em diferentes localidades ou acionar o GPS para levar ao destino pretendido. O sedã premium também oferece um sistema que registra os últimos 50 metros percorridos pelo carro para voltar de marcha ré automaticamente, sem a intervenção do condutor. É ideal para manobras em garagem e ruas apertadas. A sétima geração estará disponível no fim de março em duas versões: a 330i Sport, por R$ 219.950, e a 330i M Sport, a R$ 269.950. O modelo substitui o 328i. Além do visual mais agressivo, cheia de vincos. As rodas são de aro 18 (Sport) e 19 (M Sport). O motor é o 2.0 turbo, de quatro cilindros, que rende 258 cv (13 cv a mais que antecessor) e 40,8 kgfm de torque. O zero a 100 km/h ocorre em 5,8 s e a velocidade máxima alcança 250m km/h. As primeiras 1 mil unidades vêm da Alemanha e a partir de julho ele começa a ser produzido em Araquari (SC). #bmwserie3 #bmw330i #bmwbrasil #novageração #seda #esportiva #carros #automoveis #cargram #instacar #gazetadopovo #velocitta #turbo 🎥#renytrovao

Uma publicação compartilhada por Automóveis Gazeta do Povo (@autogazetadopovo) em

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]