i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado

De Cachacinha a Monstrana: conheça os carros que ganharam apelidos curiosos

Muitos modelos entraram para a história pelo batismo popular

  • PorRenyere Trovão
  • 04/05/2016 21:23
| /
| Foto:

Colocar um apelido no carro com um nome carinhoso ou en­­­graçado é uma prática comum de muitos motoristas. Mas alguns modelos dispensam a criatividade do dono e acabam sendo batizado pelo próprio mercado. A história está cheia de casos de exemplares que ficaram conhecidos pelo apelido.

Na década de 1950 surgiram os carros com duas cores, uma na parte de cima, outra na parte de baixo, principalmente Chevrolet e Kombi. Passaram a ser chamados de ‘Saia e Blusa’.

Quem não se lembra do ‘Fusca Fafá’, que teve as grandes lanternas traseiras associadas ao busto da cantora Fafá de Belém?

Alguns da lista receberam alcunhas maldosas. É o caso do Renault Gordini, que ganhou o apelido de ‘Leite Glória’, inspirado no leite em pó instantâneo que tinha como slogan a frase ‘Desmancha sem bater’.

Entre os modelos mais contemporâneos, alguns apelidos ganharam destaque como o ‘Botinha ortopédica’ para o Fiat Uno, devido ao seu formato que lembrava a bota feita para tratamentos ortopédicos, e a ‘Monstrana’, em referência ao visual de gosto duvidoso da Chevrolet Montana.

Confira alguns exemplos batizados pela criatividade popular:

Bigode

Apesar de ter sido o vigésimo modelo da marca, o Ford T foi o que popularizou o automóvel, produzido por 19 anos entre 1908 e 1927. Em 1920, mais da metade dos veículos que circulavam ao redor do mundo era modelos T. A posição das alavancas de aceleração e do avanço de ignição, abaixo do volante, lembravam os bigodes da ‘belle époque’, com as pontas para cima, daí a referência.

>> Fiat terá motor turbo só a etanol com consumo igual ou melhor que motor a gasolina

Pulga

No pós-guerra, veículos populares europeus vieram aos montes para o Brasil. Um deles era o pequenino Fiat 500. Com apenas 3,21 metros de comprimento, parecia um inseto perto dos carrões americanos que rodavam por aqui. Virou ’Pulga’.

Rabo de peixe

O apelido surgiu a partir das versões com traseira alongada e no formato de nadadeira. Os Cadillac’s das décadas de 1940 e 50 foram os primeiros a adotarem esse visual, que depois assumido também pelo Chevrolet Impala e até o nosso Simca Chambord.

Boca de Bagre

A picape Chevrolet 3100 1954, que transportava meia tonelada de carga, tinha como característica uma ampla entrada de ar semelhante a uma boca de bagre, peixe comum dos rios brasileiros.

>> De Marea a Focus: os carros campeões de rejeição no Brasil

Marta Rocha

Em 1954, Marta Rocha ficou em segundo lugar no Miss Universo e virou paixão nacional. No ano seguinte, seu nome ‘batizou’ a picape da Chevrolet 3100: a grade se abria num sorriso e os faróis eram marcantes como os olhos verdes da baiana.

O carro também possuía saliências nas laterais, que associavam a picape à modelo. Reza a lenda que Marta Rocha só não foi Miss Universo por causa dos quadris largos. Por aqui, o carro também ficou conhecido como Chevrolet Brasil, sendo a primeira picape GM produzida no país, de 1958 a 1964.

Belo Antônio

A marca francesa Simca (Société Industrielli de Mécanique et Carrosserie Automobile) desembarcou por aqui em 1958 e no ano seguinte começou a produzir o modelo Chambord em São Bernardo do Campo (SP).

De cintura alta, grade frontal enorme e muitos cromados, ele praticamente desfilava pelas ruas. A traseira estilo rabo de peixe, inspirada nos Cadillac’s, realçava a elegância do veículo.

>> Confira dez carros prometidos para o Brasil, mas que nunca chegaram

Porém, o volumoso motor 2.3 V8 rendia pífios 84 cv, não compatível com os seus 1.215 kg. O desempenho tímido lhe rendeu o apelido de Belo Antônio, em alusão ao personagem vivido por Marcello Mastroianni na produção ítalo-francesa Il Bell`Antonio (1960), que encantava as mulheres por sua beleza, mas era impotente.

O Simca Chambord também se destacou na série O Vigilante Rodoviário, transmitido pela TV Tupi no início da década de 1960.

Cornowagen

A Volkswagen resolveu colocar teto solar no Fusca e aí o povo denominou o modelo de Cornowagen, uma brincadeira (de mau gosto, por sinal) de que o proprietário traído precisava de uma abertura no teto para acomodar os ‘chifres’.

Obviamente transformou-se em um fracasso comercial, até porque no Brasil os carros deste estilo e com capô de lona nunca fizeram sucesso.

Zé do Caixão

No fim da década de 1960 foi lançado o Volkswagen 1600, uma variante quatro portas mais potente do Fusca. Graças às linhas retas, ou às três grandes alças que tinha junto ao teto, foi chamado de Zé do Caixão, em alusão ao personagem de José Mojica Marins, na época um jovem criador de filmes de terror.

A pecha empacou ainda mais as vendas, que já eram fracas. Saiu de linha em 1970.

Leite Glória

A versão brasileira do Renault Gordini foi fabricada nos anos de 1959 a 1968 e por ter uma suspensão projetada para as estradas europeias, causou uma série de problemas nas precárias estradas brasileiras da época.

Logo seria associado ao ‘Leite Glória’, já que dava a impressão que ‘desmanchava sem bater’. A expressão era o slogan usado na época pela marca de leite em pó instantâneo.

>> Motor turbo: derrubamos 7 mitos da tecnologia que invade o Brasil

Cachacinha

Em 1979, o Fiat 147 se tornou o primeiro modelo em série do mundo a ser abastecido com álcool. Rapidamente, ganhou o rótulo de Cachacinha. Ele estreou a linha de montagem da marca italiana em Betim (MG).

O hatch trazia motor 1,3 litro, de 62 cv. Usava taxa de compressão de 10,65:1, baixa para álcool, mas assim mesmo andava mais que com motor a gasolina.

Seis Canecos

Alguns carros, de alto consumo, também não escapavam dos gentis apelidos. O Opala com motor de seis cilindros, lançado em 1971, ficou conhecido popularmente como Seis Canecos.

Ladainha

A dificuldade de se encontrar peças e as panes frequentes deram ao Lada Niva a seguinte fama: “É sempre a mesma ladainha”. O jipe russo compacto e rústico era o carro-chefe da Lada, a primeira marca estrangeira a chegar oficialmente ao Brasil depois que o então presidente da república Fernando Collor acabou com a reserva de mercado para automóveis em 1990.

Chaleira/Batedeira

A Volkswagen lançou o Gol em 1980 com motor 1300 herdado do Fusca, carburado de corpo simples e arrefecido a ar. O bloco fazia tanto barulho e tremia de um jeito que logo o carro foi apelidado de ‘Gol Chaleira ou Batedeira’.

O desempenho era muito fraco (apenas 42 cv), o que minou as vendas logo no primeiro ano de vida do carro. No ano seguinte, veio a versão com propulsor 1.6, que amenizou esse problema, até que em 1985 surgiu o motor 1.6 arrefecido a água. Foi um dos passos mais importantes para o sucesso do modelo, que se tornaria o carro mais vendido no país.

Bolinha

O apelido do VW Gol surgiu em alusão à carroceria arredondada da segunda geração do hatch, lançada em 1994. O Gol Bola durou até 1999, quando veio o Geração III.

Tubarão

A versão reestilizada do Chevrolet Monza, em 1991, passou a ser chamada de Tubarão por causa da frente, com uma grade que lembra o peixe.

Pitbull

A Chevrolet S10 ganhou a alcunha de Pitbull com a linha 2001. O motivo foi a mudança da frente do veículo, que ficou mais achatada e robusta, lembrando a cara da raça do cachorro.

Pão de forma

A Kombi era algumas vezes comparada com o pão de forma e por isso chamado de Pão Pullman, apelido que também foi cedido à perua Towner.

As duas cores, uma na parte de cima, outra na parte de baixo, dos modelos da década de 1950 e 1960 também ficaram conhecidas como ‘Saia e blusa’.

Fusca Fafá

Em 1979 a Volkswagen promoveu alteração nos modelos 1300 L e 1600 e as lanternas traseiras se tornaram maiores. Não demorou para serem chamadas de ‘Fafá’, em alusão aos grandes seios da cantora Fafá de Belém. A lanterna menor continuou a ser utilizado nas versões 1300.

A artista processou a Volkswagen e recebeu R$ 350 mil de indenização pelo uso não autorizado de seu nome em um anúncio.

Botinha Ortopédica

O design quadradão do Fiat Uno durou 26 anos com um enorme sucesso de vendas. Mesmo assim não fugiu à criatividade nacional que o batizou de Botinha Ortopédica.

X-Egg3

A cor amarela do Escort XR-3 não recebeu o mesmo carinho do Camaro amarelo, que recebeu o apelido de ‘doce’. O ‘amarelo gema’ do modelo da Ford, associado à sonoridade do ‘xis érre’, ganharia a denominação do lanche X-Egg, que o ovo como o ingrediente principal.

Gatinho

Apelido dado a reestilização feita no antigo Ford Fiesta, em 1999, graças aos faróis parecidos com os olhos puxados do felino.

Brad Pitt

A Toyota lançou a oitava geração do sedã no Brasil, em 2002, e colocou como garoto-propaganda o astro do cinema norte-americano. O comercial da tevê ainda era embalado pela trilha sonora New Sensation, da banda INXS.

A participação de Brad Pitt foi tão marcante que o Corolla conquistou a liderança de mercado entre os sedãs médios. Fabricada até 2008, a geração é conhecida até hoje como Corolla ‘Brad Pitt’. Veja abaixo o comercial da época:

Sapão

Uma das mais emblemáticas gerações do Golf no Brasil foi a quarta (segunda no Brasil), que começou sua trajetória de sucesso no fim da década de 1990. Seu formato arredondado e de porte baixo, e também a cor verde oferecida na época, deram ao modelo o apelido de ‘Sapão’.

Frágile

O Chevrolet Agile foi lançado em 2009, mas seu design com faróis desproporcionais ao restante e lanternas quadradas não agradou a todos. O fato de usar a plataforma do antigo Corsa, de 1994 (primeira geração), lhe rendeu o apelido de ‘Frágile’.

Monstrana

A primeira geração da Montana fez sucesso no mercado brasileiro. Seu visual harmônico e um certo ar de esportividade a diferenciava das rivais Fiat Strada e Volkswagen Saveiro.

Até que a Chevrolet decidiu mexer na aparência do carro. A picape adotou o estilo polêmico do Agile e aí não teve jeito. A tonalidade verde de lançamento da reestilização lhe rendeu o nome de ‘Monstrana’.

Capivara

Seguindo os passos do Agile e da Montana em termos visuais, a Spin também nunca arrancou suspiros pelo seu design. Ao contrário, seu formato alongado, faróis puxados e grade que lembra um focinho renderam a pecha de ‘Capivara’.

NhecoSport

Quem já não ouviu críticas da primeira geração do jipinho da Ford, de que apresentava falhas de projeto e acabamento, boa parte corrigida depois na primeira reestilização e na segunda geração do modelo.

Mas a fama continuou. Barulhos no painel e qualidade duvidosa no acabamento, além de vãos desproporcionais entre partes da carroceria, custou os apelidos de NhecoSport e TrecoSport.

Lentoster

A Hyundai trouxe o Veloster ao Brasil em 2011, divulgando uma potência de 140 cv para o modelo. Mas, bastava acelerar o carro de três portas para perceber que a reposta do motor não fazia jus à potência declarada.

A verdade viria logo depois: na verdade o cupê era empurrado pelo motor de 128 cv disponível no compacto HB20, de categoria e preço inferiores. O caso virou uma briga judicial dos proprietários com a empresa distribuidora no Brasil.

O desempenho inferior à proposta do nome do carro renderia alguns codinomes ao carro. Lentoster foi o principal, porém mas também vieram Vagaroster, Lerdoster, Moloster...

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.