i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
CuriosidadE

Futuro? Carros elétricos já foram populares há 100 anos

Modelos movidos a energia limpa circulavam em grande número por cidades americanas

    • Washington Post
    • 09/03/2019 21:58
    Estação de recarga de carros elétricos em 1912. | Reprodução/Edison Eletric Car
    Estação de recarga de carros elétricos em 1912.| Foto: Reprodução/Edison Eletric Car

    Muito antes da Tesla, de Elon Musk, carros elétricos já circulavam pela ruas de várias cidades nos Estados Unidos. Em 1901 estima-se que 38% dos veículos eram elétricos, diante do 40% dos movidos a vapor e 22%, a gasolina.

    O resultado eram ruas mais limpas e menos impregnadas de mau cheiro e sujeira, com a troca das carruagens puxadas por cavalos por opções a motor e a bateria. Só para ter uma ideia, apenas na cidade de Nova York os cavalos depositavam cerca de 2,5 milhões quilos de esterco nas ruas todos os dias.

    >> Negros têm mais chance de ser atropelados por carros autônomos. Veja por quê

    Em 1915 Washington tinha 1.325 carros elétricos, aproximadamente o mesmo número que Detroit. Ficava atrás apenas de Chicago, com 4 mil elétricos, e de Nova York, com 3,2 mil. A esposa do presidente William Howard Taft (mandato entre 1909 e 1913) dirigia um modelo elétrico, bem como a do sucessor Woodrow Wilson (1913-1921).

    Em Washington, “o público automotivo teve um despertar e descobriu que o veículo elétrico realmente é uma realidade”, disse R. Emerson, da Emerson & Orma, concessionária local do modelo Detroit Electric, produzido pela Anderson Electric Car Co.

    >> Palio de volta? Fiat revela carro para resgatar o nome no Brasil

    O modelo Detroit Eletric com Thomas Edison como garoto propaganda. Reprodução/ Detroit Electric

    As mulheres eram as principais condutoras desse tipo de veículo. Os componentes eram mais limpos, mais silenciosos e mais fáceis de dirigir do que os a vapor e, especialmente, a gasolina, que expeliam fumaça e precisavam ser acionados com uma manivela.

    A socialite de Denver, Margaret Whitehead, dirigiu uma Fritsche Electric porque, segundo ela, uma senhora “pode usar sem medo um vestido de tecido menos resistente e um calçado mais delicado, pois quando chegar ao destino estará imaculada e o penteado tão sereno como quando saiu de casa.”

    >> Primeiro automóvel no mundo foi popularizado por uma mulher

    As primeiras famílias em Washington também influenciaram as tendências dos carros. O presidente Howard Taft preferia circular num grande carro conversível, modelo White M, feito pela White Motor Co.

    Mas sua esposa, Helen, começou a dirigir em 1909 um carro Baker Queen Victoria Electric de dois lugares. O carro da primeira-dama, fabricado pela Baker Motor Vehicle Co., tinha estofamento azul e o brasão dos EUA pintado nas portas.

    A senhora Taft substituiu o Baker em 1912 por um novo. Um jornal publicou: “O uso de um carro elétrico pela esposa do presidente, sem dúvida, dará um grande impulso ao negócio de veículos elétricos”.

    >> Marca limitará velocidade nos carros para acabar com motorista ‘pé de chumbo’

    O presidente Wilson, que assumiu o cargo em 1913, escolheu o modelo a gasolina Pierce Arrow como a limusine presidencial. Mas Wilson, que nunca aprendeu a dirigir, às vezes andava por Washington em um Milburn Light Electric, fabricado pela Milburn Wagon Co. Seus agentes do Serviço Secreto também dirigiam Milburns.

    A primeira esposa de Wilson, Ellen, que morreu em 1914, e sua segunda esposa, Edith, dirigiram Baker Electric, de Helen Taft. A segunda senhora Wilson, antes de se casar com o presidente, teria sido a primeira mulher a dirigir um carro elétrico no distrito de Columbia, em 1904.

    Elon Musk do passado

    Os proprietários de carros elétricos carregavam seus veículos em estações de recarga, a maioria localizada nas concessionárias de automóveis. Montadoras de carros elétricos, como Oliver Frichtle, em Denver, divulgavam que seus carros poderiam percorrer longas distâncias com uma única carga de bateria.

    >> Nova picape da Fiat é flagrada nas ruas e ficará abaixo da Toro

    Frichtle era o Elon Musk do seu tempo. Musk prometeu enviar um Tesla sem motorista, apenas na condução autônoma, de Los Angeles a Nova York. Em 1914, Frichtle dirigiu um de seus carros da cidade de Lincoln, no Nebraska, até a Big Apple, numa distância de 2,9 mil quilômetros em 29 dias. Ele recarregou a bateria em estações ao longo do caminho e calculou a média de cerca de 90 km por carga.

    Anúncios de carros elétricos foram publicados em jornais de Washington. Uma publicidade de 1914 ostentava que os compradores da Detroit Electric, incluíam o inventor Thomas Edison e Henry Ford, que fabricavam carros a gasolina em Detroit.

    Carro elétrico que pertenceu à esposa de Henry Ford. Arquivo Museu da Ford

    Ford comprava um Detroit Electric a cada dois anos para sua esposa Clara. Ela preferia os elétricos mais limpos aos carros fumegantes que seu marido produzia. O veículo dela tinha uma cadeira especial para o filho de Ford, Edsel.

    Os veículos ‘verdes’ do passado melhoraram a partir dos primeiros modelos que “transportavam algumas toneladas de baterias de armazenamento que tracionavam as quatro rodas e quase eliminava a velocidade de caracol”, disse W.C. Anderson, presidente da Anderson Electric Car Co, em 1912. “Não há dúvida de que o veículo elétrico tem um grande futuro”, dizia à época.

    >> Andamos no Leaf, o carro elétrico que promete ligar o Brasil na tomada

    Mas Anderson estava errado. Os carros elétricos começaram a perder seu apelo depois que a Ford começou a produção em massa de seu exemplar a gasolina T. Em 1912, o Modelo T foi vendido por US $ 650, comparado com US $ 1.750 para uma opção elétrica comparável. Na cotação de hoje, o Modelo T custaria US $ 17 mil diante dos US $ 47 mil pedidos pelo elétrico.

    Modelo T a gasolina, feito em larga escala pela Ford, deu início à derrocada dos carros elétricos do início do século passado.Reprodução/ Ford

    Também em 1912 Charles Kettering inventou a partida elétrica para a Cadillac, eliminando a necessidade de manivelas nos carros a gasolina.

    Depois veio o boom do petróleo do Texas, na década de 1920, que deixou a gasolina com preço bastante acessível. Postos de combustível surgiram em estradas por todo o país, levando o derivado do petróleo a áreas rurais que não tinham acesso à eletricidade, necessária para os veículos elétricos. Na década de 1930, os modelos elétricos haviam praticamente desaparecido.

    SIGA O AUTO DA GAZETA NO INSTAGRAM

    Visualizar esta foto no Instagram.

    CARRO MAIS CARO DA HISTÓRIA A marca francesa Bugatti resolveu comemorar seu 110º aniversário em grande estilo. Expõe no Salão de Genebra, na Suíça, o carro considerado o mais caro da história já produzido. A única unidade do La Voiture Noire ('O Carro Preto') custa US$ 12,5 milhões (R$ 48 milhões), mas sobe para US$ 18,7 milhões (R$ 72 milhões) com taxas e outros custos. O título anterior pertencia ao Rolls-Royce Sweptail, que sai por US$ 12,8 milhões (R$ 49 milhões). A Bugatti exclusivíssima já foi vendida, mas a montadora não revela o nome do comprador. Com o motor W16 8.0, de 1.500 cv, o modelo foi inspirado no clássico Type 57 SC Atlantic, de Jean Bugatti, filho do fundador da marca, Ettore Bugatti. A empresa francesa surgiu em 1909 e comprada em 1998 pela Volkswagen. #bugatti #bugattilavoiturenoire #carrosmaiscaros #salaogenebra #carros #automoveis #instacar #cargram #gazetadopovo Fotos: Newspress, Bloomberg e Bugatti

    Uma publicação compartilhada por Automóveis Gazeta do Povo (@autogazetadopovo) em

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.