i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Legislação

Lei em SP proíbe a prática de completar até a boca e medida pode virar nacional

Projeto vigora em São Paulo desde janeiro deste ano e um similar também tramita na Câmara Federal para ganhar outros estados do Brasil

  • PorGazeta do Povo
  • 01/03/2018 18:01
 | Daniel CastellanoGazeta do Povo
| Foto: Daniel CastellanoGazeta do Povo

Já está em vigor no estado São Paulo a lei que proíbe completar o tanque do carro até a ‘boca’. A atitude de continuar o abastecimento além do clique de desarme automático é comum nos postos de combustíveis para arredondar o valor a ser pago pelo consumidor.  Aliás, muitos motoristas comungam deste hábito no intuito de propiciar mais autonomia ao veículo. 

 A medida paulista, promulgada em janeiro deste ano, limita o abastecimento após o desarme automático somente nos casos em que o bico desligar antes da hora programada pelo frentista.

Aliás, a restrição ao completar até a boca pode chegar a outros estados. Está em avaliação na Comissão de Seguridade Social e Família, na Câmara do Deputados, um projeto de lei similar ao proposto pelo deputado de São Paulo Marcos Martins (PT). 

Ambos, na verdade, se baseiam no mesmo argumento: preservar a saúde e o meio ambiente dos gases nocivos.

>>Abastecer em horários diferentes pode fazer você perder dinheiro; entenda

Tanto Martins quanto Giovani Cherini (PDT/RS), autor da proposta em âmbito nacional, justificaram em seus textos que durante o abastecimento são emitidos vapores de substâncias químicas tóxicas, como o benzeno (de efeito cancerígeno), que podem ser inalados, principalmente, pelos frentistas que permanecem segurando o bico da bomba na boca do tanque até o completo abastecimento.

De acordo com o deputado paulista, o sistema automático possibilita ao trabalhador ficar distante do tanque do carro até o término do abastecimento, o que reduz os malefícios à saúde. 

>>De Sandero a Ferrari, confira os carros campeões de consumo no Brasil

No projeto ele explica que a maioria dos veículos é equipada com um filtro na entrada do tanque de combustível que absorve parte dos vapores que saem do tanque, reduzindo a emissão. O abastecimento ‘a mais’ faz com que o combustível encharque o filtro, comprometendo a sua eficiência em filtrar o vapor da gasolina que passa por ali. 

>>Para multar, agentes poderão ter de provar a infração com foto ou áudio

gasolina contém ainda diversas outras substâncias perigosas à saúde, o que impacta diretamente na saúde do frentista.  Além disso, o filtro traz elementos de carvão em sua composição, que acabam se soltando e indo parar dentro do tanque, colocando em risco também a integridade do motor. 

Em curto prazo pode provocar dor de cabeça, sonolência, tontura, náusea, vômito e irritação das vias respiratórias, pele e olhos. Já a exposição prolongada aos vapores de combustível pode causar doenças sérias, como distúrbio de comportamento, irritabilidade, atingindo o sistema nervoso central e causar o câncer ocupacional.

Giovani Cherini, deputado federal (PDT/RS), sobre os efeitos da substâncias tóxicas nas pessoas.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.