i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Consumo

Vantajoso? Diferença de 70% nos preços entre gasolina ou etanol já não vale mais 

Estudo mostra que os números divulgados pelo Inmetro e a realidade das bombas não batem. Mudança no cálculo se deve  à evolução dos motores flex e realidade de cada motorista 

    • AutoPapo, com Gazeta do Povo
    • 21/11/2018 10:30
    Hoje, a gasolina vendida nos postos tem 27% de álcool anidro. | Marcelo CamargoAgência Brasil
    Hoje, a gasolina vendida nos postos tem 27% de álcool anidro.| Foto: Marcelo CamargoAgência Brasil

    As constantes alterações nos preços do litro da gasolina e do etanol obrigam o consumidor recorrer à matemática para saber qual combustível é mais vantajoso na hora de abastecer.  

    E uma das regras mais usadas é a famosa diferença de 70% no valor entre as duas opções. Isto é, se o preço do etanol fosse até 70% menor ao da gasolina, valia a pena optar pelo derivado da cana. 

    Pois saiba que essa equação já não se aplica mais, apesar de ser um balizamento para não sair no prejuízo. Com a  evolução técnica dos motores e do próprio etanol, hoje essa proporção está diferente e pode chegar a até 75%. 

    >> De Sandero a Ferrari, confira os carros campeões de consumo no Brasil

    Na verdade não há um número mágico, segundo aponta Mário Campos, presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig). Ele sugere que cada motorista faça as contas e veja qual proporção é a correta. 

    Para ele, nem mesmo as medições do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, feitas pelo Inmetro, refletem a realidade.

    Os testes feitos pelo Inmetro tem como base a gasolina com uma mistura de 22% de álcool anidro. Hoje, a gasolina vendida nos postos tem 27%. O número que está ali pra gasolina não reflete a verdadeira quilometragem que aquele carro poderá rodar com gasolina. Se o teste fosse feito com a gasolina com 27% de anidro, o consumo com esse combustível seria maior.

    Mário Campos, presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig).

    Um estudo feito pelo Instituto Mauá de Tecnologia, a pedido da entidade que representa os produtores de etanol de São Paulo – Unica –, confirma que os números divulgados pelo Inmetro não reflete a realidade. 

    O instituto realizou testes em campo com 20 automóveis usando etanol hidratado e gasolina vendida nos postos, com 27% de álcool anidro.

    Foram cinco unidades de quatro modelos diferentes (compactos 1.0 e 1.6, sedã médio e utilitário esportivo). Eles percorreram 27 km em trechos urbanos e 30 km em rodovias. Cada um desses circuitos foi repetido 15 vezes. 

    >> Gasto alto de combustível? Cinco dicas para reduzir o consumo

    O desempenho médio do etanol comum em relação à gasolina comum, que contém 27% de etanol anidro, para os modelos de veículos testados variou de 70,7% a 75,4%. Como referência, os valores encontrados para os mesmos modelos de veículos pela norma do Inmetro foram, respectivamente, 66,7% a 72,1%.

    O porcentual também pode variar ainda mais conforme o perfil de direção do motorista e a tecnologia embarcada no veículo.

    Como calcular o consumo?

    Carros equipados com computador de bordo:

    O dispositivo aponta quanto quilômetros por litro (km/l) o automóvel está fazendo. Dessa forma é possível avaliar melhor quando usar álcool ou gasolina.

    Se o modelo for importado, a conta não é tão simples. O computador mostra o consumo em litros consumidos a cada 100 km rodados (l/100 km). Neste caso, é necessário fazer uma cáculo rápido para verificar o consumo: dividir a distância pela quantidade de combustível gasto. Por exemplo: um automóvel que faz 12 l/100 km tem uma média de 8,3 km/l (100/12 = 8,3)

    Carros sem computador de bordo? 

    Neste caso, exige um pouco mais de trabalho. Complete o tanque (até o desarme da bomba) e zere o hodômetro parcial (ou anote o número exato do hodômetro total). 

    Após rodar a distância que for conveniente, complete o tanque mais uma vez (novamente, até o desarme) e divida a quantidade de litros abastecido pela quilometragem. O ideal, para calcular o consumo com maior precisão, é que a operação seja feita por três vezes.

    >> Os 10 carros flex campeões em baixo consumo no Brasil

    Cálculo do rendimento

    O cálculo do rendimento do carro é importante, pois o motorista poderá verificar também qual combustível é mais econômico em função do preço na bomba. 

    Existe a convenção de que o etanol é mais econômico se custar até 70% do preço da gasolina ou 30% mais barato (baseado no teste do Inmetro). 

    Mas se levarmos em conta os atuais testes do Instituo Mauá o motorista poderá verificar que seu carro rende muito mais e então economizará usando etanol mesmo se o percentual estiver acima de 70%, podendo chegar até 75%!

    Veja o exemplo abaixo
    1. Divida o desempenho do etanol pelo da gasolina (se seu carro faz 7,3 km/litro com etanol e 10 km/l com gasolina, você deve dividir 7,3 por 10 = a 0,73 ou 73%. Pronto você achou o rendimento do carro com etanol!
    2. Faça agora o cálculo da relação de preço etanol/gasolina na bomba: divida o preço do etanol pelo preço da gasolina (ex: o litro do etanol está em R$ 2,74 e da gasolina R$ 4,64 = relação, então, de 0,59 ou 59%).
    3. A relação atual de preço na bomba (59%) dá uma enorme economia ao consumidor se abastecer com etanol e quando este cálculo estiver em 73%, pelo rendimento do carro neste exemplo, também estará economizando se usar etanol.

    Só lembrando que os motores flex aceitam as duas opções juntas em qualquer proporção. 

    SIGA O AUTO DA GAZETA NO INSTAGRAM
    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.