A importância de capacitar profissionais em manufatura digital - Giro Sustentável
Blog Giro Sustentável

A importância de capacitar profissionais em manufatura digital

A manufatura digital é uma realidade e não pode ser ignorada. Mas o que é manufatura digital? Para podermos conceituá-la, é necessário, primeiramente, discutirmos sobre manufatura 4.0 (a quarta revolução industrial), que é um dos pilares da manufatura digital, como também o são: a manufatura aditiva, a realidade aumentada, a inteligência artificial etc.

A primeira grande revolução industrial, que ocorreu a partir de 1760, utilizou-se da água e do vapor para a produção mecanizada. A segunda revolução, no final do século 19, usou a eletricidade para promover a produção em massa e a terceira, na década de 1960, a tecnologia da informação para automatizar a produção.

A quarta revolução industrial é caracterizada pela continuidade de tudo: a fusão das tecnologias, a conectividade, a integração das informações e o aprendizado das máquinas.

E como os profissionais devem encarar essas transformações digitais? As profissões vão acabar?

Os profissionais devem estar cada vez mais capacitados para o mercado atual. Não basta uma qualificação específica, os profissionais que são especialistas em apenas uma área não estarão preparados.

É necessário que ocorra uma preparação multidisciplinar para todas as áreas de atuação. Área sem que nem se imaginava a necessidade de tecnologia/conectividade, como medicina e direito, já estão na era digital.

Algumas profissões provavelmente estarão em extinção, principalmente aquelas em que o profissional tem como objetivo a repetibilidade.

Cada vez mais o mercado precisa de líderes pensantes com habilidades e competências suficientes para gerir esses novos modelos de negócio com inserção da digitalização.

A ação de agregar valora os produtos e serviços deve ser contínua devido à competitividade do mercado. Assim, os profissionais devem ser inovadores e criativos:pensar de maneira diferente o tempo todo. Do mesmo modo, a inovação não deve ser apenas tecnológica, e sim, inserir novas maneiras de solucionar problemas e oferecer diferenciais para o seu negócio.

Podemos destacar os principais atributos inerentes aos profissionais digitais:

  • Solucionador de problemas – Característica básica para os profissionais que estão se inserindo no mercado. Apenas “apagar incêndio” todos os dias não resolve os problemas, acaba por protelar as soluções definitivas. É necessário solucionar as situações do dia a dia por meio de causas concretas para extinção definitiva dos entraves.
  • Criatividade – Essa característica deve ser intrínseca ao profissional. O mercado espera que estes sejam criativos em todas as suas tomadas de decisão.
  • Disponível – Hoje os profissionais devem estar disponíveis para mudanças de cidade, estado e país. As empresas possuem filiais no mundo e os profissionais devem ser flexíveis para eventuais mudanças físicas e de horários de trabalho.
  • Relacionamento com clientes – Mais do que nunca, os clientes estão buscando atendimentos personalizados e a qualquer tempo. Por isso, os atendimentos on-line e características como simpatia e presteza devem estar presentes nesse profissional.
  • Trabalho em equipe – Pensando em conectividade, integração, informações compartilhadas, como trabalhar em feudos? É imprescindível o trabalho em equipe para que haja a integração plena.
  • Empreendedorismo interno – Os profissionais devem possuir espírito empreendedor sempre. Isso leva a ações como: novos produtos, tecnologias, processos e fusões.
  • Inovação e ousadia – Como fazer de maneira diferente algo que fiz hoje? Essa pergunta deve ser feita todos os dias para que possamos melhorar continuamente.

Teremos que repensar, e rápido, nossos conceitos de profissionais para que possamos ter empresas e profissionais sustentáveis ao mercado competitivo e restrito que vem por aí. O segredo básico é o conhecimento contínuo e incessante. Devemos pensar que a era digital não virá … ela já chegou!

Bem-vindo ao futuro!

 

*Artigo escrito pela Drª Cristiane Cecchin Monte Raso, coordenadora do curso de pós-graduação em Gestão de Operações – Manufatura Digital da FAE Business School, instituição associada ao Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe/PR). O SINEPE é colaborador voluntário do Instituto GRPCOM no blog Giro Sustentável.  

**Quer saber mais sobre cidadania, educação, cultura, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter: @InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

8 recomendacões para você