Ricardo Prasel comemora contrato com o Rizin: "Vou para ser ídolo"
Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
Blog Luta Livre
Blog Luta Livre

Gigante paranaense adota estilo “viking” para estreia no Japão: “Vou para ser ídolo”

Contratado nessa semana pelo RIZIN, principal evento de MMA japonês, o paranaense Ricardo Prasel ganhou uma nova identidade para sua estreia na terra do sol nascente, em maio.

Conhecido no Brasil como Alemão, o lutador adotou o apelido “Viking” antes de encarar o croata Ante Delija pelo GP dos pesos-pesados (até 120 kg).

“Espero que pegue”, brinca o ex-goleiro de futebol profissional com passagem pelo inglês Chelsea.

“A galera está me chamando de viking, tenho a canela e a panturrilha da perna esquerda fechadas com tatuagens nórdicas e a barba ruiva. Estou muito feliz, já recebi várias mensagens de japoneses. É sensacional”, emenda o atleta natural de Guarapuava.

Prasel, de 27 anos, está invicto em nove lutas na carreira. Finalizador, o especialista em jiu-jítsu já obrigou oito adversários a baterem em desistência. Sempre no primeiro round.

O sucesso nos ringues chamou a atenção de eventos grandes, como o UFC e o Bellator. Mas a proposta real veio do Japão — e o novo contrato já superou tudo que o atleta recebeu na carreira.

“É bem mais do que já recebi. É até mais do que eu esperava. Logicamente que não vou ficar milionário agora, mas é outro patamar comparando com a realidade brasileira”, fala o gigante de 2,01 m.

A oportunidade no Rizin fez com que o sonho de ser campeão do UFC entrasse em modo de espera. O foco do peso-pesado agora é outro: continuar vencendo e virar estrela na Ásia.

“Sinceramente, estou com a cabeça no Japão. O Rizin me abriu as portas, superaram as expectativas. Só saio por muita grana. No momento quero seguir a carreira no Japão. Vou lá para ser ídolo, fazer história”, argumenta o lutador da academia curitibana Striker’s House.

Se vencer o torneio, Prasel deve enfrentar a lenda do MMA Mirko Crocop em dezembro. Algo surreal para o novo viking.

“Quando o Pride existia eu ainda jogava bola e o Crocop era já era uma lenda. Sou fã e agora ele pode vir a ser meu adversário”.