Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR

Dos bichos ao Juca Pato

Não sem uma boa dose de ansiedade, posto que, após percorrer livrarias de Curitiba e sair de mãos abanando, um amigo viu-se obrigado a recorrer à internet para adquirir um livro. E pôde, enfim, se deliciar, folheando páginas e páginas, com o humor ácido do cartunista Belmonte (Benedito Bastos Barreto – 1896 – 1947), o criador do Juca Pato.

Belmonte, Editora Três Estrelas, com organização e apresentação do jornalista Gonçalo Junior, vai ficar ao lado de A Revolução dos Bichos, de George Orwell (pseudônimo de Eric Arthur Blair, 1903-1950, nascido na Índia e educado na Inglaterra). Ele, aliás, escreveu um prefácio sobre a liberdade de imprensa. Liberdade de imprensa? Não saiu publicado, por supuesto.

O original datilografado só foi encontrado anos mais tarde. Nele, o autor de 1984, aponta que “o inimigo é a mentalidade de gramofone, concordemos ou não com o disco que está tocando agora”. Apesar da aposentadoria do (instrumento) gramofone, Orwell continua atualíssimo.

E, também, ao lado de Foi-se o Martelo – A história do comunismo contada em piadas, de Ben Lewis, lançado por nossas bandas pela Record. Graças a ele, o leitor fica sabendo, inclusive, que Stalin recorreu ao humor (dele) para tentar popularizar o regime. Depois, é claro, viu-se forçado a despachar para a Sibéria quem fazia piadas contra ele. Em 1953, quando Stalin bateu as botas, havia 2,5 milhões de presos no Gulag – quase 200 mil por contarem piadas. Que, igualmente por supuesto, não agradaram os donos do poder.

No início, chegavam denúncias por escrito às autoridades soviéticas com o teor das piadas que pipocavam em qualquer canto. Tiro pela culatra, posto que mais gente tinha acesso ao anedotário e se encarregava de passar adiante exemplos da “cultura cômica do mundo comunista, em torno de filas, escassez de alimentos, burocracia, culto da personalidade” e etc.

São três daqueles livros que valem ouro. Em todos os sentidos.

ENQUANTO ISSO…