0

As 100 maiores músicas brasileiras. Cadê aquela?

Reprodução
COMPOSTA E REGISTRADA EM 1971 POR CHICO BUARQUE, “CONSTRUÇÃO” FOI ELEITA A MELHOR MÚSICA DE ACORDO COM A REVISTA ROLLING STONES: OUTRAS CANÇÕES DO AUTOR TAMBÉM CONSTAM NA RELAÇÃO

As paredes sólidas e o desenho mágico dos versos terminados em proparoxítonas, além do contexto sócio-político, surtiram efeito e “Construção” foi eleita a maior música de todos os tempos da MPB.

A avaliação ficou a cargo da comissão julgadora (pesquisadores, produtores, críticos e resenhistas) composta por 92 integrantes escolhidos pela edição brasileira da revista Rolling Stone, na comemoração do seu terceiro ano de circulação.

Composta e gravada em 1971 por Chico Buarque, “Construção”, que mereceu um bom de Paulo Cavalcanti, é uma crônica sobre a vida e a morte de um trabalhador da construção civil – na época o setor era aquecido pelo tal “Milagre Econômico” promovido pelo sanguinário e relinchante Emílio Garrastazu Médici.

Para a Rolling Stone, as 100 canções escolhidas, além de comprovar a perenidade da música feita no Brasil, prestam tributo não só ao criador como também a intérpretes que ajudaram a difundi-las. Então, tá!

Lançada originalmente em 1972, “Águas de março” (Tom Jobim) com sua atmosfera poético-pluvial ficou na segunda colocação. Em terceiro lugar vem “Carinhoso”, nascida instrumental nas mãos de Pixinguinha, em 1917 – ganhou letra de Braguinha em 1936.

As demais músicas citadas até a décima posição são, respectivamente: “Asa branca” (Luiz Gonzaga), “Mas que nada” (Jorge Ben), “Chega de saudade” (Tom Jobim – Vinicius de Moraes), “Panis et circensis” (Gilberto Gil – Caetano Veloso), “Detalhes” (Roberto Carlos – Erasmo Carlos), “Canto de Ossanha” (Baden Powell-Vinicius de Moraes) e “Alegria, Alegria” (Caetano Veloso).

Pois muito bem. Listas sempre são questionáveis, ainda mais quando se trata de um patrimônio valioso que é a música brasileira. Injustiças acontecem. Neste quesito não importa se determinada canção é de autor consagrado ou dos excluídos do mainstream.

“O Mar” de Dorival Caymmi aparece no final da relação – logo ele, com tantas pérolas pescadas na fase praieira ou mesmo urbana. Cadê “Quem vem pra beira do mar”, “João Valentão”, “Marina” ou “Nunca mais”?

Esquecidos ou preteridos foram, entre outros, Herivelto Martins (“Segredo”, “Caminhemos”), Lamartine Babo (“Jojoux e balangandãs”), Francis Hime (“Sem mais adeus”, com Vinicius de Moraes), Djavan (“Água”, “Cigano”, “Rota do indivíduo feita com Orlando Moraes), Lenine (“ Maná”), Chico César (“Beradêro”), Arrigo Barnabé (“Clara crocodilo”, Itamar Assumpção (“Nego Dito” ou “Vamos nessa”, em parceria com Leminski).

Villa-Lobos e Heckel Tavares, as mais perfeitas transições entre o erudito e o popular, não foram citados – bem estariam “Melodia sentimental” e “Sussuarana”, mas…

Claro, predileções pessoais imperam. Cada um tem a própria listinha, no bolso ou na memória. A exemplo das relações publicadas anteriormente, a Rolling Stone não informou os critérios utilizados. Supõe-se que a subjetividades e gosto próprio de cada membro da comissão pesaram bastante.

Reprodução
A AUTORA E MAESTRINA CHIQUINHA GONZAGA, CUJO LEGADO É FORMADO POR MAIS 300 PEÇAS, NÃO TEVE NENHUMA MÚSICA INCLUÍDA: COUBE A RITA LEE HONRAR O TIME DAS COMPOSITORAS

O peso do som é o mesmo da memória? A importância desta ou daquela música se deve simplesmente ao feitio ou o crivo histórico foi levando em conta? Perguntas, perguntas, perguntas.

Onde está Chiquinha Gonzaga? Em canto nenhum. Nenhum! Será que no legado da autora e maestrina, composto por 77 partituras de operetas e mais de 250 composições musicais, não haveria como citar ao menos “Ó abre alas” (1899) ou “Lua Branca”? Coube a Rita Lee honrar as compositoras através de “Ovelha Negra”, além de “Balada do louco” e “Ando meio desligado” (compostas com Arnaldo Baptista).

Dolores Duran aparece lá no final com “A noite do meu bem”. Só? Dedução: compositoras como Sueli Costa, Fátima Guedes, Joyce e Maysa – para citar algumas – nada fizeram de “espetacular” para constar na tal lista da RS. Pode? Poder não pode, mas…

Vozes femininas. Elis Regina é a intérprete que mais popularizou algumas músicas (“Águas de março”, “Como nossos pais”, “O trem azul”, “O bêbado e o equilibrista” e “Casa no campo”). Gal Costa emplacou duas: “Baby” e “Vapor barato”.

Citadas: Nara Leão (“A banda”), Maria Bethânia (“Carcará”), Inezita Barroso (“Ronda”), Ademilde Fonseca (Tico-tico no fubá), Maysa (O barquinho), Aracy de Almeida (“Último desejo”) e Dolores Duran (também reconhecida como intérprete em “A noite do meu bem”).

Fica assim: a lista da Rolling Stones contém pertinentes indicações, mas padece de crassos esquecimentos. Confiram.

As 100 MAIORES MÚSICAS BRASILEIRAS

1) Construção ( Chico Buarque)

2) Águas de março ( Tom Jobim)

3) Carinhoso ( Pixinguinha – João de Barro)

4) Asa branca ( Luiz Gonzaga – Humberto Teixeira)

5) Mas que nada (Jorge Ben)

6) Chega da Saudade (Tom Jobim – Vinicius de Moraes)

7) Panis et circense (Gilberto Gil – Caetano Veloso)

8) Detalhes (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)

9) Canto de Ossanha (Baden Powell – Vinicius de Moraes)

10) Alegria, alegria (Caetano Veloso)

11) Domingo no parque (Gilberto Gil)

12) Aquarela do Brasil (Ary Barroso)

13) As rosas não falam (Cartola)

14) Desafinado (Tom Jobim – Newton Mendonça)

15) Trem das onze (Adoniran Barbosa)

16) Ouro de tolo (Raul Seixas)

17) O mundo é um moinho (Cartola)

18) Sinal fechado (Paulinho da Viola)

19) Preta pretinha (Luis Galvão – Moraes Moreira)

20) Tropicália (Caetano Veloso)

22) Da lama ao caos (Chico Science)

23 ) Inútil (Roger Moreira)

24 ) Eu sei que vou te amar (Tom Jobim – Vinicius de Moraes)

25) País tropical (Jorge Ben)

26) Roda viva (Chico Buarque)

27) Garota de Ipanema (Tom Jobim)

28) Pra não dizer que não falei das flores (Geraldo Vandré)

29) Nanã – Coisa Número 5 (Moacir Santos)

30) Baby (Caetano Veloso)

31) Travessia (Milton Nascimento- Fernando Brant)

32) Ovelha negra (Rita Lee)

33) Pérola negra ( Luiz Melodia)

34) Brasil pandeiro (Assis Valente)

35) Trem azul (Lô Borges – Ronaldo Bastos)

36) O bêbado e o equilibrista ( João Bosco – Aldir Blanc)

37) Primavera (Cassiano – Silvio Rochael)

38 ) Eu quero é botar meu bloco na rua (Sérgio Sampaio)

39) Metamorfose ambulante (Raul Seixas)

40) Sangue Latino ( João Ricardo – Paulinho Mendonça

41) Manhã de Carnaval (Luiz Bonfá)

42) Sampa (Caetano Veloso)

43) Como nossos pais (Belchior)

44) Azul da cor do mar (Tim Maia)

45) Carcará (João do Vale – José Cândido)

46) Ponteio (Edu Lobo – Capinan)

47) Me chama (Lobão)

48) Maracatu atômico (Jorge Maunter – Nelson Jacobina)

49) Os alquimistas estão chegando (Jorge Ben)

Reprodução
ELIS REGINA É A INTÉRPRETE RESPONSÁVEL PELA VISIBILIDADE DE ALGUMAS DAS 100 MÚSICAS RELACIONADAS: GAL COSTA FICOU NA SEGUNDA COLOCAÇÃO

50) Ando meio desligado (Arnaldo Baptista – Rita Lee)

51 ) Disparada (Geraldo Vandré – Theo de Barros)

52) Diário de um detento ( Jocenir/ Mano Brown)

53) Brasileirinho (Waldir Azevedo)

54 ) Sabiá (Tom Jobim – Chico Buarque)

55) Balada do louco (Arnaldo Baptista – Rita Lee)

56) A lua e eu (Cassiano – Paulo Zdanowski)

57) Conversa de botequim ( Noel Rosa – Vadico)

58) Apesar de você (Chico Buarque)

59) Minha namorada (Vinicius de Moraes – Carlos Lyra)

60) Na rua, na chuva, na fazenda (Hyldon)

61) Chão de estrelas (Silvio Caldas – Orestes Barbosa)

62) Luar do sertão (Catulo da Paixão Cearense – João Pernambuco)

63) Alagados (Herbert Vianna – Bi Ribeiro – João Barone)

64) As curvas da estrada de Santos (Roberto Carlos – Erasmo Carlos)

65) Br-3 (Antonio Adolfo)

66) Clube da esquina nº 2 (Milton Nascimento – Lô Borges – Márcio Borges)

67) A banda (Chico Buarque)

68) Comida (Arnaldo Antunes – Marcelo Fromer – Sérgio Britto)

69) Rosa de Hiroshima (Gerson Conrado – Vinicius de Moraes)

70) Ronda (Paulo Vanzolini)

71) Como uma onda (Zen surfismo/ Lulu Santos – Nelson Motta)

72) Gita (Raul Seixas – Paulo Coelho)

73) Wave (Tom Jobim)

74) Sentado à beira do caminho ( Roberto Carlos -Erasmo Carlos)

75) Foi um rio que passou em minha vida (Paulinho da Viola)

76) Samba de verão (Marcos Valle – Paulo César Valle)

77) Insensatez (Tom Jobim – Vinicius de Moraes)

78) Cálice (Gilberto Gil – Chico Buarque)

79) Maria fumaça (Oberdan Magalhães – Luiz Carlos Batera)

80) Vapor barato (Jards Macalé –Waly Salomão)

81) Que país é este? (Renato Russo)

82) Sossego ( Tim Maia)

83) Ideologia ( Cazuza – Roberto Frejat)

84) Rosa (Pixinguinha- Otávio de Souza)

85) O barquinho (Ronaldo Bôscoli – Roberto Menescal)

86) Nervos de Aço ( Lupicínio Rodrigues)

87) Meu mundo e nada mais (Guilherme Arantes)

88) Sá Marina (Antônio Adolfo – Tibério Gaspar)

89) A flor e o espinho (Nelson Cavaquinho – Guilherme de Brito – Alcides Caminha)

90) 2001 (Tom Zé – Os Mutantes)

91) Felicidade (Lupicínio Rodrigues)

92) Tico tico no fubá (Zequinha de Abreu – Eurico Barreiros)

93) Casa no campo (Zé Rodrix – Tavito)

94) O mar (Dorival Caymmi)

95) Último desejo (Noel Rosa)

96) Disritmia (Martinho da Vila)

97) Você não soube me amar (Evandro Mesquita – Ricardo Barreto –Guto –Zeca Mendigo)

98) A noite do meu bem (Dolores Duran – Tom Jobim)

99) Rua Augusta (Hervê Cordovil)

100) Anna Júlia (Marcelo Camelo)

…………………………………

Sugestões para comentários

*Concordam com a relação das 100 melhores?

* Faltaram quais canções na sua opinião? Espaço aberto

…………………………………

8 recomendacões para você