Bar do Celso

As cervejas ideias para provar em maio

Conheça a cerveja criada pelos alemães para comemorar a chegada da primavera no hemisfério Norte: Maibock, Helles Bock ou Heller Bock

por por Luís Celso Jr. - bardocelso@gmail.com – www.gazetadopovo.com.br/blog/bar-do-celso Publicado em 15/05/2016 às 17h
Compartilhe

Na história da cerveja, o clima foi muito influente, assim como as estações do ano. Há diversos estilos criados em razão da sazonalidade anual. Enquanto no inverno a produção da cerveja era facilitada pelo frio e até mesmo a disponibilidade de gelo, por exemplo, o calor e o verão sempre foram problemáticos – justamente quando mais precisamos nos refrescar. E foi assim até a invenção da refrigeração artificial em meados do século 19.

>>> Curitiba vai sediar um dos principais concursos de cerveja do mundo

>>> O que são e como funcionam as cervejarias ciganas

>>> Garrafa com gargalo que controla o colarinho da cerveja chega ao PR

Na Alemanha, houve até decreto proibindo a fabricação de cervejas durante o verão – o que de certa forma foi o fato responsável pela mutação da levedura e criação das cervejas da família Lager. Também por isso foi criado o estilo Marzenbier, a cerveja de março, mais forte em razão da alta carga de matérias-primas usada para esvaziar os estoques antes da cervejaria fechar até o outono. Outro exemplo foi a IPA, tão popular hoje em dia, tinha que ser transportada da Inglaterra para a Índia porque a colônia britânica era muito quente para produzir cerveja. E por aí vai…

Porém o ser humano sempre deu uma conotação mais feliz para as estações mais quentes do ano. E quanto mais rígido era o frio, maior era a festa na chegada da primavera e verão no continente Europeu. Os alemães, então, inventaram um estilo de cerveja para ser servido nessas comemorações e abastecer o corpo e o espírito dos foliões. Era a cerveja de maio, conhecida como Maibock, Helles Bock ou Heller Bock.

Trata-se de uma cerveja do estilo Bock, portanto mais alcoólica, porém clara e podendo ter até uma maior carga de lúpulos, trazendo mais aroma herbal e floral, assim como amargor mais elevado. É agradável de beber, normalmente traz bom equilíbrio entre sabores maltados, como panificação, biscoito e um certo dulçor, e os lupulados já citados. Porém, cuidado! O álcool pode surpreender.

É também um estilo muito versátil para harmonizações. Ela pede pratos mais gordurosos para equilibrar o alto teor alcoólico, fazendo um bom par com carnes de porco e caça, por exemplo. Entre os queijos, pode ficar muito bom com os semi-macios e amendoados emmenthal e gruyère, e os duros, como parmesão e provolone. Considere também os untosos e ácidos queijos de cabra. Pode ir bem até com uma crème brûlée como sobremesa.

Infelizmente, com a alta dos preços das cervejas importadas que enfrentamos desde o ano passado em razão de impostos, cervejas clássicas desse estilo, como Einbecker Urbock Hell e mesmo a americana Rogue Dead Guy Ale, deixaram de ser importadas. Mas ainda há opções nacionais, como a paulista Bamberg Maibaum, a maringaense Cathedral Helles Bock e a edição especial Baden Baden 15 anos, que entrou para as cervejas de linha da marca de Campos do Jordão, hoje pertencente ao Grupo Brasil Kirin.

c3

 

Cathedral Helles Bock Estilo: Maibock Embalagem: 500 ml Teor Alcoólico: 6,7% Origem: Maringá – PR Preço:  R$ 19,90 a R$ 26,50

***

c1

 

Baden Baden 15 anos Estilo: Maibock Embalagem: 600 ml Teor Alcoólico: 6,7% Origem: Campos do Jordão – SP Preço: R$ 25,90

***

c2

 

Maibaum Bamberg Estilo: Maibock Embalagem: 600 ml Teor Alcoólico: 6,5% Origem: Votorantim – SP Preço:  R$ 16 a R$ 20

Compartilhe

8 recomendações para você