Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Cervejas Catharina Sour em garrafa. Foto: Karina Kuromiya
Cervejas Catharina Sour em garrafa. Foto: Karina Kuromiya| Foto:

O Catharina Sour é o primeiro estilo brasileiro de cerveja a integrar o Beer Judge Certification Program (BJPC). O estilo, idealizado e produzido por cervejarias de Santa Catarina, foi incluído como um dos estilos provisórios no guia de juízes e pode agora ser oficialmente incluída em concursos internacionais. O anúncio ocorreu nesta quarta-feira (4).

O Beer Judge Certification Program é uma das principais organizações de certificação mundial para juízes de cerveja e bebidas fermentadas relacionadas. Fundado em 1985, está presente em mais de 40 países e tem mais de 7 mil juízes ativos no programa.

As 100 melhores cervejas do mundo em 2018

Cervejas Catharina Sour em garrafa. Foto: Karina Kuromiya
Cervejas Catharina Sour em garrafa. Foto: Karina Kuromiya

Em março deste ano, durante Festival Brasileiro da Cerveja, em Blumenau, ainda não era consenso entre os cervejeiros nacionais que o Catharina Sour seria o primeiro estilo brasileiro. Ainda faltava o reconhecimento por parte da comunidade internacional, críticos e especialistas de associações de cerveja mundiais. A inclusão agora no Beer Judge Certification Program (BJPC) parece pacificar o assunto.

O presidente da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) e um dos criadores do estilo, Carlo Lapolli, afirma que a intenção da Catharina Sour virar um estilo já vinha se cumprindo. “Quando começamos a pensar em um estilo diferente, pensamos em algo que pudesse gerar discussão e debate sobre as cervejas produzidas no Brasil. Isso já tem acontecido nas rodas de conversa, nos concursos e nas divulgações sobre o nosso mercado. Agora, esse movimento só ganha mais força”, diz.

A história da Catharina Sour começou em 2015, em Santa Catarina, entre os produtores caseiros que decidiram produzir algo em comum. Em 2016, por  meio da Associação Catarinense das Cervejas Artesanais (Acasc), eles organizaram um workshop que contou com a participação de mais de 20 cervejarias, que passaram a produzir a Catharina Sour profissionalmente.

Características da Catharina Sour

O colunista do Bom Gourmet e sommelier de cerveja, Luís Celso Jr, explica que o estilo Catharina Sour seria semelhante ao Berliner Weisse, estilo alemão de cervejas tradicional da região da capital do país europeu. “Ele é feito com trigo, porém é leve e refrescante, tendo perfil ácido. As Catharinas Sours teriam álcool sutilmente mais alto e aproveitam essa base para acrescentar diversas frutas diferentes na receita”, afirma. Há diversas versões no mercado feitas com maracujá, pêssego, uva, cupuaçu e amora.

No BJPC, a Catharina Sour é descrita como uma cerveja leve e refrescante, com baixo amargor e uma acidez lática equilibrada pela adição de frutas frescas. O corpo leve, teor moderado de álcool (de 4,5% a 5,5%) e boa carbonatação permitem que o sabor e aroma de fruta sejam o principal foco da cerveja.

Cervejaria cria rótulo com cupuaçu em parceria com Escola de Cerveja

Onde encontrar

A grande maioria das Catharinas Sours estão disponíveis apenas em chope na região que são produzidas, principalmente em Santa Catarina. Em Curitiba, alguns bares especializados recebem esporadicamente esse tipo de produção, mas poucas estão disponíveis em garrafa.

A Cervejaria Blumenau envasa sua Catharina Sour Pêssego e a Cathariana Sour Maracujá, premiada na categoria experimental no Concurso Brasileiro da Cerveja ano passado. A Lohn Bier, de Lauro Müller (SC), possui uma série grande disponível com várias frutas. A mais famosa é com uva goethe, vencedora do World Beer Awards de Londres na categoria frutas em âmbito mundial.

Outros exemplos de rótulos disponíveis são a Catharina Sour com cupuaçu, da Schornstein, e a Catharina Sour com amora, da Alles Blau.

Veja as cervejas premiadas no Festival Brasileiro da Cerveja em Blumenau

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]