Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Vapor do Vinho. Foto: divulgação.
Vapor do Vinho. Foto: divulgação.| Foto:

Além de ser o maior produtor de cacau do Brasil, a Bahia também vem se destacando na produção de vinhos, e é na região norte do estado que está um dos principais passeios enoturísticos do país. O Vapor do Vinho começou a ser realizado há cinco anos percorrendo o Rio São Francisco e o lago de Sobradinho com degustação de comidas típicas e espumantes.

Um dos pontos altos do passeio é a visita à uma vinícola na beira do rio São Francisco, onde os visitantes descobrem que o sertão também faz vinhos e espumantes de qualidade. Foto: divulgação.
Um dos pontos altos do passeio é a visita à uma vinícola na beira do rio São Francisco, onde os visitantes descobrem que o sertão também faz vinhos e espumantes de qualidade. Foto: divulgação.

Ao longo de cerca de cinco horas de passeio, o minicruzeiro percorre pontos turísticos da região cercados por parreirais em meio à caatinga, partindo e chegando da cidade de Juazeiro. Há uma parada na Vinícola Terranova, a maior da região, e em uma ilha deserta do lago. O objetivo do tour é mostrar que é possível produzir vinho até mesmo no meio do sertão nordestino.

Segundo Adriano Miolo, enólogo da vinícola, a região é propícia para a produção de vinhos e espumantes. São até duas safras e meia por ano, com apenas quatro meses de intervalo entre uma e outra. Em outras partes do país, este ciclo leva um ano.

“Assim como no Sul do país, a caatinga também ajuda a uva a se desenvolver. É um terreno árido e seco, com muita insolação, que é o que o fruto gosta. Enquanto os campos do Sul fazem as videiras hibernarem nos dias frios para então florescer na primavera, no sertão a gente controla isso com a irrigação, por isso conseguimos em média duas safras por ano”, explica o enólogo.

Vapor

Durante o passeio, é possível se banhar nas águas do lago de Sobradinho, formado pelo rio São Francisco. Foto: divulgação.
Durante o passeio, é possível se banhar nas águas do lago de Sobradinho, formado pelo rio São Francisco. Foto: divulgação.

A bordo de um barco de três andares com capacidade para 332 passageiros, o Vapor do Vinho navega pelo Rio São Francisco até alcançar as eclusas da barragem da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, onde é elevado a 32,5 metros de altura até o nível do lago. É nele que é servido o almoço tipicamente nordestino, com pratos como macaxeira frita, baião de dois e filé de surubim (peixe de água doce) antes de chegar ao tour pela vinícola.

Já pela metade do passeio, o vapor ancora em um porto e os turistas embarcam em um ônibus que vai até a área de visitantes da Terranova, a cerca de 10 minutos de distância. Lá eles são recebidos com uma degustação de vinho, espumante e brandy (conhaque destilado de vinho moscatel). Depois, o Vapor segue pelo rio São Francisco até a Ilha da Fantasia e retorna para a marina de Juazeiro.

As bebidas são as mais produzidas na vinícola, que começou a operar em meados de 2008. Foram quase dez anos de trabalho para a implantação, com as oito variedades de uvas (chenin blanc, sauvignon blanc, verdejo, moscato, grenache, mourvèdre, tempranillo e shiraz) levadas a partir de 2005. Em torno de 10% da produção da Terranova é voltada para exportação.

Tradição vinícola

A vinícola no meio do sertão nordestino produz mais de 2,5 milhões de litros por ano de espumante, vinho, brandy e suco de uva. Foto: divulgação.
A vinícola no meio do sertão nordestino produz mais de 2,5 milhões de litros por ano de espumante, vinho, brandy e suco de uva. Foto: divulgação.

Adriano Miolo explica que o Vale do Rio São Francisco é hoje uma das principais produtoras de vinhos do mundo em climas tropicais. Embora possa parecer algo novo, a região tem uma tradição vinícola de quase meio século, mas que só nesta última década que começou a ficar mais conhecida.

“A Cinzano começou a produzir vinho na região há 50 anos para elaborar vermute. Depois, outros dois produtores internacionais se instalaram ali, também por conta das condições climáticas que ajudam a produção massificada de uvas. Eu visito a região desde 1997, e em 2001 a Miolo adquiriu um destes produtores”, conta. Na época, a marca replantou todo o parreiral de shiraz e ampliou as variedades produzidas. Hoje são mais de 20 rótulos entre vinhos e espumantes das marcas Terranova e Almadén, o brandy e suco de uva.

O pacote completo do Vapor do Vinho custa R$ 160 por pessoa com saídas de Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), com o ônibus passando no hotel em que o turista estiver hospedado. As saídas ocorrem aos sábados, domingos e feriados a partir das 8h, e as reservas podem ser feitas pelo site do passeio.

Veja também

Onda dos drinks e vinhos em lata desembarca no Brasil

Rum, saquê e ingredientes regionais: as tendências da coquetelaria no Brasil

Por que não existe sorvete de vinho para vender no supermercado?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]