Bebidas

Barismo

Onda das cafeterias especiais cresce no interior de Minas Gerais

Leonardo Côrrea Ribeiro e Gabriel Guimarães, do Sul de Minas, venceram na competição nacional de barismo 2019 e mostram que o bom café não está só em BH

por Lorena Martins, de Belo Horizonte, especial para a Gazeta do Povo Publicado em 10/04/2019 às 17h
Compartilhe

Não é difícil encontrar cafeterias descoladas e casas especializadas na produção de cafés em Belo Horizonte. Esse movimento acontece não só na capital, mas em toda Minas Gerais. Inclusive, são do interior os baristas do estado premiados no campeonato brasileiro de barismo 2018.

Leonardo Correa Ribeiro, de Carmo de Minas, e Gabriel Guimarães, de São Lourenço, ambos profissionais do Unique Cafés, venceram as categorias “Latte Art” e “Coffee In Good Spirits”, respectivamente, no campeonato deste ano disputado no Rio de Janeiro. A competição contou com mais de 50 profissionais de todo o país divididos em quatro categorias — a vencedora da principal (barismo) foi a gaúcha Martha Grill, do Octavio Café, em São Paulo.

Da roça para as xícaras

Minas Gerais, um dos principais estados produtores de café no Brasil abraçou este novo momento do aumento do consumo de cafés especiais no Brasil.  “Acho fundamental a popularização, tanta para os profissionais da área quanto para os clientes que recebem o produto, sempre lembrando que o sabor não pode ser esquecido também. Eu mesmo, por muito tempo não tomava café, então posso posso dizer que provar um café especial é um caminho sem volta”, afirma Ribeiro.

Leonardo Correa Ribeiro, de Carmo de Minas, venceu na catgoria Latte Art. Foto: Juninho Adonai/Tribus Studio

Para o barista, o latte art perfeito exige muita habilidade manual do barista, é claro, mas o mistério engloba um café bem cremoso aliado à temperatura e textura certa do leite. No campeonato nacional, ele criou desenhos como rosa, cavalo marinho e lobo que lhe deram a vitória.

Com formação em coquetelaria, Gabriel Guimarães, vencedor do prêmio na categoria Coffee In Good Spirits, se inspirava na conexão das pessoas para criar drinks que aproximasse encontros e novas histórias. Por isso, encontrou no café uma nova oportunidade de seguir esta inspiração.

“Hoje crio bebidas que de alguma forma tem uma conexão com o ambiente, local e cultura de Minas Gerais. Na época em que comecei, já conhecia alguns drinks que utilizavam da bebida na composição, mas sem me saltar os olhos. Depois que comecei a trabalhar efetivamente com o café que pude compreender como em muitas ocasiões é o café que dá o direcionamento criativo de sabores para a construção do drink”, conta o barista.

Gabriel Guimarães tem formação em coquetelaria e só depois foi trabalhar com café. Foto: Divulgação

>>> Quarta onda do café: especialistas explicam se estamos surfando nela

De acordo com o mixologista, o primeiro passo para desenvolver um drink, é justamente, conhecer as propriedades do café, desde a sua origem, torrefação e aromas. “É baseado nas notas de sabor do café que começa a criação. Se tenho em mãos um café com notas de chocolate, desenvolvo tecnicamente algo que harmonize com chocolate de maneira equilibrada para que possa aplicar no drink”, explica.

Agora, a dupla de São Lourenço e Carmo de Minas, municípios que ficam na região do Sul de Minas, se prepara para representar o Brasil nas competições internacionais: Barista e Brewers CUP, entre 11 e 14 de abril em Boston nos Estados Unidos e o Mundial de Latte e Mundial de Coffee in Good Spirits, de 8 a 10 de junho em Berlim, na Alemanha.

Compartilhe

8 recomendações para você