Bebidas

bebida híbrida

A cerveja-vinho é tudo que os bebedores indecisos estavam esperando

Bebida é feita a partir do malte, mas leva uvas viníferas na receita

por Bom Gourmet, com agência The Washington Post Publicado em 19/02/2018 às 17h
Compartilhe

Para os bebedores indecisos entre vinho e cerveja, uma novidade que promete agradar a gregos e troianos foi criada recentemente e está se espalhando pelos Estados Unidos: algumas cervejarias norte-americanas inventaram a cerveja-vinho, uma bebida híbrida produzida como se fosse uma cerveja, mas que leva adição de uvas viníferas no processo de fermentação ou de maturação.

CONHEÇA O BOM GOURMET: NOTÍCIAS DE GASTRONOMIA, RECEITAS, DICAS E MUITO MAIS

“O perfil da cerveja vai geralmente ser adaptado para combinar com a qualidade das variedades de uvas envolvidas”, afirma Brian Strumke, que em 2010 fundou a Stillwater Artisanal Ales com a missão de produzir uma cerveja única, capaz de competir com o vinho em uma mesa de jantar.

“O malte, a fermentação, o envelhecimento em carvalho ou o emprego do método dry-hopping [em que o lúpulo é adicionado durante a fermentação ou maturação], dependem daquilo que estamos combinando”, explica o cervejeiro.

Segundo a Stillwater, uma cerveja pinot noir é a candidata perfeita para ser envelhecida em carvalho, enquanto as cervejas riesling e sauvignon blanc ficam melhor no dry-hopping.

Esses híbridos de cerveja-vinho geralmente são feitas a partir da base de cervejas saison ou sour [ácida] que são capazes de dar sustentação às uvas. Em alguns casos, a cerveja fermenta junto com as uvas desde o início; em outros, ela é colocada com a fruta para estender a fermentação e o envelhecimento. Os resultados são únicos, por vezes esquisitos, mas geralmente resultam em uma deliciosa mistura.

Confira algumas cervejas-vinho dos EUA

Um particular sucesso da Stillwater é a Oude Bae, uma sour amber ale envelhecida em carvalho francês com uvas pinot noir. Agradável e lindamente vinhosa, o primeiro gole revela um temor e uma riqueza atraentes em um sabor levemente picante.

>> 8 vinhos brancos da Itália até R$ 150 para acompanhar frutos do mar e massas

A Brasserie Cantillon produz a mais procurada e tradicional cerveja lambic belga, mas a sua Saint Lamvinus também tem um grande número de fãs. Os “nerds cervejeiros” insistem que a capacidade de envelhecimento das lambics é parecida com a de bons vinhos, então a infusão com as uvas é natural. Para produzi-la, uma mistura de lambics é envelhecida em barris por mais de um ano com uvas merlot. Isso produz uma tonalidade borgonha brilhante, com aroma intenso de frutas, e carvalho no paladar.

>> Profissão bartender: os bastidores de uma figura badalada de bares e restaurantes

Esta é provavelmente a cerveja-vinho mais acessível hoje em dia: uma nova IPA fermentada com suco de riesling da dinamarquesa Mikkler (que em breve abrirá seu primeiro bar em Nova Iorque). Essa fermentação começa com um toque tropical e frutado e termina com uma doce explosão de uvas.

A Seattle’s Holy Mountain é um  das mais confiáveis cervejarias no país e já começou o processo de envelhecer cerveja na madeira com uvas viníferas. O primeiro lote é uma cerveja de trigo envelhecida e fermentada com uvas carménère do Vale Walla Walla, região produtora do estado de Washington. O resultado é uma bebida com aromas de vinho frutado balanceado com uma adstringência áspera e tânica.

A bucólica fazenda no Texas Jester King’s começou a investir pesado em cervejas produzidas com variedades como merlot, sangiovese e syrah. A Bière de Blanc du Bois é um excelente exemplo. Essa cerveja envelhecida em barril é refermentada com uvas blanc du bois, produzidas no Texas, depois de maduras. A complexidade do vinho branco encontra um final frutado e amadeirado.

A cervejaria TRVE também não pode ser deixada de lado com a Ecate. Essa sour beer envelhecida com o bagaço da cabernet sauvignon (a parte que fica da fruta depois de ser esmagada para o vinho) mostra que é possível fazer algo muito bom do que seria considerado uma sobra. Cítrica, seca e maravilhosamente efervescente.

Todos que já tiveram a chance de experimentar a Upright, uma joia do litoral do Pacífico, no noroeste dos EUA, sabem da singularidade que suas criações provocam. A Oregon Native é uma dessas brilhantes ofertas. Fermentada no barril em colaboração com o vinhedo Patton Valley, leva uvas pinot noir e leveduras de vinhos indígenas. Tem o aroma de frutas vermelhas típico do pinot, com um toque amadeirado. Na série Sole Composition, a Upright também lançou versões sem carbonatação, o que melhora as qualidades vinhosas desta bebida híbrida.

LEIA TAMBÉM:

>> Gin brasileiro Amazzoni é premiado em concurso mundial em Londres

>> Marca de uísque Jack Daniel’s vai abrir pub temático em Curitiba

Compartilhe

8 recomendações para você