Bebidas

Cini revela os segredos do preparo da Gengibirra

Conheça a história do refrigerante Gengibirra, bebida tradicional do Paraná, produzida da mesma forma há mais de 80 anos

por Bruna Covacci Publicado em 06/05/2016 às 18h
Compartilhe
Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

O som do abrir da garrafa é nostálgico. Enquanto o gás se liberta do tradicional litrão em cima da mesa de refeição, as conversas não param e trazem à tona memórias de infância. É assim a relação dos clientes com a Gengibirra, refrigerante de gengibre produzido pela centenária Cini Bebidas, empresa que iniciou suas atividades em Palmeira, mais especificamente na Colônia Cecília, nos Campos Gerais, e, mais tarde, criou seu complexo fabril em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, onde está até hoje.

A tubaína, nome dado aos produtos carbonatados com apelo local que competem com as tradicionais marcas nacionais e mundiais, já se tornou um símbolo do estado e flerta com o mercado nacional.

Nos anos 1930 foi Hugo Cini, filho do fundador da empresa de bebidas que na época trabalhava com produtos alcoólicos, quem levou a fórmula do refrigerante para a fábrica. “Ele costumava produzir Gengibirra em casa para beber com a família nos fins de semana”, explica Nilo Cini, representante da quarta geração da família Cini no Brasil e membro do comitê de acionistas da empresa.

Seu nome é a junção de duas palavras: gengibre e birra (cerveja em italiano). Na época, ela era tratada como uma cerveja de gengibre, mesmo não sendo alcóolica. “Para ficar pronta, a bebida passa por um processo de fermentação igual ao da cerveja”, conta Cini. A produção continua semelhante há mais de 80 anos. “Ela é muito rigorosa e praticamente artesanal, a bebida leva mais de um ano para poder ser consumida”, diz.

O gengibre é plantado pela própria empresa, em Morretes, na região litorânea do Paraná. Quando chega à fábrica, passa meses em processo de fusão em extrato alcoólico. O cuidado é para garantir a preservação do gengirol, princípio ativo originado do gengibre que dá gosto à bebida. Para isso, o produto colhido até metade deste ano só estará na garrafa em 2018. Além do cuidado e do tempo de preparo, ainda é preciso levar em consideração a sazonalidade do gengibre, que vai de dezembro a abril.

Depois de engarrafada, a Gengibirra sai da máquina geladinha e pronta para o consumo. Atualmente, a empresa produz, aproximadamente, 5 milhões de litros do refrigerante. O sabor é um dos mais vendidos da marca – atualmente a Framboesa é a campeã de vendas. Só de matéria-prima são processadas 20 mil toneladas de gengibre anualmente. Desde novembro, o produto passou a ser embalado na versão latinha, para consumos menores.

Compartilhe

8 recomendações para você