Restaurantes

Tendência

Conheça o poke, prato típico do Havaí que é a nova onda em Curitiba

Com similaridades com a comida japonesa, o poke leva peixe cru fatiado com molhos à base de shoyu e acompanhamentos

por
Compartilhe
Poke de salmão com amêndoas do Barista. Foto: Divulgação.

Poke de salmão com amêndoas. Foto: Divulgação.

Saiu do Havaí uma das tendências gastronômicas que mais prometem em 2017: o poke. O prato típico leva peixe cru cortado em cubos e servido em uma tigela com arroz ou folhas, molho (em geral à base de shoyu) e acompanhamentos como frutas e algas. Em São Paulo, os locais que servem poke já estão se multiplicando e, em Curitiba, a novidade chegou há pouco – quem quiser experimentar consegue encontrar poke em alguns lugares como o Barista Coffee Bar (no verão) e o Taipei Sushi Express.

Entre os pioneiros na comida havaiana em Curitiba, porém, está o Poke Hawaii, do empresário Marcelo Martins, que morou na ilha americana por um ano e meio e resolveu trazer o prato para cá. “A receita eu adaptei, já que por aqui é difícil achar a cebola Maui, bastante usada como acompanhamento lá. Além disso, ao invés do repolho como base, passei a usar acelga”, explica ele. O restaurante foi aberto na metade do ano passado, mas por enquanto está em recesso – ele foi convidado pela pousada Treze Luas, na Ilha do Mel, no litoral paranaense, para fazer o prato por lá.

No Taipei, os clientes podem montar versão como quiser. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

No Taipei, os clientes podem montar versão como quiser. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

Outro lugar que resolveu apostar no prato no auge do verão foi o Barista que, até pouco tempo oferecia, além da seleção de cafés, apenas alguns sanduíches, doces e opções para lanche ou brunch aos fins de semana. “Lançamos o poke justamente porque queríamos uma opção leve para o horário do almoço e notamos o crescimento dessa tendência no Brasil. Sou natural de Santos e por lá o poke já faz o maior sucesso”, explica o chef da casa, Marcelo Apene.

Versões

O poke mais próximo do comumente encontrado no Havaí é o que leva uma base de arroz Gohan (arroz japonês, o mesmo usado no sushi) ou folhas, atum cru marinado em molho à base de shoyu e óleo de gergelim e acompanhado de fatias finas de abacate, algas e gergelim. Mas podem existir variações.

No Taipei, além das sugestões que constam no cardápio, como o Hawaii Salmão (R$ 19,50), que leva arroz, salmão, molho de óleo de gergelim e shoyu, cebola roxa, pimenta dedo de moça, gengibre e manga, há outras versões inspiradas em criações tipicamente brasileiras. “Temos a versão Filadélfia, que leva arroz, salmão, cream cheese e alga, que é a mais famosa entre os clientes”, explica o chef Marcelo Moro.

Marcelo Martins, do Poke Hawaii/Treze Luas, costuma fazer apenas uma versão do prato com acelga e salmão cru temperado com molho de shoyu, óleo de gergelim e gengibre (R$ 49).

Versão com atum do Barista. Foto: Divulgação.

Versão com atum do chef Marcelo Apene. Foto: Divulgação.

História

O poke – palavra havaiana que significa cortar, fatiar – nasceu como prato caseiro feito à base de atum-albacora-havaiano (também conhecido como atum ahi), peixe bem comum nessa região. Mas atenção: ele é diferente do sashimi, já que o peixe fica levemente marinado por conta do contato com o molho, e também não é a mesma coisa que um ceviche. Isso porque o prato peruano tem molho à base de limão, cujo ácido desencadeia um processo semelhante ao cozimento.

Segundo a historiadora inglesa Rachel Laudan, que é especializada em gastronomia (e escreveu The Food of Paradise: Exploring Hawaii´s Culinary Heritage, um livro só sobre a culinária havaiana) os pratos mais comuns do Havaí são o resultado de uma mistura de tradições de diversos lugares, entre eles a Ásia, mais especificamente o Japão, por isso o uso de peixe cru, shoyu e arroz, por exemplo.

Serviço

Taipei, rua Castro, 500, Água Verde – (41) 3342-5050. Abre todos os dias das 11h30 às 21h.

Barista, rua Moyses Marcondes, 609, Cabral – (41) 3501-8234. Abre de segunda a sábado das 8h às 20h e domingos das 10h às 20h. *** Serve o prato apenas no verão.

Pousada Treze Luas, povoado do farol s/n, Brasília, Ilha do Mel – (41) 3426-8067. O restaurante é aberto ao público e funciona das 11h às 23h.

 

***

LEIA TAMBÉM

>>> Casal de Curitiba faz sucesso com lasanha no “quintal de casa”

>>> Mangá e capa de ferro: bares e restaurantes apostam em cardápios ‘diferentões’

>>> Startup cria hambúrguer vegetariano com aparência, cheiro, textura e sabor de carne

Compartilhe

8 recomendações para você

CADASTRE-SE NA GAZETA DO POVO E TENHA ACESSO ILIMITADO GRÁTIS AOS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS DO BOM GOURMET ATÉ O DIA 31 DE OUTUBRO.