Plantão

Prêmio Bom Gourmet 2019

Picada na faca ou moída: veja as diferenças entre carne-de-onça, steak tartare e hackpeter

Os pratos têm ingredientes e modo de preparo muito parecidos, mas diferem na forma de servir e até mesmo no sabor

por Carla Rocha, especial para a Gazeta do Povo Publicado em 19/07/2019 às 15h
Compartilhe

As semelhanças entre carne-de-onça, steak tartare e hackpeter são muitas, porém cada um tem suas peculiaridades. Enquanto o primeiro prato é feito de carne moída com textura que lembra uma pasta, os steak tartare e hackpeter são preparados com carne picada na faca.

Segundo o chef Eudemar Cavalcante, professor do curso de gastronomia da Unviersidade Positivo, o tipo de carne usada também salienta as diferenças, pois cada carne tem um sabor, uma textura e uma coloração. O mais comum é usar patinho na carne-de-onça, o que deixa o prato com menos gordura animal. Já no steak tartare a carne usada é o mignon, que tem maior teor de gordura, e o hackpeter leva originalmente carne suína.

>> Vote na melhor carne-de-onça do Prêmio Bom Gourmet 10 anos

A origem dos pratos salienta as diferenças, já que traz da cultura de cada região, os temperos e ingredientes:

Steak Tartare

É típico da culinária francesa e também chamado de bife tártaro. É feito de carne crua de boi, cortada finamente, temperada com mostarda, cebola picada e especiarias. Leva azeite de oliva e alcaparras e uma gema de ovo crua. Tem sabor picante. O prato faz parte do menu completo de alguns restaurantes e é servido como uma entrada fria.

Hackpeter

Tem sua origem na culinária alemã. Lá o prato é servido com carne de porco. No Brasil, o hábito de comer carne suína crua não pegou, por isso o modo de preparo mais tradicional leva apenas carne bovina picada, uma dose de conhaque, cebola branca e cebolinha verde, temperada com sal, pimenta-do-reino, páprica picante e por cima da carne uma gema de ovo. É servido sobre pães, com sete grãos pretos ou com ervas. Petisco bastante comum em Santa Catarina.

Carne-de-onça

Oficializada como patrimônio cultural de Curitiba, é feita de carne bovina magra temperada com pimenta-do-reino, sal, azeite de oliva extravirgem, cebola branca bem fininha e cebolinha verde. Servida sobre fatias de pão preto e mostarda escura para acompanhar. Existem várias versões de como surgiu a carne-de-onça em Curitiba. É um petisco, uma comidinha de boteco. 

O preparo da carne-de-onça é tão característico de Curitiba que o Prêmio Bom Gourmet premia a melhor carne-de-onça desde 2014 pelo Sabor Popular.

VEJA TAMBÉM

Compartilhe

8 recomendações para você