Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Grazing Table é um serviço ainda pouco conhecido no Brasil. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do povo.
Grazing Table é um serviço ainda pouco conhecido no Brasil. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do povo. | Foto:

Tempo e disposição são dois fatores determinantes no momento de planejar uma festa ou reunião entre amigos e familiares. Com o fim do ano chegando e esses dois fatores se esgotando, nada mais importante do que pensar em jeitos alternativos de servir convidados e aproveitar ao mesmo tempo. É aí que o serviço de grazing table entra em cena.

Grazing Table é um serviço ainda pouco conhecido no Brasil. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do povo.
Grazing Table é um serviço ainda pouco conhecido no Brasil. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do povo.

>>> Chefs premiados dão dicas para arrasar no preparo de saladas

O conceito, que surgiu na Austrália, significa, literalmente, “mesa de pastoreio” e consiste na montagem de uma mesa com comidas dispostas pela superfície, de maneira que os convidados transitam ao redor para petiscar. Na Oceania e na América do Norte, esse serviço já é bastante conhecido e apreciado por anfitriões que não querem se preocupar com repor quantidades ou lavar louças.

O que tem na mesa?

Queijos, frios, frutas, pães, biscoitos…as possibilidades de ingredientes na grazing table são infinitas e a criatividade de quem monta (ou de quem contrata o serviço) é o limite. “O melhor desse serviço é que ele atende todos os gostos e necessidades”, comenta a chef curitibana Andrea Passos, que monta esse tipo de mesa. Segundo ela, é possível montar mesas para celíacos, intolerantes à lactose e diabéticos.

Na montagem, pratos e travessas são substituidos por caixotes e tábuas. Foto: Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo.
Na montagem, pratos e travessas são substituidos por caixotes e tábuas. Foto: Alexandre Mazzo/Gazeta do Povo.

Além disso, ela fala sobre as mesas temáticas, que podem trazer elementos de uma cultura específica, como a mexicana ou árabe, ou serem preparadas para datas comemorativas específicas. “No Natal, por exemplo, trazemos as frutas secas e cristalizadas, as bolachas de gengibre e as placas de chocolates com pistache”, explica a chef.

Outra boa opção para as festas de fim de ano são as tábuas e caixas grazing table. “Nada mais é do que o serviço montado em uma versão menor, para presentear mesmo”, diz Andrea. Nestes casos, o cliente ainda tem autonomia para decidir o que vai no presente e o tamanho varia de acordo com a quantidade de elementos escolhidos.

Mas, além das comidas, os utensílios são importantíssimos em qualquer mesa. Na grazing table não é diferente, mas a finalidade deles é outra: enquanto em buffets normais as comidas são dispostas em pratos e travessas, neste tipo de serviço, os protagonistas são os caixotes e tábuas e a maioria dos petiscos é organizada na própria mesa. Os talheres também são dispensáveis; a ideia é que tudo que é servido possa ser consumido com as mãos, sem fazer muita sujeira.

3 passos importantes para montar uma grazing table

Definir a fachada da mesa

Antes de montar a mesa, é essencial conhecer o espaço e saber por onde os convidados vão entrar. Assim, defini-se a fachada da mesa e todos os elementos devem ser colocados a partir desse ponto de vista. “Os convidados devem ser impactados pelo que vêem e nada pode estar de ponta-cabeça “, diz Andrea.

Pensar nas dimensões e alturas

Com a fachada definida, o primeiro passo é dispor sobre a mesa todos os utensílios para que caibam de maneira harmoniosa. O ideal é criar planos e alturas diferenças e, para isso, não é necessário gastar em produtos caros. A dica é reaproveitar caixotes de vinho, vidros de conservas e tábuas de churrasco. Além disso, os utensílios mais altos devem ser colocados na parte de trás da mesa e, sobre eles, recomenda-se dispor os maiores ingredientes, como pães, focaccias e tortas.

Harmonizar ingredientes e cores

A escolha dos produtos é essencial para o paladar e para os olhos. “Cores que combinem e sabores harmoniosos fazem toda a diferença”, conta a chef. Ela recomenda equilibrar queijos mais cremosos, como o brie e o gouda, com outros mais intensos, como o parmesão. Uvas, azeitonas e tomates são boas escolhas também. “O mais importante é entender o paladar dos convidados e estar de acordo com ele”, lembra.

Mercado em potencial

No Brasil a grazing table ainda é pouco explorada por organizadores de eventos e desconhecida pela maioria das pessoas. A engenheira e contadora Ana Cláudia de Pauli, recebeu uma indicação do serviço e resolveu contratá-lo para seu aniversário de 50 anos.

“A grazing table é prática e excedeu minhas expectativas. Gosto muitíssimo de receber amigos, mas em geral trabalho o tempo todo e não aproveito a festa. No caso específico, considerei que seria ideal, pois estaria em mãos especiais e conseguiria aproveitar o evento, assim como os convidados”, comenta.

A opinião de Ana Cláudia é compartilhada pela médica obstetra Lea Camargo, que descobriu a opção por causa de uma paciente e, desde então, já contratou o serviço algumas vezes. “Eu não tenho muito tempo para organizar eventos e, mesmo que tivesse, não conseguiria planejar uma refeição tão gostosa e com produtos de tanta qualidade”.

Escolha dos ingredientes é essencial para a montagem. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do Povo.
Escolha dos ingredientes é essencial para a montagem. Foto: Alexandre Mazzo/ Gazeta do Povo.

Assista o passo a passo de montagem da mesa:

Veja também

>>> Como preparar as carnes que são estrelas das festas de fim de ano

>>> Espumantes para brindar o fim de ano: 17 rótulos a partir de R$ 50

>>> Faça o check-list para organizar as ceias de Natal e ano-novo

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]