Publicidade

Receitas & Pratos

Será que você sabe?

Como é o hambúrguer ideal do curitibano?

por

Não podem faltar carne de Angus, cheddar e molho barbecue, segundo dados da GGV Consultoria Empresarial

Compartilhe

hamburguer-ideal-do-curitibano

Três ingredientes não podem faltar no hambúrguer ideal do curitibano: carne da raça Angus, queijo cheddar e molho barbecue. Tudo servido no pão de hambúrguer tradicional. É o que emerge da pesquisa realizada em Curitiba pela GGV Consultoria Empresarial, empresa especializada em micro, pequenas e médias empresas, com 293 internautas consumidores de hambúrgueres. A idade média dos entrevistados é de 26 anos e 64% são mulheres. A pesquisa foi realizada de 7 de agosto a 30 de novembro.

>>> Por que um hambúrguer chega a custa mais de R$ 40?

>>> Melhor sanduíche de Curitiba em 2016 é o hambúrguer de costela do Guiolla

>>> Hambúrguer em food truck no Brasil custa 6 vezes mais que nos EUA

O hambúrguer ideal foi montado a partir das respostas dos entrevistados: 40% diz preferir o pão de hambúrguer tradicional (17% opta pelo pão francês); a nobre carne Angus é escolhida pelo 22% (em segundo lugar vem picanha com 17%); o cheddar ganha a preferência de 32% dos consumidores (a muçarela de 19%); e o molho barbecue de 39%, seguido pela maionese de alho (32%).

Para acompanhar o hambúrguer ideal, 31% dos entrevistados prefere batatas fritas, 30% batatas rústicas e 15% anéis de cebola. Para beber, 58% pedem refrigerante, 57% cerveja (industrial ou artesanal) e 45% suco (nesse quesito era possível mais de uma resposta). O tíquete médio gasto com hambúrguer é de R$ 33,60.

“Este mercado vem crescendo bastante nos últimos anos, principalmente em Curitiba. Por isso decidimos explorar esse ramo e descobrir quais são os atributos levados em consideração para a escolha de um local, os costumes e a frequência de consumo desses consumidores para saborear estes produtos”, explica Geraldo Hisao, diretor executivo da GGV.

Perguntados sobre a forma em que o hambúrguer é consumido, 90% responde fora de casa, 33% prepara o sanduíche em casa, 16% pede delivery e 10% compra congelado (nesse quesito mais de uma resposta era possível).

O lugar preferido para comer hambúrgueres é em hamburguerias e restaurantes especializados (82%), seguidos por fast-foods (49%). Só 6% optam por food trucks. Bares e café somam 55%. (nesse quesito mais de uma resposta era possível).

“Combinado à informação de que 56% das pessoas frequentam bares aos finais de semana, é uma boa oportunidade para que esses estabelecimentos acrescentem hambúrgueres aos seus menus e conquistem uma maior clientela”, avalia o especialista.

O curitibano é aberto também para experimentar coisas diferentes: apenas 9% vão sempre à mesma hamburgueria, já 31% escolhem toda vez um lugar diferente. Os 60% restantes variam entre restaurantes que já conhecem.

O sabor do sanduíche é o item mais importante na hora de escolher uma hamburgueria, seguido por higiene, atendimento e preço. A localização, a variedade de hambúrgueres e o fato de ter estacionamento são os aspectos menos relevantes para os consumidores.

A ocasião preferida para comer hambúrguer é o jantar para 59% dos entrevistados; para 47% não precisa de nenhuma ocasião especial, para 43% é no happy hour e só 16% indicam o almoço (nesse quesito mais de uma resposta era possível).

Sexta e sábado são os dias em que se comem mais hambúrgueres, respectivamente com 61% e 73% das preferências. Sobre a frequência, 36% dizem comer a cada 15 dias, 25% uma vez por semana e 23% uma vez por mês.

Compartilhe
Publicidade

Assine a Gazeta do Povo e receba mensalmente o Bom Gourmet.