Pessoas

Entrevista

Hamburgueria de Henrique Fogaça tem data para abrir em Curitiba

Cão Véio inaugura no início de abril no Batel; confira a entrevista que o chef deu ao Bom Gourmet

por Andrea Torrente Publicado em 02/03/2018 às 12h
Atualizado em 02/03/2018 às 12h
Compartilhe

Henrique Fogaça, o chef “bad boy” do MasterChef, cuja nova temporada estreia no próximo dia 6, desembarca em Curitiba com sua hamburgueria Cão Véio, que já conta com três unidades em São Paulo e uma em Brasília. Prevista para inaugurar no dia 7 de abril na Rua Alf. Ângelo Sampaio 1.744, no Batel, a casa aposta em hambúrgueres artesanais, steaks, drinks e chopes.

chef henrique fogaça jurado masterchef

Foto: Comunicação/Band

O restaurante fica num casarão, que atualmente está em reforma, onde funcionava uma agência de viagens. A casa terá um bar, um lounge com lareira, e capacidade para 84 pessoas que será ampliada num segundo momento para até 136. A área externa terá um deque coberto com 17 lugares.

No primeiro mês, a hamburgueria vai funcionar apenas no jantar, das 18 a zero hora e a partir de maio também no almoço das 12 às 16 horas. A inauguração contará com a presença do chef, que divide a sociedade com Fernando Badauí, vocalista da banda CPM 22, e Marcos Kichimoto, produtor da noite paulistana.

CONHEÇA O BOM GOURMET: NOTÍCIAS DE GASTRONOMIA, RECEITAS, DICAS E MUITO MAIS

Confira a entrevista que Fogaça deu ao Bom Gourmet:

Curitiba é famosa para ser a capital do hambúrguer artesanal. Do Madero a pequenas hamburguerias de rua, a concorrência é grande. Qual será o diferencial do Cão Véio?
Além de ter um hambúrguer artesanal que caiu no gosto dos clientes, o Cão Véio tem outras opções de lanches e pratos executivos de alta gastronomia, entre outras opções. Por tanto, mais do que receitas diferenciadas, nós temos um cardápio que vai além daqueles encontrados em hamburguerias. Entre as opções que temos em todas as unidades, por exemplo, está o Espírito de Porco uma generosa porção de costela suína marinada na cachaça e no mel, assada em baixa temperatura finalizada com flor de sal. Acompanha molho de pimenta chipotle defumada com maracujá e o Husky Siberiano uma surpreendente porção de lula tostada, tomate, salsa e perfumada com alho.

A casa também tem uma extensa carta de cervejas e drinks, que vão desde os clássicos, até receitas autorais.

LETIA TAMBÉM: Como fazer aligot, purê de 2 queijos do chef Henrique Fogaça 

hamburguer boxer

Foto: Divulgação.

O cardápio da unidade curitibana terá alguma adaptação? Pode adiantar quais serão os carros-chefes da casa?
Inicialmente o cardápio é igual ao de São Paulo. Depois que a casa estiver em funcionamento iremos criar algumas receitas exclusivas para a região.

O público vegetariano e vegano não para de crescer. Alcançar essa clientela é uma preocupação sua? Quais opções vai colocar no menu?
Nossos cardápios têm opções vegetarianas tanto nos pratos executivos quanto hambúrgueres em todas as franquias. Para os veganos, ainda não temos condições de atendê-los com total excelência. Respeitamos muito a causa e não queremos fazer as coisas de maneira que poderemos decepcionar esse público que tem bastante potencial quando falamos no mercado de gastronomia. Mas é uma questão em que pensamos constantemente e precisamos melhorar.

Carnes brasileiras são uma especialidade sua, assim como o domínio da técnica para o preparo desses cortes. Enquanto isso Curitiba é a capital do filé mignon. O que esperar do menu além do hambúrgueres? Terá algum steak ou corte diferente?
Entre as opções da casa nós temos uma entrada que é campeã de pedidos em todas as nossas unidades, chamada Fila Brasileiro (filet mignon empanado na farinha Panko, recheado c/ queijo gruyère e gorgonzola. Acompanha molho de tomate picante.), além do Zorro (filet mignon em tiras salteado em óleo de gengibre com tomate, cebola roxa, beringela, pimenta dedo de moça e coberto com queijo gruyère. Acompanha uma porção de pão). 

Para a turma dos sanduíches e hambúrgueres, o Lottatore, é um hambúrguer de mignon batido na faca, recheado com blue cheese e coberto com queijo emmental, chimichurri e tomate picante,e mini rúcula, servido no pão australiano, e escoltado de batata rústica e maionese de alho; e o Shar Pei, que é um lanche na pegada de um “steak sandwich” , com filet mignon grelhado e fatiado temperado com molho chimichurri da casa, queijo gruyère e vinagrete, servido no pão baguete, escoltado de batata canoa.

LEIA TAMBÉM: Hambúrguer vegetariano em casa: aprenda a fazer

costela cupim cao veio

Foto: Divulgação.

O que esperar da carta de bebidas? Vai dar ênfase para a cachaça ou para algum outro destilado, drinks, cerveja?
Temos uma extensa carta de cervejas, opções de chopp e uma grande variedade de drinks, tanto clássicos quando autorais. Entre os clássicos, temos o Pitbull (Negroni) – Gin, Campari, vermouth tinto, aromatizado c/ laranja bahia – e o Scottish Terrier (Whisky Sour) – Jack Daniel’s, suco de limão siciliano, clara de ovo e redução de açúcar. Já na lista dos autorais, o Chihuahua (Rum, redução de gengibre, suco de cranberry, suco de limão siciliano, casca de laranja, angostura e clara de ovo) e o Chow Chow (Gin, Chambord, àgua tônica e infusão de frutas vermelhas) se destacam, apenas para citar alguns.

No dia a dia da cozinha de seus restaurantes, você é um bad boy assim como no MasterChef?
A rotina de uma cozinha é intensa e cobra agilidade total dos cozinheiros, então não me considero um bad boy, mas sim tento ser justo dentro daquilo que acredito na culinária.

LEIA MAIS:

> Profissão bartender: os bastidores de uma figura badalada de bares e restaurantes
>> A cerveja-vinho é tudo que os bebedores indecisos estavam esperando

Compartilhe

8 recomendações para você