Bar do Celso

Lei da Pureza Alemã completa 500 anos

A Lei da Pureza Alemã comemora meio milênio influenciando a produção de cerveja na Alemanha e no resto do mundo

por Luis Celso Jr. Publicado em 01/04/2016 às 18h
Compartilhe
Cerveja alemã

Foto: Bigstock

Há cerca de 500 anos, no dia 23 de abril de 1516, do duque Guilherme IV da Baviera promulgava a Reinheitsgebot, a Lei da Pureza da Cerveja – um dos decretos alimentares mais antigos do mundo, bem como uma espécie de lei de defesa do consumidor. Ela falava que a cerveja nessa região da Alemanha deveria ser feita apenas com três matérias-primas: água, malte de cevada e lúpulo. A levedura, o fermento da cerveja, não era conhecido na época.

Mais tarde, em 1906 a Reinheitsgebot seria expandida para todo o país. No decorrer da sua história, também incorporou a levedura, o malte de trigo e outras exceções. Cervejas feitas para exportação tem até mais liberdade de utilização de matérias-primas. Hoje há duas versões da Lei, uma só para a Baviera, região Sul da Alemanha, outra para todo o país.

Ao comemorar meio milênio, muito se discute sobre a permanência desse decreto, principalmente no país europeu. Muitos defendem que ele deve ser eliminado, já que no contexto atual de produção mundial essas “limitações” podem prejudicar o mercado. Além disso, se fala muito nas motivações econômicas da promulgação da Lei, já que ela versava principalmente sobre preços e impostos, além do fato de ter feito um protecionismo sobre o trigo e centeio. Outros defendem sua permanência, pois ela se tornou parte da identidade cultural alemã da cerveja, pautando e formatando muito do que se faz hoje em dia nessa área, estimulando inovações tecnológicas e criação de estilos.

Independente dos resultados, é fato que tal Lei é um item importante para se entender as cervejas alemãs, principal influência histórica do Brasil. Você com certeza já viu algum rótulo falar dela, principalmente como argumento para sua pureza. Mas é bom saber que isso não faz uma cerveja ser melhor ou pior do que outra. Cervejas belgas, por exemplo, nunca tiveram Lei semelhante e frequentemente utilizam condimentos, frutas e outros insumos, sendo também muito boas.

Vamos então comemorar sua existência. Afinal, é prova de que a cerveja faz parte da sociedade, sendo influenciada por ela e a influenciando, reforçando o quanto é importante para a humanidade. Indico hoje cinco cervejas para brindarmos à Lei da Pureza Alemã!

Schneider Tap X Mathilda Soleil 2015 (Edição Limitada)

K4JXFKBG
Estilo: Weizenbock Embalagem: 750 ml Teor Alcoólico: 7% Origem: Alemanha

Preço: R$ 95 a R$ 110

Weihenstephaner Vitus
Estilo: Weizenbock Helles (clara) Embalagem: 500 ml Teor Alcoólico: 7,7% Origem: Alemanha

Preço: R$ 28 a R$ 39

Wernesgrüner

B1TOZP8G
Estilo: German Pilsner Embalagem: 330 ml Teor Alcoólico: 4,9% Origem: Alemanha

Preço: R$ 11 a R$ 20

Ayinger Celebrator

UU44U4EQ
Estilo: Doppelbock Embalagem: 330 ml Teor Alcoólico: 6,7% Origem: Alemanha

Preço: R$ 25 a R$ 35

Aecht Schlenkerla Rauchbier

CLJVFF90
Estilo: Weizen Rauchbier Embalagem: 500 ml Teor Alcoólico: 5,1% Origem: Alemanha

Preço: R$ 28 a R$ 35

Weihenstephaner Vitus

LQ90CP58
Estilo: Weizenbock Helles (clara) Embalagem: 500 ml Teor Alcoólico: 7,7% Origem: Alemanha

Preço: R$ 28 a R$ 39

Compartilhe

8 recomendações para você