Restaurantes

Reconhecimento

Brasil ganha mais dois restaurantes 2 estrelas Michelin

Além do D.O.M, do chef Alex Atala, uma casa de São Paulo e uma do RJ foram premiadas com 2 estrelas no Guia Michelin 2018. Confira a lista

por Talita Boros Voitch Publicado em 08/05/2018 às 11h
Compartilhe

O restaurante Oro, do chef Felipe Bronze, no Rio de Janeiro,  e o Tuju, do chef Ivan Ralston, em São Paulo, são os dois novos duas estrelas Michelin do Brasil, ao lado do D.O.M, do chef Alex Atala. Criado em 1900 na França, o guia de classificação de restaurantes foi divulgado nesta segunda-feira (7) no Hotel Unique, em São Paulo.

O Tuju funciona há apenas quatro anos, em Pinheiros, e detinha uma estrela Michelin desde 2015, primeira edição do guia no país. O restaurante contemporâneo serve apenas menu degustação no almoço e no jantar. O custo do menu por pessoa é de R$ 350 sem harmonização e R$ 495 com harmonização, com cinco aperitivos, duas entradas, dois pratos principais e quatro sobremesas.

 

Alex Atala, Felipe Bronze, Geovane Carneiro e Ivan Ralston, chefs dos restaurantes premiados. Foto: Alê Virgílio.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DE GASTRONOMIA, RECEITAS E DICAS 

Prato do Tuju: coelho confitado na gordura de jamón, curau, mostarda e pólen. Foto: Reprodução

Prato do Tuju: coelho confitado na gordura de jamón, curau, mostarda e pólen. Foto: Reprodução

O carioca Oro também detinha uma estrela desde o ano passado, quando retornou ao guia depois de perder a estrela que havia ganhado em 2015. O chef Felipe Bronze, apresentador de programas culinários no canal GNT, repaginou todo o conceito do Oro e focou a cozinha totalmente em preparos feitos na brasa. O menu degustação custa a partir de R$ 335, com 12 snacks, um prato principal e uma sobremesa. Com harmonização o preço sobe para R$ 475.

Oro, do chef Felipe Bronze, também ganhou mais uma estrela do Guia Michelin 2018. Foto: Reprodução

Oro, do chef Felipe Bronze, também ganhou mais uma estrela do Guia Michelin 2018. Foto: Reprodução

O D.O.M, comandado pelo chef Alex Atala, é considerado o melhor restaurante brasileiro na lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina. É um restaurante contemporâneo de culinária e ingredientes brasileiros, buscados em todas as regiões do paí por Atala. Era o único a possuir duas estrelas Michelin no país até a edição do guia deste ano. Oferece apenas menu degustação a partir de cerca de R$ 500.

A avaliação do Guia Michelin é feita por inspetores estrangeiros, que visitam anonimamente os restaurantes e seguem rígidos critérios de avaliação usados também nos outros 28 países onde o guia é editado. São levados em consideração a qualidade dos ingredientes, técnicas de preparo, harmonia de sabores, personalidade e padrão. O Brasil é o único país da América Latina contemplado pelo guia e não tem nenhum restaurante na categoria máxima de três estrelas.

>>>Escola de gastronomia mais cobiçada do mundo abre primeira unidade no Brasil

Novos restaurantes com uma estrela

Em São Paulo, entraram para o time das casas com uma estrela o japonês Ryo (de Edson Yamashita) e o Tangará (de menu assinado por Jean-Georges Vongerichten), além do Maní (da chef Helena Rizzo) e Jun Sakamoto (do sushiman de mesmo nome) que mantiveram a posição. Foi também mantida uma estrela do Tête-à-Tête, mas a casa anunciou fechamento no começo deste ano.

Entre os cariocas, não houve nenhuma inclusão e dois restaurantes que tinham uma estrela saíram da lista, o Laguiole, que fica no MAM do Rio de Janeiro, e o Eleven (que fechou). Foram mantidos na categoria de uma estrela o Lasai (de Rafael Costa e Silva), Mee (de Kazuo Harada) e o Olympe (de Claude e Thomas Troisgros).

Categoria dos mais informais

Na categoria Bib Gourmand, que contempla restaurantes mais informais e com bons preços, São Paulo viu quatro casas entrarem para a lista: Bio (aberto pelo chef Alex Atala no Itaim Bibi), Fitó (da chef cearense Cafira Foz, em Pinheiros), Petí Panamericana (parceria do chef Victor Dimitrow com a escola de artes Panamericana) e Piccolo (do chef Marcelo Laskani). Além desses, saíram da lista o Bona (em Pinheiros) e o Miya (que fechou).

Ao todo, a capital paulista tem 25 restaurantes Bib Gourmand. No Rio, não houve nenhuma novidade na categoria, apenas deixaram a lista o Entretapas e o Gurumê, restando oito casas no guia atual. Confira a lista completa de restaurantes estrelados do Guia Michelin 2018:

>>>Cervejas brasileiras conquistam cinco medalhas na Copa do Mundo nos EUA

Duas estrelas

D.O.M (Alex Atala) – São Paulo

Oro (Felipe Bronze) – Rio de Janeiro

Tuju (Ivan Ralston) – São Paulo

Uma estrela

São Paulo

Dalva e Dito (Alex Atala e Elton Júnior)

Esquina Mocotó (Rodrigo Oliveira)

Fasano (Luca Gozzani)

Huto (Fábio Honda)

Jun Sakamoto (Jun Sakamoto)

Kan Suke (Egashira Keisuke)

Kinoshita (Tsuyoshi Murakami)

Kosushi (George Koshoji)

Maní (Helena Rizzo)

Picchi (Pier Paolo Picchi)

Ryo (Edson Yamashita)

Tangará (Jean-Georges Vongerichten)

Tête à Tête (Gabriel Matteuzzi e Guilherme Vinha)

Rio de Janeiro

Lasai (Rafael Costa e Silva)

Mee (Kazuo Harada)

Olympe (Claude Troisgros e Thomas Troisgros)

Categoria Bib Gourmand

São Paulo

Antonietta Empório

Arturito

Le Bife

Bio

Bistrot de Paris

Brasserie Victória

A Casa do Porco

Casa Santo Antônio

Ecully

Fitó

Jiquitaia

Manioca

Mimo

Mocotó

Niaya

La Peruana

Petí

Petí Panamericana

Piccolo

Più

Tanit

Tartar & Co

TonTon

Tordesilhas

Zena Caffè

Rio de Janeiro

Artigiano

Bottega del Vino

Lima Restobar

Miam Miam

Oui Oui

Pomodorino

Restô Rio

Riso Bistrô

Compartilhe

8 recomendações para você