Restaurantes

Polêmica

McDonald’s abre unidade no Vaticano e cardeal diz que é uma “afronta”

Apesar dos protestos dos moradores da região, o fast food inaugurou no dia 30 de dezembro a poucos metros da Praça de São Pedro

por Andrea Torrente Publicado em 03/01/2017 às 17h
Compartilhe

Desde a semana passada, os habitantes de Roma e os turistas podem comer os sanduíches do McDonald’s com direito à vista para a Basílica de São Pedro, no Vaticano. A nova unidade vaticana da rede americana de fast food, que inaugurou na sexta passada (30 de dezembro), levanta há meses um vespeiro de polêmicas.

>>> Visitamos à paisana duas cozinhas do McDonald’s e contamos o que vimos

>>> McDonald’s de Curitiba vendem PF

>>> Veja quais alimentos e ingredientes são tendência em 2017

Em outubro de 2016, um grupo de residentes do bairro chegou a enviar uma carta ao papa Francisco pedindo para interromper a operação, mas a Santa Sé, que é proprietária do imóvel onde abriu o restaurante, havia respondido que “é tudo regular e a iniciativa continua”.

Segundo os moradores da região, o fast food, localizado na Via del Mascherino, na esquina da praça que é símbolo da cristandade, transformaria “a identidade artística, cultural e social do bairro”, cujo patrimônio arquitetônico é salvaguardado pelo Unesco.

Em entrevista ao jornal italiano La Repubblica, o cardeal Elio Sgreccia também se disse contrário à abertura do restaurante a poucos metros da basílica e definiu a decisão uma “afronta”. Segundo o clérigo, a comida do fast food “não oferece garantias para a saúde dos consumidores”, além de não ter nada a ver com a tradição culinária de Roma.

O aluguel que McDonald’s paga ao Vaticano para o uso do espaço é de 30 mil euros por mês. Antigamente o local abrigava uma tradicional trattoria italiana.

A polêmica com McDonald’s não é a única que envolve uma rede de restaurantes norte-americanos. Em outubro, o Hard Rock Café abriu uma unidade, exclusivamente para venda de souvenirs e memorabilia, na icônica Via della Conciliazione, a avenida que leva direto para Praça São Pedro. Apesar dos protestos de cardeais e residentes, a loja musical substituiu uma livraria religiosa.

Compartilhe

8 recomendações para você