i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Recuperação

Mercado mundial de fast e casual food crescerá 19,4% neste ano

  • 08/02/2021 15:03
Recuperação
Consumo em 2021 pode chegar a US$ 2,6 trilhões de acordo com pesquisa.| Foto: Bigstock

Após um 2020 de pandemia e lojas fechadas ao redor do mundo dependendo apenas do delivery, as redes voltadas ao fast e casual food terão uma recuperação considerável de faturamento neste ano. É o que prevê o relatório “Restaurantes e serviços de alimentação no mercado global – Covid-19, impacto e recuperação até 2030”, divulgado na última semana pela consultoria internacional ReportLinker.

De acordo com a empresa de tecnologia em pesquisa e tendências, o mercado mundial de fast e casual food fechou o ano de 2020 com um faturamento de US$ 2,193 trilhões (R$ 11,7 trilhões), com uma recuperação prevista para 2021 de 19,4% e chegando a US$ 2,6 trilhões (R$ 13,9 trilhões). Este crescimento se dará principalmente em redes globais como McDonald’s, Subway, Olive Garden, entre outras.

De acordo com o relatório, a pandemia do coronavírus afetou em cheio as operações destes serviços de alimentação em 2020, uma vez que os governos impuseram restrições domésticas e internacionais. Para a ReportLinker, os efeitos dela continuarão a ser sentidos ao longo deste ano.

“No entanto, a globalização deve abrir caminho para mais joint ventures, investimentos estrangeiros, expansão global e empresas multinacionais que estabeleçam instalações em regiões de alto crescimento, permitindo que os operadores de restaurantes ofereçam seus pratos aos clientes em todo o mundo”, diz o comunicado.

Ou seja, a pandemia não afetou o efeito globalização da economia, com o tráfego de cargas sendo mantido em todo o mundo. A  ReportLinker cita como exemplo a rede McDonald's, que produz em muitos países e tem franquias em todo o mundo, “investindo e apoiando iniciativas para adaptar seus produtos e serviços a diferentes localidades para garantir sua marca global. Esse aumento da globalização provavelmente aumentará os investimentos e, consequentemente, impulsionará o mercado para frente”.

Maior crescimento

Embora o Brasil e a América Latina tenham uma boa aderência das empresas de fast e casual food, a ReportLinker afirma que são os mercados da Ásia-Pacífico e América do Norte os principais impulsionadores da recuperação deste segmento da economia.

Os países asiáticos da região pacífica responderam por 51% do mercado em 2020, seguidos pelos norte-americanos com 24%.

Parte desse crescimento se deveu aos serviços de delivery, que tiveram de ser potencializados por conta das regras de distanciamento social, e também pelas plataformas de mídias sociais. Segundo a ReportLinker, aplicativos de dicas e recomendações de estabelecimentos serviram como impulsionadores de consumo ao permitir que clientes deixem suas opiniões sobre o que consumiram, “naveguem pelos cardápios, acessam informações nutricionais, façam pedidos e reservas”.

Ainda de acordo com a consultoria, a mídia social está aumentando a fidelidade do cliente e a reputação do estabelecimento junto à opinião pública, “à medida que os clientes compartilham fotos e comentários, aumentando assim o conhecimento sobre os restaurantes”.

As redes sociais, segundo a ReportLinker, devem ser cada vez mais impulsionadores significativos da indústria de restaurantes e serviços de alimentação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.