Plantão

referência

Morre Joël Robuchon, o chef mais premiado de todos os tempos

Conhecido como o "cozinheiro do século", o francês Joël Robuchon acumulou 32 estrelas Michelin

por Bom Gourmet Publicado em 06/08/2018 às 08h
Compartilhe

Morreu em Genebra, na Suiça, aos 73 anos, o chef francês Joël Robuchon. De acordo com informações do jornal francês Le Figaro, a causa da morte foi câncer. Em 2016, os restaurantes comandados por Robuchon acumularam 32 estrelas Michelin, fazendo com que ele se tornasse o chef mais premiado de todos os tempos.

Morre, aos 73 anos, o chef francês Joël Robuchon. Foto: Reprodução Facebook

Recebeu o título de “chef do ano”, em 1987, e de “cozinheiro do século”, em 1990, além de diversos outros prêmios. O cozinheiro ficou conhecido por pratos como seu purê de batata e o ovo frito com espuma de parmesão e lascas de presunto ibérico. Referência na gastronomia francesa, o chef primava pela altíssima qualidade dos ingredientes e excelência na montagem dos pratos.

Por uma alta gastronomia mais democrática

Joël Robuchon nasceu em 1945 na cidade de Poitiers, na França. Começou a cozinhar aos 16 aos como aprendiz em um hotel. Em 1974, aos 29, tornou-se head chef da cozinha do Hotel Concorde La Fayette, em Paris, onde comandava cerca de 90 cozinheiros. Em 1981, abriu seu restaurante Jamin em Paris e, no mesmo ano, recebeu sua primeira estrela Michelin. No ano seguinte, a segunda; e, no próximo, a terceira.

Aos 50 anos, anunciou sua aposentadoria para dedicar-se a passar seu conhecimento adiante. Por dez anos apresentou o programa Bon Appetit Bien Sûr, onde recebia outros chefs e demonstrava receitas acessíveis e fáceis de preparar. Em 2003, de volta às cozinhas, abriu o restaurante Atelier de Joël Robuchon, simultaneamente em Paris e em Tóquio, que nasceu com a promessa de quebrar as tradições da chamada alta gastronomia. Com uma cozinha aberta, rompia os padrões dos restaurantes clássicos, aproximando clientes e cozinheiros. Com o sucesso, abriu filiais em Las Vegas, Nova Iorque, Londres, Hong Kong, Taipei, Singapura, Shangai, Montreal, Miami, Mônaco, Macau e Genebra.

Segundo informações do jornal Le Figaro Robuchon se submeteu a uma cirurgia para retirada de um câncer na pâncreas, cerca de um ano atrás. Em junho desse ano, anunciou o fechamento de dois restaurantes estrelados, um em Singapura e outro em Paris.

Homenagens

Nas redes sociais, diversos chefs se manifestaram sobre a morte de Rebuchon. Entre eles, Gordom Ramsay. “Perdemos o o padrinho das estrelas Michelin, o chef mais condecorado do mundo, que nos ajudou a estarmos sempre alerta, mesmo enquanto dormíamos! Obrigada chef, que Deus o abençoe.”

Chef Emmanuel Bassoleil, do Hotel Unique

Chef Alex Atala, do D.O.M

🙏🙏🙏 Merci Chef 🙏🙏🙏

Uma publicação compartilhada por Alex Atala (@alexatala) em

Chef Claude Troisgros

Au revoir Mr. Robuchon, obrigado por tudo..

Uma publicação compartilhada por Claude Troisgros (@c_troisgros) em

Chef Eva dos Santos, da rede de restaurantes Victor

R.I.P Jöel Robuchon Mais um mestre se vai! 😓😓 #joelrobuchon #gastronomiaparana #gastronomiafrancesa

Uma publicação compartilhada por Chef Eva dos Santos (@chefevadossantos) em

LEIA TAMBÉM:

Chefs premiados ensinam a fazer a sopa perfeita para se aquecer no inverno

Um novo tipo de festival surge em Curitiba: menus com 6 pratos a preço fixo

Entenda a diferença entre as pimentas branca, preta e rosa

 

 

 

 

Compartilhe

8 recomendações para você