Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Espumante nacional
Venda de espumantes nacionais ao mercado interno teve uma alta de 37,76%.| Foto: Dandy Marchetti/divulgação Aurora

As vendas de vinhos nacionais e derivados de uva nos mercados interno e externo deram um salto de 239,16% no primeiro quadrimestre deste ano, de acordo com dados recentes da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra). Esse resultado porcentual de janeiro a abril, na comparação com o mesmo período de 2020, ficou por conta da exportação de suco de uva, que alcançou 879 mil litros de janeiro a abril deste ano.

Já a venda de vinhos finos para o exterior teve um crescimento um pouco menor, de 169,23%, e somou 1,9 milhão de litros. O bom resultado confirma a previsão de safra e produção recordes para 2021, impulsionadas pelos hábitos criados pelos brasileiros durante a pandemia, segundo Deunir Argenta, presidente da Uvibra.

De acordo com ele, a alta do dólar ao longo de 2020 ajudou a aumentar as vendas de vinhos e espumantes brasileiros ao próprio mercado nacional. Com a melhora da qualidade e da produção, os consumidores mantiveram o hábito e estão aumentando o consumo.

“O vinho brasileiro segue sendo descoberto pelos brasileiros, que ao degustar nossa diversidade e qualidade, estão percebendo a evolução e aprovando. É animador ver esta importante conquista. Com uma safra maior em 2021 os estoques estão sendo abastecidos, podendo atender ao mercado”, explica.

A comercialização no mercado interno teve um crescimento menor do que a exportação no primeiro quadrimestre, de 34% entre vinhos finos e espumantes na comparação com o mesmo período de 2020. Destes, os espumantes moscatéis somaram 37,76% do montante, seguidos pelos vinhos finos e espumantes brut – 34,35% e 30,87%, respectivamente.

A expectativa da Uvibra é de que a venda de vinhos e espumantes nacionais tenha mais um recorde em 2021, com a ampliação dos canais de distribuição, flexibilização dos protocolos sanitários e enoturismo. Em 2020, os vinhos finos nacionais tiveram um crescimento de 56% na comercialização.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]