Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
bombons veganos
Bombons veganos da Flormel estão entre os onze lançamentos feitos na pandemia.| Foto: Ercília Ribeiro/divulgação

O que surgiu como um negócio de família há 34 anos a partir de uma receita antiga de bala de mel, hoje se consolida como indústria referência no setor de alimentação saudável no Brasil. A Flormel, atualmente, conta com um portfólio extenso de sobremesas e lanches saudáveis que são distribuídos em todo o país. No entanto, frente aos impactos da pandemia do novo coronavírus, a empresa, que até então pautava 99% de suas vendas na distribuição ao varejo físico, se viu diante da necessidade de apostar em novos canais.

A já existente plataforma e-commerce da marca foi repensada logo no início da pandemia no Brasil, visando não apenas compensar o declínio de vendas em pontos físicos, como também promover uma relação mais íntima com os clientes. No mês de julho, para a satisfação da equipe, as vendas online tiveram um crescimento de 50%; para agosto, a meta estipulada é de 100%.

“Essa situação nos convidou a olhar o mercado de uma forma diferente”, afirma Alexandra Casoni, CEO da marca, “agora, inclusive, estamos planejando dois novos projetos online que serão rodados em setembro”. Ela explica que não existe conflito entre os canais físico e online, que a ideia é “construir um ecossistema entre as diferentes plataformas” e, pensando no período de retomada, a CEO acredita que esse ecossistema será capaz de se sustentar.

Além disso, também durante a pandemia, a Flormel colocou 11 lançamentos no mercado, incluindo uma categoria inédita infantil e novas linhas voltadas para incentivar o cliente a se conectar com o alimento. A inovação, de acordo com Alexandra, é essencial para o negócio, principalmente em tempos de crise.

“Nós nos ocupamos de lançar produtos novos sempre, afinal eles são responsáveis por 15% do nosso crescimento anual”, diz, “lógico que tivemos dúvidas sobre manter o plano de lançamentos quando a pandemia começou, mas pensamos que, agora, seriam justamente as novidades que chamariam a atenção dos clientes e estávamos certos”, conta.

Indulgência e experiência

Retraçar um plano de negócios, como coloca a CEO da Flormel, exige muita indulgência e se permitir errar. Segundo ela, é muito difícil que uma marca acerte de primeira sempre, mas é importante que a equipe esteja alinhada para compreender como se superar. Ainda, é essencial dar ouvidos aos clientes e fazê-los ouvir.

“Nós temos um grupo de profissionais da nutrição responsável por compreender as necessidades dos clientes e, neste momento, as necessidades estão acentuadas já que as pessoas estão, em vários sentidos, limitadas”, explica Alexandra ressaltando que os consumidores estão procurando produtos doces, porém saudáveis.

Sobre se fazer ouvir, a CEO enaltece a importância da divulgação dos canais. Para ela, o cliente que sempre consumiu por meio do varejo físico não vai, automaticamente, navegar por uma plataforma online até então pouco explorada.

Ainda segundo Alexandra, o que ajudou a impulsionar o e-commerce da Flormel foi a base sólida que a marca já tinha construído ao longo dos anos com os clientes. “Falamos tanto dos novos produtos para os nossos clientes que, quando fizemos os lançamentos, a procura foi imediata”, comenta.

Outro aspecto essencial e que, de acordo com Alexandra, exige atenção de qualquer empresa nesse momento, é a experiência que a marca proporciona aos clientes. Para ela, a pandemia gerou muita frustração, muita ansiedade e, consequentemente, a necessidade de ter mais experiências.

"Como as pessoas estão mais em casa, se aventuram mais na cozinha. E nós, enquanto marca, precisamos oferecer oportunidades”, completa.

Além dos lançamentos que já se provaram assertivos durante a quarentena, a marca vai lançar um livro de receitas saudáveis, motivada pela grande busca de receitas no site, e também um box assinatura, para que clientes frequentes possam engajar ainda mais. “Se a gente consegue levar a experiência para a casa dos clientes neste momento, então eles não irão abrir mão da proximidade que desenvolveram com a marca depois”, garante a CEO, que se mostra positiva com relação ao futuro da empresa.

Conteúdo editado por:Guilherme Grandi
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]