Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Microfranquia
Entre as vantagens de uma microfranquia estão o custo menor de implantação e o próprio empreendedor cuidar do negócio.| Foto: Bigstock

Um formato tem sido muito buscado por empreendedores nos últimos tempos e que tem potencial para colocar de volta na população economicamente ativa uma parcela importante de brasileiro: as microfranquias.

Esse modelo é uma alternativa do trabalhador recém-desempregado se manter profissionalmente ativo e investir o dinheiro recebido da rescisão em algo que lhe dê retorno financeiro no curto e médio prazo. Como conceito, as microfranquias são franquias em que o valor do investimento inicial tem um limite de R$ 105 mil. Elas podem ser uma alternativa para quem tem pouco para investir e já quer começar com algum conhecimento que será transferido pelo franqueador.

A principal diferença que encontramos entre franquia e microfranquia é em relação à estrutura, tanto física quanto de pessoas. No que tange a estrutura física, as microfranquias exigem uma pequena, ou até mesmo nenhuma estrutura pré-determinada, ou seja, não exigem um ponto comercial fixo, onde o próprio franqueado pode fazer uso de uma estrutura própria (como sua residência) ou estruturas enxutas como pequenos pontos comerciais ou mesmo uma estrutura móvel como bicicleta/carrinho/carro etc.

Justamente por essa flexibilidade, as microfranquias têm bastante aderência ao food service. Isso porque a multiplicidade de culinárias, segmentos e formatos que o setor possui permitem ao empreendedor rapidamente alcançar o mercado consumidor.

Uma alta nesse setor aconteceu durante a pandemia com as dark kitchens. Modelos de negócio que não exigem salão para atendimento ao público e podem inclusive ter cozinhas compartilhadas com mais de um empreendedor ou marca.

Nesse modelo, todo o preparo é feito com foco no delivery, que pode ser próprio ou de terceiros. Mais uma vez ponto para as microfranquias, que se adaptam em pequenos espaços.

No começo, no boom das microfranquias, os modelos móveis eram os mais escolhidos: carrinhos ou trucks de comida para eventos privados ou corporativos ganharam seu espaço.

A venda direta de produtos como chocolates também apareceu como opção. Ao longo do tempo, cada vez mais marcas começaram a adotar o modelo para diversificar as opções de oferta de negócios para os empreendedores.

Um ponto importante é que o empreendedor deve considerar que a microfranquia não significa menor tempo de dedicação ao negócio, pois ele acumula funções que numa franquia de porte maior é executada por uma equipe de pessoas.

Muitas vezes o próprio franqueado é quem executa a atividade fim, ou seja, numa microfranquia de serviços, por exemplo, o próprio franqueado é quem faz atividade de prospecção, atende o cliente e quem executa o serviço contratado.

Justamente por ser um negócio enxuto, a necessidade de ter o acompanhamento administrativo e financeiro bem próximo se faz mais presente, uma vez que os recursos são menores e as margens para gastos extras acabam sendo reduzidas.

O plano de negócio tem que ser muito bem pensado e com metas claras a serem atingidas. O franqueador, nesse ponto, é um grande aliado porque, com a experiência que tem no negócio, acaba podendo construir esse plano em conjunto com o franqueado – levando sempre em consideração também o mercado em que a microfranquia está inserida e o potencial de consumo da região.

As microfranquias evoluíram muito no Brasil, país com um alto índice de empreendedorismo iniciante, principalmente no momento qual estamos vivenciando altas taxas de desemprego.

Sabemos que o franchising é uma ótima alternativa para quem quer investir em um negócio próprio, por ser um modelo mais seguro que permite ao investidor iniciar um negócio com todo o suporte necessário fornecido pela franqueadora, reduzindo assim o risco de investimento.

Portanto, as microfranquias, por terem investimentos baixos, tornam-se uma nova oportunidade e ganham ainda mais atratividade para quem quer dar um novo começo para a carreira. Mais uma vez o franchising se mostra viável para diversos tipos de negócios e diversos bolsos de empreendedores.

*Lyana Bittencourt é CEO do Grupo Bittencourt, consultoria com mais de 3 décadas de mercado especializada no desenvolvimento, gestão e expansão de redes de negócios e franquias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]