Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
tainá alimentos
A castanha-do-pará é uma das oleaginosas mais vendidas pela Tainá Alimentos. Foto: Bigstock| Foto: Bigstock

Não é porque um produto é natural que ele é necessariamente bom. Um produto natural, assim como qualquer outro tipo de alimento, precisa passar por testes, análises e controles de qualidade para garantir que o consumidor receba um item puro que corresponda as suas expectativas. E nesse quesito a Tainá Alimentos, com sede em Curitiba, no Paraná, se destaca. A empresa comercializa uma grande variedade de oleaginosas, temperos, chás e frutas secas, vendendo quase 800 toneladas de produtos naturais nos oito primeiros meses de 2021, sendo metade disso só de castanha-do-pará.

Para garantir que apenas os melhores produtos cheguem ao consumidor, os insumos passam por uma série de etapas. Todas as mercadorias são conferidas ao chegaram no depósito da empresa, observando o peso, o lote e o laudo enviado pelo fornecedor. Em seguida são feitas análises sensoriais e de pureza dos produtos, enquanto um engenheiro de alimentos confecciona os rótulos com todas as informações necessárias. Nessa etapa os profissionais também realizam testes que checam, entre outras coisas, presença de glúten e da proteína do leite, garantindo que todos os produtos da Tainá Alimentos livres de tais substâncias.
Estando tudo certo, é hora do porcionamento, feito por funcionários treinados para manipularem alimentos. Uma vez fracionados e rotulados, é feita mais uma inspeção para garantir que tudo está em ordem, com o objetivo de levar o ideal de qualidade um passo adiante.

<< Em 2021, a Tainá Alimentos é uma das patrocinadoras do Prêmio Bom Gourmet

Tainá Alimentos
Todos os produtos vendidos pela Tainá Alimentos são testados para a presença de glúten e lactose.| Rodrigo Pierrot

Desde a sua criação em 2011, a marca se especializou na venda de itens a granel para lojas de produtos naturais, e hoje soma quase dois mil clientes ativos. “Porém, quando uma pessoa compra itens a granel em uma loja especializada, na maioria das vezes não sabe qual a marca do produto que está levando para casa. Com isso em mente, para este ano decidimos ir além e fortalecer ainda mais nossa marca com o consumidor”, conta Talita Knupp, uma das proprietárias da marca, junto com o marido Saul Pereira. Agora os clientes também podem encontrar os produtos em embalagens de 200g, 500g e 1kg em lojas de produtos naturais.

Tainá Alimentos
A partir desse ano os clientes da Tainá Alimentos podem encontrar os produtos em embalagens menores. | Rodrigo Pierrot

A facilidade de comunicação e a franqueza são outros pontos fortes da Tainá na sua trajetória. A empresa é transparente com seus clientes, fornecendo informações em seus rótulos que atestam a procedência dos produtos. A abertura ao diálogo foi uma das estratégias que permitiu que a marca continuasse apoiando diversos clientes que passaram por momentos complicados durante a pandemia.

Nas palavras de Saul, “a Tainá não apenas fez questão de pagar todos seus fornecedores em dia, como também conseguiu manter o crédito de boa parte de seus clientes, confiando em sua recuperação passados os piores momentos da crise”. Isso fez com que os laços entre a marca e seus consumidores se estreitassem ainda mais, provando que a Tainá não busca apenas ser sinônimo de qualidade, mas também procura estabelecer uma relação de proximidade com seu público.

A jornada

Tainá Alimentos
Talita e Saul nomearam a empresa em homenagem a sua filha Tainá.| Rodrigo Pierrot

Para chegar a um nível de excelência que excede as expectativas do mercado, a Tainá Alimentos enfrentou uma jornada que começou há 10 anos. A história da empresa também é a história de Talita e Saul, que não desistiram de seu sonho de vender alimentos com qualidade e transparência e que, com força de vontade, consolidaram a marca no mercado. Talita dava aulas para as séries iniciais em Curitiba e Araucária, enquanto Saul trabalhava com entregas usando um caminhão baú que possuía. Ele fazia diversas entregas nos entornos do Mercado Municipal de Curitiba e, entre as inúmeras conversas com donos de lojas de produtos alimentares, veio a vontade de trabalhar nesse ramo. Foi então que Saul resolveu vender seu caminhão. Era o único dinheiro que tinham para investir em seu negócio.

Mas que tipo de alimento deveriam vender? Primeiro consideraram a uva-passa, já que um conhecido de Talita trabalhava com a fruta e conseguiria vender um carregamento ao casal para que eles iniciassem seu negócio. Depois de muito pensar sobre, Saul e Talita decidiram optar por uma commodity nacional: a castanha-do-pará.

Saul partiu então para Belém do Pará com o intuito de conhecer o mercado da castanha. O ano era 2011, e a safra não fora muito boa naquele ano por lá, e ele optou por não comprar o produto. De volta a Curitiba, o casal decidiu então que compraria de outro estado. Assim, encomendaram 1,5 tonelada da castanha diretamente do Acre.

Naquela época, eles ainda não tinham um espaço dedicado ao novo negócio. Por isso, esvaziaram um quarto de casa e colocaram alguns pallets e uma escrivaninha. Quem vê a sede da empresa hoje, com seus quase mil metros quadrados, não imagina que tudo começou em um espaço de 10m².

Com as castanhas em mãos, o casal precisava vendê-las. Enquanto Talita dava aulas, Saul saia todos os dias para conversar com donos de lojas que poderiam vender seu produto e para entregar cartões da empresa, nomeada então de SP. Seu objetivo era visitar 40 lojas por dia, e ele não voltava para casa enquanto não batesse essa meta. Em uma semana, Saul passou por cerca de 200 lojas, e logo seu estoque de castanhas foi zerado. O casal fez novos pedidos de insumos e começou a diversificar os itens, vendendo também castanhas de caju, nozes e damascos.

O mercado acolheu o casal, tanto que em 2013 veio a criação da marca própria e a contratação do primeiro funcionário. A empresa passou a se chamar então Tainá Alimentos, uma homenagem à filha do casal. Hoje a marca conta com 26 funcionários e trabalha com 287 produtos, mas a castanha-do-pará e a de caju continuam sendo o carro-chefe.

Tainá Alimentos
A castanha-do-pará foi o primeiro item vendido pela Tainá Alimentos; catálogo hoje tem 287 produtos. | Rodrigo Pierrot

A empresa vai continuar com suas vendas para lojistas, mas agora também se expande para conquistar mais uma parcela do mercado ao se aproximar do consumidor. Com a venda de seus produtos em pacotes menores, a Tainá dá mais um passo para levar a seus clientes produtos de qualidade e que cuidadosamente selecionados e testados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]