Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Vendas Páscoa 2022
Empresários esperam vendas 10% maiores na Páscoa de 2022.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

As contas ainda não estão fechadas, mas a expectativa é grande para os empresários brasileiros sobre as vendas da Páscoa, comemorada no último final de semana. Dados da consultoria Neotrust revelam que o comércio online deve faturar 10% a mais em 2022 do que no ano passado, quando o país ainda estava sob fortes restrições por causa da Covid-19.

As vendas de ovos de Páscoa, chocolates e bombons somaram R$ 81,9 milhões em 2021, quase o dobro do registrado no ano anterior – R$ 43,7 milhões. A diferença foi ainda maior no comparativo entre 2020 e 2019, quando o faturamento atingiu R$ 5,4 milhões, um aumento de 697% em 2020.

Proporcionalmente, o número de pedidos e de produtos comprados online durante a Páscoa também aumentou desde o início da pandemia. Em 2021, foram realizados mais de 840 mil pedidos online de ovos de Páscoa, chocolates e bombons, o que equivale a 164% mais do que os 318 mil pedidos de 2020.

No comparativo com 2019, quando foram realizados 44 mil pedidos online, o crescimento foi de 614% em 2020.

Em 2021 foram comprados mais de 6 milhões de chocolates, bombons e ovos de Páscoa, um aumento de 144% em relação aos 2,4 milhões de produtos em 2020. Já no comparativo com 2019, quando foram comprados 208 mil chocolates, bombons e ovos de Páscoa, o crescimento em 2020 foi de 1.091%.

Por outro lado, a quantidade de produtos na cesta teve uma leve queda, passando de 7,8 para 7,2, principalmente por conta da inflação. Mas, nada que afete a experiência dos clientes, ressalta Paulina Dias, head de inteligência da Neotrust.

“As compras online de ovos de Páscoa cresceram menos em 2021 do que as de chocolate e bombons. Mesmo assim, essa continua sendo a categoria de produtos mais vendida no período”, diz.

Em 2021, o faturamento do e-commerce com ovos de Páscoa ultrapassou R$ 55,6 milhões, contra os R$ 32,2 milhões faturados em 2020. Já o faturamento com chocolates ultrapassou R$ 20,4 milhões, contra os R$ 8,5 milhões faturados em 2020. E o faturamento com bombons ultrapassou R$ 5,9 milhões, contra os R$ 2,9 milhões faturados em 2020.

Chocolate mais salgado

A queda no poder de compra dos brasileiros na Páscoa refletiu nas vendas, segundo levantamento da Scanntech. A plataforma de dados do varejo apontou um aumento de 44% no preço dos ovos de chocolate, seguido por bombom (21%) e caixa variada (13%).

E isso fez com que os consumidores buscassem alternativas, como opções menores dos produtos. No período que vai de 30 a 14 dias antes da Páscoa, a Scanntech observou uma redução de importância nos ovos de chocolate (-0,7%), nas barras com mais de 81 gramas (-2,2%) e um crescimento das barrinhas de chocolate pequenas ou Candy Bars (+1,8%) e das caixas de variedades (+2,4%), na comparação com 2021.

Isso mostra que diante do preço do Ovo de Páscoa, que está tão acima da média em relação a outros segmentos, o consumidor tem optado por opções menores. Essa tem sido a saída para driblar os gastos elevados no período e ainda sair com produtos em mãos.

Otimismo dos empresários

Apesar das dificuldades, o serviço Boa Vista apurou que 7 em cada 10 empresários brasileiros estão otimistas em fechar as contas da Páscoa com ganhos ainda maiores que no ano passado. Para Flavio Calife, economista da plataforma, a melhora dos índices da pandemia é um incentivo aos gastos.

“Apesar do cenário econômico atual ser bastante incerto e pouco amistoso devido, sobretudo, à inflação, é preciso lembrar que, durante a Páscoa do ano passado, o país atravessava seu pior momento da pandemia, fato que prejudicou as vendas da data na época”, conta.

A Boa Vista também questionou os empresários sobre as expectativas para a retomada econômica neste ano. 22% dos entrevistados disseram estar muito confiantes, enquanto 32% se dizem confiantes. Por outro lado, 37% se consideram pouco confiantes, e 9%, nada confiantes.

De acordo com os empresários, os principais desafios para 2022 são, nessa ordem: conseguir ampliar a atuação no mercado, driblar a inadimplência do negócio e realizar vendas nas redes sociais.

Por fim, os principais objetivos dos empresários esse ano serão a conquista de novos clientes, o aumento das receitas e aumentar a taxa de aprovação de crédito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]