Bebidas

Novidade

Nespresso lança linha de cápsulas da Colômbia, Índia, Indonésia, Nicarágua e Etiópia

Batizada de Master Origin, nova gama de cafés processada com métodos próprios de cada região

por Talita Boros Voitch Publicado em 16/09/2018 às 13h
Compartilhe

A Nespresso lançou em setembro uma nova linha de cafés em cápsula com cinco blends de origem única – Colômbia, Índia, Indonésia, Nicarágua e Etiópia. Cada um dos tipos, desenvolvidos por agricultores locais, seguem as práticas de cultivo para preservar as características originais das bebidas.

Batizada de Master Origin, a linha entrou no lugar da Pure Origin, outra linha bastante popular entre os consumidores da Nespresso, que deixa de existir. As cápsulas já estão à venda tanto no site quanto nas lojas físicas da Nespresso por R$ 2,30 a unidade.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Conheça os cinco novos cafés da linha Master Origin:

 Índia

O café adquirido na Índia passou por uma técnica milenar conhecida como “monsooning”, relembrando um processo antigo em que os grãos eram transportados em barcos e absorviam um alto nível de umidade do oceano, fazendo com que os mesmos inchassem e revelassem um novo e único sabor. Para compor esta cápsula, esse processo foi trazido para o século XXI, e os grãos de Robusta passaram pelo “monsooning” em armazéns na Índia, que junto com grãos Arábica compõem esse marcante café.

Perfil de sabor: Potente e picante
Técnica de processamento: Monsooning

***

Etiópia

No café da Etiópia, os grãos foram cuidadosamente colhidos e secos com a casca e polpa, revolvidos à mão de hora em hora para garantir uma secagem uniforme nos terreiros suspensos da Etiópia.

Perfil de sabor: Floral e radiante
Técnica de processamento: Método de secagem natural

***

Colômbia

Na Colômbia, por sua vez, o momento de colheita típico foi levado ao limite — cada fruto de café foi deixado mais tempo no pé, arriscando a fermentação, até que tivesse exatamente o ponto de maturação desejado. Os frutos com coloração roxo escuro foram, então, manualmente colhidos.

Perfil de sabor: Frutado e vibrante
Técnica de processamento: Colheita tardia

***

Indonésia

Já na Sumatra (Indonésia), o terroir úmido exigiu que os produtores utilizassem um método de processamento descascado úmido, no qual os frutos são descascados, fermentados, secos ao calor e, ainda úmidos, os grãos são processados.

Perfil de sabor: Complexo e amadeirado
Técnica de processamento: Descascamento úmido

***

Nicarágua

Na versão Nicarágua utilizou-se o método “black honey”, no qual os grãos são descascados e secos ainda com a polpa, expostos ao sol intenso nos terreiros da Nicarágua. Isso permite que o grão absorva os açúcares naturais da própria mucilagem

Perfil de sabor: Adocicado e harmonioso
Técnica de processamento: Black honey

LEIA TAMBÉM

Melhor café de Curitiba é de loja com 3 m² inspirada no Japão

Cafeterias, baristas e produtores se unem para deixar o café brasileiro ainda mais gostoso

Baristas de Curitiba ganham todas as premiações em campeonato nacional

 

Compartilhe

8 recomendações para você